Venezuela: entre o “fracasso” e a adesão em massa a um “acto não democrático”

Helena Carpio / EPA

A oposição venezuelana classificou, este domingo, de “fracasso” do Governo a participação nas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte (ANC), enquanto o executivo falou de uma adesão maciça dos venezuelanos ao ato eleitoral convocado pelo Presidente Nicolás Maduro.

Freddy Guevara, primeiro vice-presidente do parlamento, onde a oposição tem uma larga maioria desde as últimas eleições, disse aos jornalistas que o processo fracassou e constitui “uma grande derrota” para o Governo de Nicolás Maduro.

O representante da oposição disse estar seguro que o regime “vai iniciar todo um processo para demonstrar com imagens dos centros eleitorais que em teoria tudo está em paz e está tudo feliz”, e que ao mesmo tempo apague “a repressão que exercem contra o povo”.

O deputado opositor José Guerra afirmou, na sua conta do Twitter, que a eleição da Constituinte foi “um fracasso monumental”, uma mensagem que acompanhou com duas fotografias da rua quase vazia em frente a um centro de votação no centro de Caracas.

O presidente do Parlamento, Julio Borges, porta-voz da aliança opositora MUD, afirmou que “só 7% dos eleitores da Venezuela foi votar” nas eleições deste domingo, considerado que a votação não teve qualquer apoio do eleitorado.

Para Julio Borges “hoje venceu o povo venezuelano”, numa eleição contra “um governo autoritário e completamente fora da Constituição”.

A oposição venezuelana, que decidiu não participar nas eleições, acusa Nicolás Maduro de pretender usar a reforma para instaurar no país um regime cubano e perseguir, deter e calar as vozes dissidentes.

“Triunfou a paz, podemos dizer, triunfou a democracia”

Porém, Nicolás Maduro celebrou os resultados perante centenas de apoiantes que se concentraram na noite deste domingo na Praça Bolívar, em Caracas. O Presidente da Venezuela elogiou os venezuelanos pela “lição de coragem” e “maior participação histórica” nas eleições deste domingo para a Assembleia Constituinte.

“Temos Assembleia Constituinte (…), oito milhões (de votos) por entre ameaças (…), foi a maior votação que teve a revolução bolivariana em 18 anos. O povo deu uma lição de coragem, de valentia. O que vimos foi admirável”, declarou Maduro.

O chefe de Estado venezuelano referiu-se ainda às “pretensões insolentes” do Presidente norte-americano, Donald Trump, de “ditar normas, ordens” a Caracas, com advertências de que não reconhecerá os resultados.

Que nos importa o que diga Trump. Importa é o que diz o povo soberano da Venezuela (…) aqui na Venezuela ordenam e mandam os venezuelanos, o povo valente”, frisou.

EUA, Argentina, México, Peru, Paraguai, Colômbia, Panamá e Espanha já anunciaram que não reconhecem os resultados desta votação.

Por sua vez, o vice-presidente do Governo, Tareck el Aissami, saudou o decorrer da jornada, que elege milhares de candidatos, sem a participação da oposição, aos 545 membros da Assembleia Constituinte convocada por Maduro.

Triunfou a paz, podemos dizer, triunfou a democracia. O povo saiu, de forma maciça, para exercer este direito humano, este direito fundamental”, disse El Aissami numa intervenção transmitida pela televisão, após votar no estado costeiro de Aragua.

O governante responsabilizou “as forças da intolerância” por um incidente ocorrido no estado de Táchira, afirmando que “a antidemocracia pretende impor a agenda da violência”.

O chefe da campanha para a Constituinte, Héctor Rodríguez, celebrou o “rio de gente” que, na sua opinião, foi hoje votar “contra a violência” que diz ser causada pela oposição durante os protestos contra o Governo.

Mortes e violência nas ruas

O dia da votação decorreu entre encerramentos de ruas e outras formas de protesto convocadas pela oposição em todo o país, algumas marcadas por incidentes violentos.

Dez pessoas morreram este domingo, incluindo dois adolescentes de 13 e 17 anos, segundo o Ministério Público. Um número que, no entanto, não bate certo com os números da oposição, que aponta para 14 vítimas.

Os críticos da Constituinte veem neste processo uma intenção do chavismo de consolidar uma ditadura na Venezuela. Os opositores e os defensores do Governo têm disputado, na rede Twitter, uma guerra de fotografias, com os primeiros a mostrar imagens de centros de votação desertos e os segundos a publicar imagens de filas à porta dos locais de voto.

Entretanto, a oposição já marcou novas manifestações para esta segunda e quarta-feira.

Mais de cem pessoas foram mortas nos protestos anti-governamentais que têm agitado a Venezuela desde o passado dia 1 de abril.

António Cotrim / Lusa

A democracia exige liberdade de expressão, pluralidade de opiniões, imprensa livre

Catarina Martins: eleição não é um ato democrático

A líder do Bloco Esquerda (BE), Catarina Martins, disse hoje em Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, que as eleições para a Assembleia Constituinte da Venezuela não são um ato democrático.

“Na Venezuela não estão garantidas condições de liberdade e de pluralidade e há também uma enorme ingerência externa que condiciona muitas decisões que são tomadas e, portanto, sobre todos os pontos de vista diria que não estamos a olhar para uma situação democrática”, sublinhou a dirigente.

Quase 20 milhões de pessoas são hoje chamadas a votar naquele país da América do Sul para eleger uma Assembleia Constituinte, num sufrágio convocado pelo presidente Nicolás Maduro, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

A coordenadora do BE manifestou-se preocupada com a situação de instabilidade que se verifica naquele país da América do Sul e disse esperar que a comunidade portuguesa aí residente seja acompanhada da melhor maneira possível.

Catarina Martins sublinhou ainda que “o BE nunca confundiu a democracia com o ato formal de voto”, salientando que “há muitas ditaduras em que se vota, por exemplo em Angola, e não são uma democracia”.

“Portanto, o facto de existir este domingo na Venezuela um ato em que as pessoas vão votar não significa que seja democrático, porque as condições da democracia exigem liberdade de expressão, pluralidade de opiniões, imprensa livre, e que haja capacidade dos próprios países tomarem decisões”, frisou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

    • Caro senhor,
      A “versão do governo”, como lhe chama, é dada nesta notícia, no subtítulo “Triunfou a paz, podemos dizer, triunfou a democracia”, que engloba 7 parágrafos, nos quais constam declarações de dois membros da campanha do governo – entre os quais, o vice-presidente do Governo.
      O leitor não leu estes parágrafos, ou leu e não compreendeu que eram “a versão do governo”, ou leu e compreendeu, mas apeteceu-lhe vir criticar gratuitamente a “imparcialidade dos media”?

  1. assim os criminosos da direita revelaram outra vez a sua cara de oportunistas que queriam destruir a Venezuela, mas os venezuelanos foram inteligentes e votaram de novo no governo correto, de Nicolas Maduro. Excelentes notícias para as vidas dos venezuelanos.

    • Excelentes notícias para as vidas dos venezuelanos?
      Eu por acaso lembro-me de um tempo, entre 33 e 74, em que havia uma Assembleia Nacional para a qual votavam apenas uns 7% dos portugueses, à qual concorriam apenas ou quase só candidatos de um dado partido político, que eram eleitos por uma esmagadora maioria dos votantes.
      Eram excelentes notícias para as vidas dos portugueses?

      • Votavam em Portugal, quem tivesse propriedades, (terra ou casas).
        Quem não tinha bens não tinha direito a voto.
        As mulheres também não podiam votar.

    • Criminoso é o Maduro que assassina jovens para tentar ficar no poder, aquilo é pior que uma ditadura, já não tem nome

    • É por causa de diminuídos como o senhor que o mundo está como está. Seja feliz mas não partilhe esse seu modo de felicidade com os restantes. Guarde-a só para si.

    • anom? ou hassam? tanto faz, tambem neste pais qualquer terrorista pode roubar armas….deitar fogo as matas….escrever parvoices.ate governar!!!!!

  2. oh amigo criminosos da direita alto aí tento nessa língua!!!!!. criminosos da esquerda isso sim que tanto dão para cá como para lá ao sabor do vento e a falar sempre por entre os dentes para desmentir quando lhes dá jeito. pelo seu ponto de vista e nesse embalo todo a seu ver e com esse medo tudo estara a falar de 9 milhões de portuguese da direita e um milhão da esquerda. huum bem me parecia e a sia filosofia é: se não for da sua cor politica e não tiver as suas ideias é… se não és por mim és contra mim. esse não é nada é penas uma aberração que já deveria ter sido eliminado. pessoas como ele não tem razão de existirem!!!!
    no mar num barquinho bué de longe da costa com um furinho que assim só levava o bilhete de ída…….

  3. Esqueçam a Direita ou a Esquerda. Os ditadores e assassinos são isso mesmo, assassinos e Ditadores. Infelizmente ainda existe quem os apoia o que mostra que as pessoas vivem no engano , na mentira e conseguem ser manipuladas por outros ditadores e assassinos.

RESPONDER

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …

Vanessa Guillen foi espancada até à morte. Jovem soldado tinha dito à mãe que era vítima de assédio

Vanessa Guillen foi vista pela última vez a 22 de abril, pouco tempo depois de confessar à mãe que estava a ser assediada por um sargento. O principal suspeito da morte da jovem suicidou-se e …

Presidente da Câmara do Funchal envia carta a Boris Johnson a defender a Madeira

O presidente da Câmara do Funchal escreveu uma carta a Boris Johnson, na qual realça "alguns argumentos fortes" a favor da Madeira como destino de férias para os cidadãos do Reino Unido. O presidente da Câmara …

Livros pró-democracia desapareceram das bibliotecas de Hong Kong

Livros escritos por importantes ativistas da democracia de Hong Kong começaram a desaparecer das bibliotecas da cidade, avança a agência noticiosa francesa AFP, citando registos online destes espaços. Os livros pró-democracia desapareceram das prateleiras da …

Lito Vidigal é o novo treinador do Vitória de Setúbal

Lito Vidigal é o novo treinador do Vitória de Setúbal. O ex-treinador do Boavista, que já tinha passado pelo Bonfim em 2018/2019, vai suceder a Júlio Velázquez no comando técnico dos sadinos. Esta segunda-feira, Lito Vidigal, …

Estados Unidos confirmam rara infeção provocada por parasita que destrói o cérebro

Foi detetada, no cérebro de uma pessoa no condado de Hillsborough, uma ameba rara que destrói o cérebro. O parasita chama-se Naegleria Fowleri. Uma ameba rara que destrói o cérebro, conhecida como Naegleria Fowleri, foi detetada numa …

IKEA devolve a Portugal 500 mil euros em apoios do lay-off

A IKEA já reuniu com o Governo e diz estar a estudar a melhor forma de proceder à devolução do montante recebido pelo Estado.  Segundo o Dinheiro Vivo, a IKEA Portugal vai devolver cerca de 500 …

Isabel dos Santos diz-se "contactável e disponível" para colaborar com a justiça

Isabel dos Santos negou, esta segunda-feira, que a justiça desconheça o seu paradeiro e que não a consiga contactar, depois de o procurador-geral de Angola ter vindo a público denunciar a ausência de respostas da …

"Não estamos a dar a resposta suficientemente eficaz nesta fase", diz bastonário dos médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, defendeu esta segunda-feira que enquanto faltar uma "resposta suficientemente eficaz" à covid-19 na fase de desconfinamento, a recuperação económica também será mais lenta. O responsável falava aos …