“É impossível vender casas aos preços que os portugueses podem pagar”

O mercado imobiliário está a abrandar e nos próximos tempos, a previsão aponta para uma diminuição na venda de casas. Uma circunstância que se prende com o poder de compra dos portugueses que não têm dinheiro para pagar os valores que se praticam no mercado.

“Houve duas tendências que se destacaram no imobiliário em 2018 e vão continuar em evidência: a queda do poder de compra dos portugueses e o acentuar do gap entre oferta e procura”. Esta é a análise do CEO da imobiliária Century Portugal, Ricardo Sousa, que, em declarações ao Dinheiro Vivo, constata que 20% das pessoas que procuraram casa no ano passado acabaram por desistir do negócio.

“As pessoas até querem comprar, mas não podem pagar ou não querem abdicar de factores como a zona, por isso acabam por sair do mercado”, explica Ricardo Sousa, realçando que “isto faz com que o número de transacções abrande” porque “a maioria das pessoas que compram casa está a vender casa”. “Ora, se não compram, também não colocam a sua no mercado e há menos oferta“, conclui.

Ricardo Sousa nota que “os custos de construção dispararam por causa da falta de mão-de-obra e da carga fiscal”. “O valor médio de construção mais os valores da venda de terrenos e de edifícios fazem com que, matematicamente, seja impossível colocar imóveis no mercado dentro dos preços que os portugueses podem pagar“, constata ainda.

Este responsável fala também das “expectativas irrealistas” dos proprietários que, “por desconhecimento ou porque conhecem alguém que vendeu o metro quadrado a cinco ou seis mil euros, ficam com grandes números na cabeça e as casas usadas vão para o mercado com um preço muito acima do valor real“.

O CEO da Century repara que “2018 foi um ano marcado por alguns excessos” neste âmbito, como cita o Expresso, recomendando aos proprietários para terem “bom senso” e serem “flexíveis nos preços que pedem para venda das casas”.

Mas olhando para o cenário actual, “por não haver oferta suficiente para o poder de compra dos portugueses”, é seguro que “o número de transacções vai abrandar“, constata Ricardo Sousa.

Este elemento destaca que há “uma oportunidade de negócio na classe média e média baixa”, onde se situa “a esmagadora maioria dos portugueses” e onde se verifica uma procura grande “que não está a ser atendida”. O problema é que “muita da construção que vai sair são casas grandes, de luxo, ou casas muito pequenas, para turismo“.

“Os principais actores do sector imobiliário têm de criar soluções em linha com as expectativas e a capacidade financeira das famílias portuguesas”, recomenda Ricardo Sousa.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. “Ora, se não compram, também não colocam a sua no mercado e há menos oferta“

    Que estupidez de conclusão por parte de Ricardo Sousa. Ora se não compram, a que eles não compraram continua no mercado. Se compram, metem a deles no mercado mas tiram aquela que compraram. Fica tudo como dantes, “Quartel General em Abrantes”.

    Conversa de vendilhão.

  2. Não querem é deixar de ganhar os lucros chorudos.
    Mas a responsabilidade destas anormalidades são da responsabilidades do mervado livre e ganacioso instalado no sistema. Neste contexto de oferta e procura é a desregulação constante, porque a especulação está lá sempre, mais ou menos.

  3. Não se preocupem, que não vai faltar casa para comprar no futuro a preços muito acessíveis… Mas infelizmente pelas razões menos agradáveis.
    Quando os juros começarem a aumentar (tenho lido artigos aonde apontam juros a chegar aos 5% ou mesmo em alguns casos a haver previsões de 8%) e os problemas financeiros do país vierem mesmo ao de cima, a crise que ai vem vai acabar por criar situações de muito desespero em que as pessoas vão vender as suas habitações por valores muito inferiores aos que hoje são praticados.

  4. Se os portugueses não conseguem comprar, temos pena, logo que elas sejam vendidas e ocupadas é o que interessa. Se não têm dinheiro para comprar em Lisboa ou no Porto que comprem nas periferias ou no interior. O país não é só estas cidades.

    • A senhora é de boas familias… já cá ando à 40 anos porque vou mudar? Com os meus 630 euros não me queixo.. do meu t0 c vista pro vizinho..

RESPONDER

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …

Turismo, indústria e energia fazem do Norte região que mais cresceu em 2018

O Norte foi a região portuguesa que mais cresceu em 2018, com um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,9%, impulsionado pelo turismo, indústria e energia, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística …