Utentes de lares “retidos” no hospital ao testar positivo ao fim de 10 dias. “Critérios estão errados”, dizem médicos

Jean-Christophe Bott / EPA

Numa altura em que os hospitais já estão a chegar ao seu limite de lotação, uma norma da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre pacientes dos lares ou estruturas de cuidados paliativos ou integrados está a agravar esse congestionamento.

De acordo com o jornal Público, a norma da Direção-Geral da Saúde (DGS) obriga a que os pacientes internados nas enfermarias dedicadas à covid-19 e que vão ser reencaminhados para lares ou estruturas de cuidados paliativos ou integrados não possam ter alta se, ao fim de 10 dias de evolução clínica favorável, o teste continuar a dar positivo.

Os critérios estão errados e são coresponsáveis pelo congestionamento dos hospitais, porque na prática obrigam a que o doente permaneça internado por mais 10 dias, ocupando camas que são necessárias para outros doentes, quando a evidência científica já demonstrou que já não existe qualquer risco de contágio”, criticou o médico José Manuel Silva, ex-bastonário da Ordem dos Médicos e coordenador de uma enfermaria para doentes com covid no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), em declarações ao Público.

“Estes dez dias em que os doentes ficam retidos nos hospitais têm um efeito dramático porque bloqueiam a entrada dos novos doentes que por isso congestionam as urgências ou não conseguem sair das ambulâncias”, insistiu. “Temos no CHUC dezenas de doentes que só estão à espera dos vinte dias para poderem ser transferidos”.

Este problema também é visível no Hospital Curry Cabral, em Lisboa. “Essa norma da DGS impede uma saída mais célere de doentes que já não reúnem critérios de internamento”, disse Fernando Maltez, diretor do serviço de infecciologia daquele hospital, ao Público. A norma ficou desatualizada “a partir do momento em que se constatou que, a partir do oitavo dia, a probabilidade de o doente continuar contagioso é muito baixa”.

Atualizada a 14 de outubro, a norma 004/2020 da DGS define que os doentes internados que vão ser admitidos em lares, unidades de cuidados continuados ou paliativos, bem como aqueles que serão transferidos para áreas não dedicadas a doentes covid, não poderão sair se continuarem a ter um teste positivo ao fim de três dias sem febre e de 10 dias de evolução clínica favorável.

Segundo o intensivista Carlos Meneses de Oliveira, “os testes PCR são altamente sensíveis e detetam os restos do RNA do vírus nas vias aéreas durante muito tempo”, levando a que o resultado seja “um falso positivo”, nalguns casos muito tempo depois da infecção.

O especialista considerou que há doentes “que estão estacionados à espera de uma ordem burocrática” e lembrou que “os hospitais servem para tratar doentes e não para acumular pessoas com testes positivos”.

Esta norma define ainda que, decorridos mais 10 dias, os doentes poderão sair do hospital sem necessidade de submissão a novo teste. Porém, segundo o responsável do Curry Cabral, “há lares, que, mesmo decorridos os 20 dias, e, apesar de isso não estar contemplado na norma, continuam a exigir um novo teste, sem o qual não aceitam receber a pessoa”.

Em declarações ao Público, a DGS esclareceu que a obrigatoriedade de um teste negativo ao fim do décimo dia de evolução clínica favorável a este universo restrito de doentes “está em linha com a posição do ECDC [Centro Europeu de Controlo de Doenças] que recomenda uma cautela particular em locais de elevado risco de contágio e com pessoas com elevada vulnerabilidade para a covid-19, como é o caso das estruturas residenciais para idosos”.

Por outro lado, consideradas “as novas evidências científicas e a experiência adquirida até à data”, a DGS adianta que a norma está a ser atualizada.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Telescópio FAST detetou três misteriosos sinais rádio do ainda jovem Universo

O gigante telescópio chinês FAST (Five Hundred Metre Aperture Spherical Telescope) detetou três misteriosas rajadas rápidas de rádio (FRB) que ocorreram quando o Universo era ainda jovem. As rajadas rápidas de rádio são um dos …

Áustria reitera rejeição de acordo comercial UE-Mercosul

O Governo austríaco, numa carta enviada ao primeiro-ministro, António Costa, reiterou a sua rejeição do acordo comercial UE-Mercosul e apelou a que Portugal, enquanto presidência da União Europeia (UE), “assegure” que a sua votação seja …

Em Málaga, pode comer-se o pão mais caro do mundo. É feito com ouro e prata

É na padaria espanhola Pan Piña que se confeciona aquele que é, de momento, o pão mais caro de todo o mundo. Este é vendido por uma quantia que pode chegar até aos 3.700 euros …

Novas evidências apontam eventual localização dos destroços do MH370. Jornalista sugere que foi abatido

O chefe da busca fracassada pelo voo MH370 da Malaysia Airlines está a pedir um novo inquérito com base em novas evidências que podem finalmente resolver o mistério do desaparecimento da aeronave há sete anos. De …

Cidade nos EUA testou o rendimento básico universal. "Os números foram incríveis"

Além de a percentagem de pessoas que tinham um emprego a tempo inteiro ter subido, os participantes da iniciativa também relataram sentir-se menos ansiosos. De acordo com o estudo publicado esta quarta-feira, citado pela agência …

Belenenses 0-3 Benfica | Vendaval suíço após o descanso

O Benfica venceu o dérbi com a Belenenses SAD, em jogo a contar para 22ª jornada da Liga NOS, por 3-0. Uma partida que teve uma primeira parte mal jogada e com muitas dificuldades para as …

Investigador apresenta nova geração de drones minúsculos e ágeis. São inspirados em mosquitos

Os mosquitos são insetos incrivelmente acrobáticos e resistentes durante o voo, o que os ajuda a navegar entre rajadas de vento, obstáculos e incertezas. Agora, uma equipa de investigadores construiu um sistema que se aproxima …

OMS considera que a pandemia podia ter sido evitada se alguns países não tivessem sido lentos a reagir

O diretor-geral da OMS afirmou esta segunda-feira que alguns países reagiram lentamente à declaração de emergência sanitária global em janeiro de 2020, desperdiçando-se uma "janela de oportunidade" para evitar a pandemia de covid-19. "A 30 de …

Louvre recupera armadura do século XVI roubada há quase 40 anos

O peitoral e o capacete elaboradamente decorados, que estavam desaparecidos desde 1983, datam do século XVI e voltaram finalmente ao museu do Louvre, em França. Quase quatro décadas depois, um peitoral e um capacete do século …

Queixas por cibercrime disparam. Fraude com MB Way foi o crime mais denunciado

O Ministério Público (MP) da Comarca de Lisboa registou 6676 denúncias por crimes informáticos em 2020, um aumento de 15% (mais 998) face a 2019. MB Way é um dos sistemas onde estão associadas mais …