“Último recurso”. Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um “último recurso”

“Faremos o que for necessário para garantir a segurança dos cidadãos, mas a primeira linha de defesa é respeitar as regras de distanciamento social”, disse Matt Hancock, ministro da Saúde, à emissora pública BBC.

O ministro disse que, como uma segunda “linha de defesa” está o sistema de deteção e rastreamento de contágio, depois do qual vêm os confinamentos localizados, como o que vigora em partes do nordeste da Inglaterra, e, finalmente, “medidas nacionais”, como as aplicadas entre março e maio.

“Não quero que isso aconteça”, e para evitá-lo é importante que “as pessoas se unam e reconheçam que estamos diante de um desafio sério”, afirmou.

A BBC noticiou esta sexta-feira que o Executivo britânico está a avaliar a imposição de novas restrições em toda a Inglaterra na próxima semana, que incluiriam o encerramento de bares e restaurantes, mas mantendo escolas e locais de trabalho abertos, devido ao aumento exponencial de infeções nos últimos dias.

Segundo a estação pública, o diretor geral de saúde e o principal assessor científico do governo alertaram, numa reunião na quarta-feira, para o risco de um agravamento da situação epidémica e um número significativo de mortes até o final de outubro se não forem feitas mais intervenções.

O jornal Financial Times adianta que uma hipótese sugerida por cientistas que aconselham o governo é decretar um confinamento mais curto para coincidir com as férias escolares intercalares da última semana de outubro, limitando assim o impacto no ensino.

Dados oficiais divulgados na quinta-feira indicam que foram contabilizados 3.395 novos casos de covid-19 em 24 horas, com 381.614 positivos confirmados até ao momento, e um total de 41.705 mortes, após somar 21 entre quarta e quinta-feira.

Um estudo da universidade Imperial College publicado na semana passada sobre os níveis de infeção em Inglaterra indicou que o número de casos têm estado a duplicar todos os sete a oito dias desde 22 de agosto.

O Reino Unido é o país com o maior número de mortos na Europa e o quinto a nível mundial, atrás dos EUA, Brasil, Índia e México.

Israel regressa ao confinamento

Israel está a preparar-se para regressar esta sexta-feira a um confinamento para tentar conter um surto de covid-19 que há meses tem piorado, numa altura em que o governo tem sido atormentado por indecisão e lutas internas.

O confinamento de três semanas começa às 14h locais (12h em Lisboa) e incluirá o encerramento de muitos estabelecimentos comerciais, limites estritos para reuniões públicas e em grande parte confinará as pessoas a uma área até um quilómetro das suas casas.

O lockdown em Israel coincide com os grandes feriados judaicos, quando as pessoas costumam visitar as suas famílias e juntar-se durante as orações.

Num discurso na quinta-feira, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, alertou que medidas ainda mais rígidas podem ser necessárias para evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados. Existem atualmente mais de 46 mil casos ativos em Israel, com pelo menos 577 pessoas internadas em estado grave nas unidades de cuidados intensivos.

“Pode ser que não tenhamos escolha a não ser tornar as medidas mais rigorosas“, disse Netanyahu, acrescentando: “Não irei impor um bloqueio aos cidadãos de Israel sem motivo, mas não hesitarei em adicionar outras restrições se for necessário”.

Israel relatou um total de mais de 175 mil casos desde o início do surto, incluindo pelo menos 1.169 mortes. Atualmente, reporta cerca de cinco mil novos casos por dia, uma das maiores taxas de infeção per capita do mundo.

Israel foi um dos primeiros países a impor bloqueios mais abrangentes na primavera, fechando as fronteiras e forçando o encerramento de muitas empresas, medidas que conseguiram baixar o número de novos casos para apenas algumas dezenas por dia em maio.

Mas a economia reabriu abruptamente e um novo governo foi empossado, mas ficou paralisado por lutas internas. Nos últimos meses, as autoridades anunciaram várias restrições apenas para as ver ignoradas ou revertidas, mesmo com os novos casos a atingirem níveis recordes.

 

Em Israel, o Governo enfrenta duras críticas à sua resposta ao vírus e à crise económica desencadeada pelo bloqueio da primavera. Netanyahu, que está a ser julgado por corrupção, tem sido alvo de protestos semanais junto à residência oficial. A comunidade ultraortodoxa insular de Israel, que tem um alto índice de infeção, revoltou-se contra as restrições, especialmente aquelas que visam encontros religiosos.

Em Telavive, centenas de pessoas protestaram contra o novo confinamento na quinta-feira, incluindo médicos e cientistas que o consideram ineficaz.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 943 mil mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.888 em Portugal.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E nós também tudo faremos para não ter novo confinamento mas se os doentes entupirem as UCIs (como eu estou convencido que acontecerá durante o Inverno) iremos todos novamente confinar.

RESPONDER

"Sinto que desci ao inferno". Polícias recordam ataque ao Capitólio

"É assim que vou morrer", "sinto que desci ao inferno" e "corri o risco de ser morto" são alguns dos relatos de polícias que estavam na invasão ao Capitólio. Começaram as audiências na comissão da Câmara …

Pandemia aumentou o preço dos carros usados. Venda de veículos novos caiu a pique

A procura por usados aumentou com a pandemia. Com menos carros novos a saírem dos concessionários, também por causa da crise dos chips, a oferta de usados é escassa, levando os preços a subirem. Um choque …

Jogos Olímpicos: três polémicas de arbitragem em 24 horas

Depois da pontuação controversa no surf, uma decisão que quase ninguém entendeu, no basquetebol e no judo. A arbitragem não é, ou não é suposto ser, o foco de qualquer edição dos Jogos Olímpicos. E não …

Rui Vitória quer levar Manafá para o Spartak Moscovo

O Spartak Moscovo, treinado por Rui Vitória, desistiu da contratação de Gabriel e apresentou agora uma proposta por Wilson Manafá. Desde que chegou a Moscovo para treinar o Spartak, Rui Vitória tem sondado alguns jogadores que …

Centro de Migrantes de Caxias seria pago pelo SEF com carros apreendidos e obras eram feitas por presos

As obras feitas para a construção de um Centro de Migrantes no complexo prisional de Caxias terão sido pagas pelo SEF com carros apreendidos. O Centro de Instalação Temporária de migrantes no complexo prisional de Caxias …

Afinal, declaração de pertença à maçonaria ou Opus Dei não será obrigatória

A obrigatoriedade de os políticos e altos cargos públicos declararem a sua pertença e funções em associações como as desportivas, políticas e de carácter secreto foi aprovada no Parlamento este mês. Jorge Lacão esclareceu que a …

Futebol: Alemanha já está fora dos Jogos Olímpicos

Alemães chegaram à final em 2016 mas, desta vez, nem passaram da fase de grupos. Campeão Brasil continua no torneio masculino. Brasil e Alemanha foram as seleções finalistas da edição anterior dos Jogos Olímpicos, em 2016. …

Portugal perto de surpresa no andebol e Ana Catarina Monteiro faz história na natação

No andebol, a equipa olímpica portuguesa esteve muito perto de surpreender a vice-campeã mundial Suécia. Na natação, Ana Catarina Monteiro teve um resultado histórico. A seleção portuguesa de andebol perdeu por 29-28 frente à vice-campeã mundial …

Portugal nunca teve tantos migrantes a obter nacionalidade portuguesa. Maioria são do Brasil e Israel

Em 2020, mais de 149 mil migrantes passaram a ter o cartão cidadão nacional. Só este ano já há registo de 56 mil. O aumento do número de pessoas a pedir nacionalidade portuguesa deve-se à …

Patrões, UGT e Governo assinam acordo de Concertação, num "sinal de desagravamento" das tensões

Esta quarta-feira, será assinado o acordo de formação profissional, denominado Um Desígnio Estratégico para as Pessoas, para as Empresas e para o País, alcançado na concertação social. Carlos Silva, secretário geral da UGT, encara a assinatura …