“Último recurso”. Governo britânico admite novo confinamento no Reino Unido

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, admitiu esta sexta-feira que o Governo conservador não descarta decretar um segundo confinamento nacional para conter a pandemia de covid-19, embora considere esta opção um “último recurso”

“Faremos o que for necessário para garantir a segurança dos cidadãos, mas a primeira linha de defesa é respeitar as regras de distanciamento social”, disse Matt Hancock, ministro da Saúde, à emissora pública BBC.

O ministro disse que, como uma segunda “linha de defesa” está o sistema de deteção e rastreamento de contágio, depois do qual vêm os confinamentos localizados, como o que vigora em partes do nordeste da Inglaterra, e, finalmente, “medidas nacionais”, como as aplicadas entre março e maio.

“Não quero que isso aconteça”, e para evitá-lo é importante que “as pessoas se unam e reconheçam que estamos diante de um desafio sério”, afirmou.

A BBC noticiou esta sexta-feira que o Executivo britânico está a avaliar a imposição de novas restrições em toda a Inglaterra na próxima semana, que incluiriam o encerramento de bares e restaurantes, mas mantendo escolas e locais de trabalho abertos, devido ao aumento exponencial de infeções nos últimos dias.

Segundo a estação pública, o diretor geral de saúde e o principal assessor científico do governo alertaram, numa reunião na quarta-feira, para o risco de um agravamento da situação epidémica e um número significativo de mortes até o final de outubro se não forem feitas mais intervenções.

O jornal Financial Times adianta que uma hipótese sugerida por cientistas que aconselham o governo é decretar um confinamento mais curto para coincidir com as férias escolares intercalares da última semana de outubro, limitando assim o impacto no ensino.

Dados oficiais divulgados na quinta-feira indicam que foram contabilizados 3.395 novos casos de covid-19 em 24 horas, com 381.614 positivos confirmados até ao momento, e um total de 41.705 mortes, após somar 21 entre quarta e quinta-feira.

Um estudo da universidade Imperial College publicado na semana passada sobre os níveis de infeção em Inglaterra indicou que o número de casos têm estado a duplicar todos os sete a oito dias desde 22 de agosto.

O Reino Unido é o país com o maior número de mortos na Europa e o quinto a nível mundial, atrás dos EUA, Brasil, Índia e México.

Israel regressa ao confinamento

Israel está a preparar-se para regressar esta sexta-feira a um confinamento para tentar conter um surto de covid-19 que há meses tem piorado, numa altura em que o governo tem sido atormentado por indecisão e lutas internas.

O confinamento de três semanas começa às 14h locais (12h em Lisboa) e incluirá o encerramento de muitos estabelecimentos comerciais, limites estritos para reuniões públicas e em grande parte confinará as pessoas a uma área até um quilómetro das suas casas.

O lockdown em Israel coincide com os grandes feriados judaicos, quando as pessoas costumam visitar as suas famílias e juntar-se durante as orações.

Num discurso na quinta-feira, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, alertou que medidas ainda mais rígidas podem ser necessárias para evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados. Existem atualmente mais de 46 mil casos ativos em Israel, com pelo menos 577 pessoas internadas em estado grave nas unidades de cuidados intensivos.

“Pode ser que não tenhamos escolha a não ser tornar as medidas mais rigorosas“, disse Netanyahu, acrescentando: “Não irei impor um bloqueio aos cidadãos de Israel sem motivo, mas não hesitarei em adicionar outras restrições se for necessário”.

Israel relatou um total de mais de 175 mil casos desde o início do surto, incluindo pelo menos 1.169 mortes. Atualmente, reporta cerca de cinco mil novos casos por dia, uma das maiores taxas de infeção per capita do mundo.

Israel foi um dos primeiros países a impor bloqueios mais abrangentes na primavera, fechando as fronteiras e forçando o encerramento de muitas empresas, medidas que conseguiram baixar o número de novos casos para apenas algumas dezenas por dia em maio.

Mas a economia reabriu abruptamente e um novo governo foi empossado, mas ficou paralisado por lutas internas. Nos últimos meses, as autoridades anunciaram várias restrições apenas para as ver ignoradas ou revertidas, mesmo com os novos casos a atingirem níveis recordes.

 

Em Israel, o Governo enfrenta duras críticas à sua resposta ao vírus e à crise económica desencadeada pelo bloqueio da primavera. Netanyahu, que está a ser julgado por corrupção, tem sido alvo de protestos semanais junto à residência oficial. A comunidade ultraortodoxa insular de Israel, que tem um alto índice de infeção, revoltou-se contra as restrições, especialmente aquelas que visam encontros religiosos.

Em Telavive, centenas de pessoas protestaram contra o novo confinamento na quinta-feira, incluindo médicos e cientistas que o consideram ineficaz.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 943 mil mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.888 em Portugal.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E nós também tudo faremos para não ter novo confinamento mas se os doentes entupirem as UCIs (como eu estou convencido que acontecerá durante o Inverno) iremos todos novamente confinar.

RESPONDER

Mais 49 mortes e 1.160 casos de covid-19. Há menos doentes internados do que no Natal

O boletim divulgado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que foram registados 1.160 novos casos de covid-19 em Portugal. Nas últimas 24 horas, morreram 49 pessoas. Portugal registou, esta quinta-feira, 1.160 novos casos de …

Bruxelas vai rever regras de uso de telemóvel em roaming

A Comissão Europeia vai rever as regras sobre o roaming do telemóvel, ajustando as tarifas máximas e aumentando a transparência, tendo em vista que o regulamento em vigor caduca a 30 de junho de 2022. Segundo …

Amnistia Internacional retira estatuto de prisioneiro de consciência a Navalny

A Amnistia Internacional anunciou que não pode considerar o principal opositor russo um "prisioneiro de consciência" devido a algumas declarações nacionalistas e xenófobas feitas por si no passado. Esta informação foi revelada, na terça-feira, pelo jornalista …

CGTP volta à rua com concentrações nos distritos e greves e plenários nas empresas

A CGTP vai voltar à rua pela valorização dos salários e do emprego e o respeito pelos direitos individuais e coletivos. A CGTP volta à rua com uma Jornada Nacional de Luta descentralizada para exigir melhores …

27 reúnem-se numa videocimeira para discutir restrições e a aceleração do processo de vacinação

Esta quinta-feira, os 27 reúnem-se virtualmente, numa cimeira coordenada, a partir de Bruxelas, pelo presidente do Conselho Europeu Charles Michel.  Segundo apurou a TSF, na videocimeira desta quinta-feira, os governos deverão reconhecer que a situação epidemiológica …

Em risco de perder a imunidade, Puigdemont fala em "pressão espanhola"

Carles Puigdemont, Toni Comín e Clara Ponsati estão em risco de perder imunidade. O ex-presidente do governo da Catalunha fala em "pressão espanhola" no Parlamento Europeu. O levantamento da imunidade de Carles Puigdemont e de dois …

Plano de desconfinamento a circular nas redes sociais é falso. Governo faz denúncia ao Ministério Público

Esta quinta-feira, começou a circular nas redes sociais um alegado plano de desconfinamento que teria início já no mês de março. O Governo já veio avisar que o documento é falso e vai fazer uma …

Carlos Carreiras diz que "Passos Coelho não é passado, é presente"

O presidente da Câmara de Cascais voltou a criticar a liderança do líder do PSD e, em sentido contrário, deixou rasgados elogios ao seu antecessor. Numa entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Carlos Carreiras …

PSP diz que jovem que se gabou de violação no Instagram pode ter "fantasiado"

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Viseu afirma que "tudo leva a crer" que o jovem que assumiu, em direto no Instagram, ter violado uma rapariga estivesse a fantasiar. A PSP de Viseu identificou o …

Termina hoje o prazo para validar faturas para apresentar no IRS

Os contribuintes têm até esta quinta-feira para validar e verificar as faturas de 2020 no Portal e-fatura e que vão servir de base no cálculo das deduções no IRS. Há já vários anos que as deduções …