No seu 85º aniversário, o imperador japonês Akihito falou ao povo pela última vez antes de abdicar

Mais de 80 mil pessoas juntaram-se este domingo para ouvir o último discurso do imperador japonês Akihito antes de abdicar, em abril.

Ao completar 85 anos, o imperador disse que retira “profundo consolo” do facto de o seu reinado ter passado sem que o Japão voltasse a entrar em guerra. Emocionado, agradeceu o apoio ao povo e à sua esposa, a imperatriz Michiko.

Akihito é o primeiro monarca vivo a abandonar o Trono do Crisântemo, nome dado ao trono imperial do Japão, em quase dois séculos. O imperador foi submetido a cirurgia cardíaca e ao tratamento de um cancro na próstata. Em abril, o seu filho mais velho, o príncipe herdeiro Naruhito, suceder-lhe-á no trono.

O reinado de três décadas de Akihito é conhecido como a era “Heisei”, que em japonês significa “alcançar a paz”.

Durante o seu breve discurso, noticia o Japan Times, o imperador apresentou as suas condolências aos concidadãos que perderam membros da família ou sofreram danos com os sismos, as tempestades severas e as ondas de calor que atingiram o país no último ano.

Embora o seu cargo seja cerimonial e não tenha poder político, Akihito passou grande parte do seu reinado a chamar a atenção para as ações do Japão durante a II Guerra Mundial sob o domínio do pai, o imperador Hirohito. O imperador lamentou as ações militares do Japão na China e na península coreana, tendo igualmente visitado vários campos de batalha no Pacífico para homenagear os mortos.

“É importante não esquecer que inúmeras vidas foram perdidas na II Guerra Mundial e transmitir essa história com rigor àqueles que nasceram depois da guerra”, dissera antes aos jornalistas.

O imperador afirmou ainda que esperava que o Japão pudesse acolher migrantes ao abrigo de uma nova legislação que permita que mais trabalhadores estrangeiros entrem e ajudem a suprir a escassez de mão-de-obra resultante do envelhecimento da população.

O conselho de ministros japonês aprovou o projeto de lei especial que autoriza a abdicação do imperador, uma modalidade excecional e válida apenas para o atual, Akihito. Esta legislação especial foi criada especificamente para Akihito, depois de o imperador ter manifestado, no verão passado, a vontade de abdicar devido à idade avançada e uma saúde enfraquecida.

A lei foi concebida para prevenir futuras abdicações, atendendo aos problemas com que a família imperial se tem vindo a deparar no plano das sucessões. A questão da sucessão voltou a surgir, depois de a princesa Mako, de 25 anos, ter anunciado que iria casar-se com um colega de universidade, perdendo a condição de membro da realeza.

O casamento de Mako reduziu a 18 o número de membros da dinastia reinante mais antiga do mundo. Dos 18, apenas três, excluindo Akihito, são homens com acesso ao trono: o príncipe herdeiro Naruhito (57 anos), o irmão Akishino (51 anos) e o filho deste, Hisahito, de 10 anos e irmão mais novo da princesa Mako.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Vai ser preciso "ser-se rico" para visitar a famosa Ilha de Komodo

Em breve, os turistas que queiram visitar a Ilha de Komodo, o famoso lar de mais de 5.000 dragões de Komodo, terão de ser ricos. O aviso é do Governo local indonésio, que chegou mesmo …

Sócrates saúda saída da prisão de Lula. "Sei que estás em festa, pá"

O antigo primeiro-ministro José Sócrates, acusado de corrupção, considerou que a saída da prisão de Lula da Silva representou uma "reentrada no mundo" do ex-chefe de Estado brasileiro, acontecimento em relação ao qual o PS, …

Ministra da Justiça visitou mãe que abandonou bebé no lixo

A mãe que abandonou o bebé no caixote do lixo em Lisboa está bem de saúde e a receber apoio psicológico, constatou a ministra da Justiça, que esta sexta-feira visitou a jovem na cadeia de …

Ex-embaixadora dos EUA na Ucrânia acusa Trump de intimidação

Marie Yovanovitch, antiga embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, denunciou esta sexta-feira a existência de uma campanha para a descredibilizar levada a cabo por Donald Trump com ajuda de ucranianos, no inquérito para a destituição …

Subida do Salário Mínimo Nacional vai aumentar as propinas

A subida do Salário Mínimo Nacional para os 635 euros em 2020, vai ter influência em valores a pagar ou a receber, nomeadamente nas propinas mínimas do Ensino Superior público e nos tectos do Fundo …

É essencial um acordo internacional para taxar “gigantes” tecnológicos, defende Costa

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou esta sexta-feira insustentável do ponto de vista social a situação em que classes médias e pequenas empresas suportam a maior parte do esforço fiscal e defendeu um acordo …

Lisboa entre as cidades com trânsito mais caótico do mundo

Um estudo da Mister Auto - marca líder de mercado na venda de peças para automóveis - agora divulgado revelou que Lisboa está na 74.ª posição no 'ranking' das cidades mais circuláveis. Ou seja, muito …

Parlamento rejeita reforçar subsídio de doença para doentes crónicos e oncológicos

A Assembleia da República rejeitou esta sexta-feira, na generalidade, reforçar o subsídio de doença para doentes crónicos, oncológicos ou graves. Em causa estavam dois projetos de lei de Bloco de Esquerda e PCP e um projeto …

Vacas levadas pelo furacão Dorian aparecem dois meses depois

Três vacas desapareceram de uma ilha na Carolina do Norte, em setembro, na sequência do furacão Dorian. Nas últimas semanas, foram encontradas a oito quilómetros de distância. As três vacas desaparecidas de uma ilha na Carolina …

Criptomoedas são "péssima ideia" e interferem com a política monetária

O Nobel da Economia de 2007, Eric Maskin, afirmou, em entrevista à Lusa, que as criptomoedas são uma "péssima ideia", alertou que interferem com as medidas de política monetária e partilhou que tem esperança que …