Governo japonês aprova proposta de lei para abdicação do imperador Akihito

Achilles Tsantarliotis, USMC / Wikimedia

O imperador do Japão, Akihito, numa cerimónia com a imperatriz Michiko em 2009

O imperador do Japão, Akihito, numa cerimónia com a imperatriz Michiko em 2009

O conselho de ministros japonês aprovou um projeto de lei especial que autoriza a abdicação do imperador, uma modalidade excecional e válida apenas para o atual, Akihito.

O diploma vai ser enviado durante o dia à Dieta (Parlamento), onde o Executivo espera que seja aprovado, sem grandes obstáculos, em meados do próximo mês.

Se tudo correr como previsto, o imperador Akihito poderá renunciar às funções até ao final do próximo ano, deixando o filho mais velho, Naruhito, aceder ao trono do Crisântemo no início de 2019, de acordo com a imprensa nipónica.

Se Akihito abdicar vai tornar-se no primeiro a tomar esta decisão nos últimos 200 anos. A última vez que um imperador abdicou do trono foi em 1817 com Kokaku.

O governo liderado por Shinzo Abe considerou que o momento ideal para a abdicação é dezembro de 2018, altura em que o imperador cumpre 85 anos e completa três décadas no trono.

Esta legislação especial foi criada especificamente para Akihito, depois de o imperador ter manifestado, no verão passado, a vontade de abdicar devido à idade avançada e uma saúde enfraquecida.

A lei foi concebida para prevenir futuras abdicações, atendendo aos problemas com que a família imperial se tem vindo a deparar no plano das sucessões.

A questão da sucessão voltou a surgir, depois de a princesa Mako, de 25 anos e neta de Akihito, ter anunciado há três dias que vai casar-se com um colega de universidade, perdendo a condição de membro da realeza.

Além de não permitir a abdicação, a lei de 1947 que rege a Casa Imperial eliminou as chamadas ramificações colaterais, pelo que todas as mulheres da família real perdem o estatuto de realeza ao contrair matrimónio com um plebeu, algo que reduziu substancialmente o número de membros do trono do Crisântemo.

O casamento de Mako vai reduzir a 18 o número de membros da dinastia reinante mais antiga do mundo.

Dos 18, apenas três, excluindo Akihito, são homens com acesso ao trono: o príncipe herdeiro Naruhito (57 anos), o irmão Akishino (51 anos) e o filho deste, Hisahito, de 10 anos e irmão mais novo da princesa Mako.

Apesar de abdicação ter sido um fenómeno comum ao longo da história japonesa, o trono do Crisântemo também chegou a ser ocupado por mulheres (a última no século XVIII), possibilidade que a lei de 1947, permitindo apenas a sucessão masculina.

Akihito chegou ao trono aos 55 anos, a 7 de janeiro de 1989, depois da morte do pai, o imperador Hirohito.

Os cinco anteriores imperadores do Trono do Crisântemo morreram em funções: Hirohito (1926/1989), Taisho (1912/1926), Meiji (1867/1912), Komei (1846/1867) e Ninko (1817-1846).

De acordo com a Constituição pacifista japonesa, o imperador desempenha “funções de representação do Estado” e é “o símbolo da nação e da unidade do povo”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Deixar Bilbau não dá bom resultado (lembra-se da grande equipa de Bielsa?)

Javi Martínez tenta contrariar a tendência dos seus antigos companheiros de equipa no famoso Atlético de Bilbau, que só aceita no seu plantel futebolistas nascidos no País Basco ou com ascendência familiar basca. Javi Martínez, herói …

Tatuagens racistas, saias curtas, cabelos e bigodes estranhos proibidos na PSP

Os polícias que tenham tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência têm seis meses para as remover, de acordo com novas normas da PSP que também …

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …