União Europeia avança com sanções contra Lukashenko e Moscovo

Amanda Voisard / UN Photo

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia desde 1994

Os chefes da diplomacia da União Europeia (UE) acordaram, esta segunda-feira, avançar com sanções contra o Presidente bielorrusso e contra Moscovo.

“Hoje, os ministros [dos Negócios Estrangeiros] confirmaram que Alexander Lukashenko carece de qualquer legitimidade democrática e deram a sua luz verde política para começar a preparar o próximo pacote de sanções, que irá incluir o próprio Lukashenko”, declarou o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, em conferência de imprensa no final da reunião destes responsáveis, no Luxemburgo.

A informação foi avançada horas depois de o Conselho da UE ter informado, em comunicado, que os ministros dos Negócios Estrangeiros manifestaram a sua “disponibilidade” para reforçar as sanções aplicadas aos repressores dos protestos na Bielorrússia, admitindo abranger o chefe de Estado nas medidas restritivas “caso a situação não melhore”.

E surge também depois de um primeiro pacote de medidas restritivas – incluindo limitações à circulação ou congelamento de bens e contas – que abrangeu cerca de 40 personalidades ligadas ao regime bielorrusso e que foi oficialmente aprovado pelo Conselho Europeu há duas semanas.

Na altura, os líderes europeus optaram por não sancionar Lukashenko, temendo que isso bloquearia o diálogo político, de acordo com fontes diplomáticas, mas essa posição alterou-se devido ao comportamento do Presidente bielorrusso.

“O que aconteceu desde a última lista mostra uma falta de vontade de Lukashenko de avançar com negociações e contactos com vista a […] uma solução democrática para o que está a acontecer na Bielorrússia”, justificou, hoje, Josep Borrell à imprensa.

O Alto Representante da UE para a Política Externa vincou, ainda, que o acordo político alcançado entre os ministros dá uma “mensagem clara às autoridades bielorrussas de que perpetuar a atual situação não é possível”, isto depois de mais um fim-de-semana de protestos pacíficos e de violência no país, nos quais foram detidas 713 pessoas (570 permanecem sob custódia policial à espera de serem presentes a um juiz).

Esta segunda-feira, o Ministério do Interior da Bielorrússia anunciou que a polícia irá recorrer, “se necessário”, a balas reais e a “equipamentos especiais” para travar os protestos no país, argumentando que a contestação se radicalizou.

Sanções devido ao envenenamento de Navalny

Hoje, os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE aprovaram, ainda, um pacote de sanções contra Moscovo, após o envenenamento do opositor russo, Alexei Navalny, com um agente nervoso do grupo Novichok.

“Implementámos a proposta feita pela França e a Alemanha de impor sanções àqueles que estão ligados à tentativa de homicídio [de Navalny]”, referiu Josep Borrell, acrescentando que “todos os Estados-membros aceitaram as sanções, ninguém se mostrou relutante“.

O anúncio surge após França e Alemanha terem acusado Moscovo, na quarta-feira passada, de estar por trás do envenenamento do opositor russo.

O ministro dos negócios estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, e o seu homólogo alemão, Heiko Maas, tinham publicado, na altura, um comunicado conjunto em que referiam que “a França e a Alemanha pediram múltiplas vezes à Rússia para esclarecer as circunstâncias do crime, assim como aqueles que a perpetraram”, mas “nenhuma explicação credível” lhes foi fornecida.

“Neste contexto, não há outra explicação plausível para o envenenamento do Sr. Navalny a não ser o envolvimento e a responsabilidade da Rússia”, referia o comunicado.

Face à ameaça de sanções por parte da Alemanha e da França, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, tinha referido, na passada sexta-feira, que não lhe “causava surpresa” que as sanções fossem anunciadas, “sem evidências e sem concluir a investigação exigida pela Alemanha e por outros países da UE”.

Cabe agora ao Conselho Europeu implementar as sanções hoje aprovadas, com base numa lista que será fornecida pela França e Alemanha.

“O corpo técnico do Conselho Europeu vai agora receber a lista de sanções proposta pela França e a Alemanha, acompanhada das provas que forem fornecidas pelos dois países, e vai proceder à sua implementação prática”, referiu Borrell.

Em 2018, a UE já tinha imposto sanções ao chefe e vice-chefe do Departamento Central de Inteligência russo (GRU), após o envenenamento, com um agente tóxico do grupo Novichok, do ex-espião russo, Sergei Skripal, e da sua filha, Yulia Skripal, na cidade de Salisbury, em Inglaterra.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Novo ano letivo marcado pelo recorde de pedidos de bolsas de estudo no superior

Número crescente de alunos e perda de rendimentos das famílias são duas das razões apontadas para os pedidos recorde. O ano letivo 2021/22 ainda agora arrancou, mas já está a bater recordes no que respeita aos …

Urgências em Lisboa estão cheias. Situação pode piorar nas próximas semanas

As urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, estão em situação crítica, com tempos de espera elevados. A situação de calamidade multiplica-se em vários hospitais do país, de …

Portugal já tem 86% da população totalmente vacinada contra a covid-19

A vacinação completa contra a covid-19 abrange já 86% da população portuguesa e são já mais de nove milhões de pessoas as que têm pelo menos uma dose da vacina, de acordo com os dados …

Direção do CDS desautoriza Telmo Correia e defende eleições "o mais brevemente possível"

A direção do CDS-PP não gostou de ouvir o líder parlamentar dizer que a melhor altura para realizar eleições legislativas seria no final de janeiro ou fevereiro. Depois de uma reunião com o presidente da Assembleia …

Órban e Le Pen apoiam a Polónia e criticam "imperialismo" da UE

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e a líder da União Nacional (RN, na sigla em francês), Marine Le Pen, manifestaram esta terça-feira apoio à Polónia no conflito que mantém com a UE, a qual acusam …

Após goleada frente ao Bodø/Glimt, Mourinho põe de lado quatro jogadores

Em duas convocatórias consecutivas, José Mourinho deixou de fora quatro futebolistas que participaram na derrota por 6-1 frente ao Bodø/Glimt. Naquela que foi a maior derrota de sempre da carreira de José Mourinho, o Tottenham perdeu …

O que cai e o que fica: as medidas que o chumbo do OE deita por terra e as que permanecem

O grosso das medidas previstas na proposta de Orçamento do Estado para 2022 não deverá sair do papel. As aprovadas em Conselho de Ministros, por sua vez, manter-se-ão viáveis, já foram discutidas fora da sede …

Truque permite que o Orçamento não seja votado esta quarta-feira

Há um mecanismo que, se for acionado, permite que o Orçamento do Estado para 2022 sobreviva mesmo que não seja votado. O Orçamento do Estado para 2022 pode baixar à comissão sem votação. Este mecanismo, nunca …

Conceição reconhece supremacia do Santa Clara e admite culpa na derrota

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, reconheceu que o Santa Clara foi superior e diz-se culpado pela derrota pesada que deixa o clube fora da Taça da Liga. O FC Porto está fora da Taça …

"Vechtpartij", quadro de Jan Steen.

Antigos jogos de bebida acabavam em vinho derramado e esfaqueamentos

Hoje vistos como jogos de diversão para jovens, na antiguidade, os drinking games (jogos de bebida) eram comuns em toda a sociedade — e, por vezes, terminavam mal. O kottabos era um antigo jogo de bebida …