Triplicar testes pode evitar hospitalizações e poupar milhões

Andrea Fasani / EPA

Estudo de investigadores portugueses conclui que se elevarmos a taxa de mil para três mil testes por milhão de habitantes prevenimos novos casos de covid-19.

Um grupo de investigadores defendeu esta terça-feira que triplicar os testes de diagnóstico da covid-19 poderá evitar mais de 900 hospitalizações, poupar milhões e melhorar a gestão de recursos ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O estudo foi desenvolvido por um grupo de trabalho multidisciplinar da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) designado COVIDcids que foi especialmente criado para fazer face aos desafios médico-científicos decorrentes da pandemia da covid-19, gerando “novos conhecimentos que apoiem a tomada de decisão em saúde”.

“Elevar a atual taxa de 1.000 testes para uma taxa de 3.000 testes por milhão de habitantes permitirá poupar mais de quatro milhões de euros, só em hospitalizações evitáveis (correspondendo a mais de 900 hospitalizações nos próximos 10 dias), o que se traduzirá em menor pressão para o SNS, mais vidas salvas e menos oportunidades de contágio”, defendem os autores do estudo.

No estudo de avaliação económica agora tornado público, os investigadores concluíram que a massificação de testes para covid-19 é uma “estratégia custo-efetiva, capaz de gerar poupanças diretas na ordem dos milhões de euros em hospitalizações”, refere João Fonseca, diretor do Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da FMUP, num comunicado enviado.

O especialista explica que, nesta simulação, assumiu-se que pelo menos 7,5% dos testes teriam resultado positivo, uma taxa consideravelmente mais baixa do que a atual, que se se situa nos 15%. Utilizaram-se modelos de análise com dados nacionais do dia 21 de Março, e foram testados vários cenários quanto ao número de testes realizados e à frequência de resultados positivos.

Os resultados corroboram a conclusão de que “se devem aumentar as taxas de testes para se atingir o objetivo de reduzir o número de novas infeções, e subsequentemente de hospitalizações”, sublinha o investigador Bernardo Sousa Pinto, no mesmo comunicado.

Segundo este grupo de investigadores, com uma massificação de testes para a covid-19 podem identificar-se os casos infetados mais precocemente, evitar novas infeções e, por conseguinte, hospitalizações.

Aliás, os autores entendem que “os benefícios reais subjacentes à massificação de testes por covid-19 poderão ser ainda maiores do que os estimados, uma vez que, neste estudo, não foram tidas em conta questões ligadas à produtividade e aos custos de oportunidade”.

“O facto de ter mais hospitalizações em doentes com covid-19 leva a que exista competição por recursos de saúde, que, nesta altura, são escassos, deixando de estar disponíveis para doentes com outras patologias. Acrescem previsíveis decréscimos nos custos dos testes com a entrada de novos concorrentes no mercado e com a ação dos reguladores”, defende Francisco Rocha Gonçalves, especialista em Economia da Saúde da FMUP.

A equipa salienta ainda que “os custos não devem ser a única ou sequer a principal variável a pesar nas decisões políticas, no entanto, os resultados para os doentes subjacentes à simulação económica também denotam benefícios de saúde claros”.

Assim, “estes resultados podem ser mais um estímulo a um alargamento da quantidade de testes realizada, em linha com as recomendações da Organização Mundial de Saúde, com as intenções manifestadas nos últimos dias pelo Governo, e com os exemplos de sucesso de países como a Coreia do Sul ou a Noruega”, acrescenta o professor da FMUP João Fonseca.

Contudo, os autores avisam que, para se conseguirem melhores resultados, é necessário “um esforço imenso e imediato” no sentido de alargar a capacidade de realização de testes em todo o país, recorrendo a todo o sistema de saúde.

“A sociedade civil pode e deve mobilizar-se e colaborar em iniciativas de identificação de casos, reduzindo assim o número de contactos e, consequentemente, de novos infetados”, apela Altamiro da Costa Pereira, diretor da FMUP, também envolvido neste trabalho.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 377 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 16500 morreram. Em Portugal, há 30 mortes e 2362 infeções confirmadas, segundo o balanço feito esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pedro Proença acredita que "vai ser possível jogar na presente temporada"

O Presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) admitiu, esta terça-feira, a possibilidade de realizar jogos à porta fechada e ainda esta temporada. Em entrevista à rádio TSF, Pedro Proença disse acreditar que ainda "vai …

Centeno deixa aviso à Zona Euro. Futuro da UE depende da resposta que der à pandemia

Mário Centeno escreveu aos ministros das Finanças da Zona Euro para os alertar que o futuro da União Europeia depende da forma como conseguir lidar com a crise económica devida à pandemia de Covid-19. Uma …

Governo quer desempregados e trabalhadores em lay-off a reforçar lares e hospitais

O Governo criou uma medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde com o objetivo de apoiar as entidades do setor social e solidário. De acordo com o ECO, o Governo …

Recibos verdes podem pedir apoio a partir desta quarta-feira. Será pago ainda este mês

O apoio por quebra de atividade destina-se a trabalhadores independentes que nos últimos 12 meses tenham tido obrigação contributiva em pelo menos 3 meses consecutivos. O formulário para os trabalhadores independentes pedirem apoio por redução de …

"Este mês é perigosíssimo!" Costa avisa que "não podem ir à terra e ao Algarve" na Páscoa

"As pessoas não podem ir à terra!" O alerta é de António Costa que avisa que este mês de Abril "é perigosíssimo" por causa da Páscoa. O primeiro-ministro recomenda também aos emigrantes que não venham …

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …