Tribunal de Contas acusa Finanças de falta de controlo na CGD entre 2013 e 2015

PSD / Flickr

A ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque

O Tribunal de Contas acusa o Ministério das Finanças de “falta de controlo” na Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2013 e 2015, salientando que o Estado aprovou documentos de prestação de contas sem ter a informação completa. No relatório, o TdC conclui que as Finanças só controlam metade das empresas públicas.

Num relatório de auditoria sobre o controlo do Setor Empresarial do Estado efetuado pelo Ministério das Finanças entre 2013 e 2015, divulgado esta terça-feira, o Tribunal de Contas considera que houve uma “falta de controlo pelo Estado” do banco público nesse período, após a recapitalização de 2012 (no montante de 1.650 milhões de euros).

No documento, o Tribunal de Contas enumera situações em que considera que o Ministério das Finanças, que durante a maior parte daquele período foi tutelado por Maria Luís Albuquerque (no anterior governo PSD/CDS-PP), deveria ter exercido um maior controlo sobre o banco público.

“O controlo da CGD carece de transparência, particularmente evidenciada pela não remessa ao acionista dos documentos exigidos pelo regime jurídico do Setor Público Empresarial”, afirma a entidade, concluindo que “a aprovação de contas da CGD foi efetuada com lacunas de informação“.

Em causa está a “falta de conhecimento” dos instrumentos previsionais de gestão da CGD não só pela Unidade Técnica de Acompanhamento e Monitorização do Setor Público Empresarial (UTAM), mas também pela Direção-Geral de Tesouro e Finanças (DGTF).

Dessa forma, afirma o Tribunal de Contas, esta informação não foi incorporada no processo de apreciação dos documentos de prestação de contas, “o que fez com o que acionista tenha aprovado os mesmos sem a informação completa”.

Entre as falhas, a entidade aponta que os relatórios trimestrais da evolução do Setor Empresarial do Estado naquele período não englobam a CGD, dando conta de que “o último relatório anual de acompanhamento do setor publicado, em que se efetuou uma análise individualizada desta empresa, é o referente a 2013”.

No sistema de recolha de informação económica e financeira usado pelo Setor Empresarial do Estado (SIRIEF), o Tribunal de Contas encontrou apenas quatro relatórios trimestrais de auditoria à CGD, relativos a 2015, mas introduzidos no sistema já em 2016.

Assim, conclui que “não existem evidências de que os relatórios relativos aos anos anteriores tenham sido tidos em consideração na análise técnica prévia à aprovação dos documentos de prestação de contas, no decurso do período de 2013-2015“.

Além disso, no relatório da comissão de auditoria do quarto trimestre de 2015, o Tribunal de Contas denota que foram identificadas “matérias de interesse para a tutela” que comportam, entre outras, os créditos com acompanhamento individual e garantidos por ações, bem como as cedências de ativos e a evolução da situação relativa ao Novo Banco, para a qual “a comissão de auditoria alertou para a necessidade de lhe ser disponibilizada informação por forma a acautelar/avaliar eventuais impactos para a CGD”.

Além disso, aponta o Tribunal de Contas, esse relatório revela a existência de imparidades no valor de 1.500 milhões de euros e a exposição da CGD em 4.500 milhões de euros – valor que exclui as exposições a dívidas públicas nacional e estrangeiras, do fundo de resolução, ao plano de pensões e a sociedades intervenientes na gestão de créditos com origem no processo de reestruturação do BPN.

“Ainda assim, não há evidências de que esta empresa tenha sido objeto de qualquer ação inspetiva da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) solicitada pelo acionista”, apesar não só das “fragilidades de controlo interno identificadas”, mas também da “existência de matérias de operação de risco”.

Finanças só controlam metade das empresas públicas

No relatório divulgado hoje, o Tribunal de Contas concluiu que o controlo sobre o Setor Empresarial do Estado que o Ministério das Finanças tem vindo a implementar desde 2013 não é ainda eficaz e tem estado a incidir apenas sobre metade das empresas públicas.

Sendo que a CGD é a maior das empresas da carteira de participações do Estado e representa a quase totalidade do setor financeiro do Setor Empresarial do Estado, o tribunal fez uma apreciação “mais detalhada” do banco público.

O Ministério das Finanças respondeu ao Tribunal de Contas, mostrando-se “firmemente empenhado”em aumentar o controlo sobre o Setor Empresarial do Estado.

O gabinete do ministério tutelado por Mário Centeno centrou-se depois no futuro da CGD, reiterando que o Estado já aprovou um “plano industrial” a ser implementado no mandato 2016-2019.

Este plano inclui “uma análise económica, um plano de negócios viável, incluindo desinvestimentos em operações não estratégicas, uma análise detalhada dos resultados da CGD, S.A., e da evolução expectável do seu balanço, com projeções após aumento de capital, os retornos projetados para o investimento acionista e, ainda, a projeção da calendarização de tais retornos”, refere a tutela.

Por sua vez, a CGD refutou as críticas de “insuficiente controlo” pelo acionista, referindo o quadro aplicável às instituições de crédito, no qual se inclui a supervisão, o que, para o Tribunal de Contas, não é suficiente.

“A atuação das instituições de regulação e de supervisão previstas na legislação setorial não garante ao acionista nem a maximização dos resultados financeiros, nem uma otimização da atividade da empresa que conduza a um determinado impacto económico ou social”, afirma a entidade.

Também o Ministério das Finanças afirmou que, “independentemente de, no passado, o controlo da CGD poder ter sido assegurado de forma mais direta pelas entidades de supervisão financeira, se pretende colocar igualmente ênfase no cabal cumprimento do Regime Jurídico do Setor Público Empresarial”.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Fica-se com a impressão que se está a discutir filhos viciados e não banqueiros. O governo seria a mamã aterrorizada… O que raio há de normal nesta espécie? Será que são afinal terroristas ?

  2. Revoltante! Que laxismo, que incompetência, que falta de zelo.
    Conhecendo o que foi o governo de Passos Coelho, a primeira análise perante estes factos só pode mesmo ser de repulsa por tanta incompetência e desleixo porém, conhecendo as linhas de orientação ideológica pelas quais se pauta, sou levado a pensar que esta situação é coerente com o objectivo final da sua governação, ou seja, privatizar tudo o que é do Estado. Felizmente não foram a tempo da Seg. Social e a CGD, que certamente estaria na calha, não foi porque deu jeito mante-la publica mais uns tempos, afinal estamos a falar do maior banco português, estatal, que injectou muito dinheirinho noutros bancos (privados claro está) para safar alguns “amigos do peito”, caso de BPN entre outros.
    Metido o lixo para debaixo do tapete, tivemos a mentira da “saída limpa”, para depois nos espetarem com mais 4 anos de aldrabices até os abutres a quem Passos prestava vassalagem terem “comido tudo”. A seguir, bem, a seguir já todos sabemos o filme, Passos saía, era convidado para administrador dum Goldman ou dum Deutsch Bank e nós, cá continuávamos a navegar na trampa, com a agravante de já estarmos despojados de empresas com um potencial enorme de gerar riqueza ( EDP, PT, CIMPOR, ETC) para o País.

  3. Mas afinal qual é a função do Banco de Portugal e agora até do BCE? São os governantes que têm de fiscalizar as empresas públicas ou serão os seus gerentes que terão de as gerir com competência embora quanto a mim caiba aos governos todos os anos saber como vão as finanças de cada empresa e dar-lhes ou não aval segundo o seu comportamento, mas aqui parece que todos entendem que as empresas públicas são mais para dar emprego do que produzir riqueza ou prestar serviços nas devidas condições, o mal é velho e pelo andar da carruagem vai de mal a pior.

RESPONDER

Turistas fizeram café em Veneza. Foram multados em 950 euros e convidados a abandonar a cidade

Dois turistas alemães foram multados por fazerem um café nos degraus da famosa ponte Rialto, em Veneza. Depois, tiveram de deixar a cidade, segundo as autoridades municipais. Os dois turistas de Berlim, com idades entre 32 …

Merkel admite: Greta Thunberg teve influência nas novas medidas alemãs pelo ambiente

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta sexta-feira que o seu governo decidiu ser mais ambicioso nas medidas contra as alterações climáticas como resposta à mobilização e marchas pelo ambiente de crianças e adolescentes inspirados …

Google paga prémios até centenas de milhares de euros para descobrir bugs

A Google aumentou o valor dos prémios que oferece a quem descobrir bugs nos seus produtos e serviços. Alguns dos prémios podem mesmo chegar aos milhares de euros. Ganhar dinheiro ao descobrir bugs é algo desconhecido …

Identificado suspeito do incêndio no estúdio de animação no Japão. Queixa-se de plágio

Esta quinta-feira, um incêndio no estúdio de animação KyoAni provocou 33 mortos e 35 feridos. Confirmadas as suspeitas de que o desastre resultara de fogo posto e que o autor usara gasolina para propagar as …

Nunca ninguém mandou tanto tempo como Benjamin Netanyahu

Benjamin Netanyahu foi o primeiro chefe de Governo de Israel a nascer no país — em Telavive, a 21 de outubro de 1949, um ano após a criação do Estado.  Foi também o primeiro-ministro mais …

Vulcão Etna acordou e entrou de novo em erupção

O Etna voltou a acordar lançando lava de uma das crateras localizadas na área desértica do topo do vulcão siciliano, de acordo com o Instituto Nacional Italiano de Geofísica e Vulcanologia (INGV). A atividade é intermitente …

Agência Europeia para a Segurança da Aviação alerta para limitações dos Airbus 321neo

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) publicou na passada quarta-feira um estudo sobre um problema nos Airbus 321neo que pode dar origem a uma “redução do controle do avião”. O documento alerta todas as …

Carlos Vinícius por 17 milhões no Benfica. É o terceiro reforço mais caro das águias

O Benfica anunciou hoje como reforço o avançado brasileiro Carlos Vinícius, que assina por cinco temporadas, com o clube "encarnado" a pagar 17 milhões de euros ao Nápoles pela transferência. Os encarnados confirmaram a contratação do …

"Acharam que era empregado de mesa". Deputado Hélder Amaral denuncia racismo no Parlamento Europeu

O deputado do CDS-PP Hélder Amaral revela que foi vítima de racismo no Parlamento Europeu. O único deputado afro-descendente com assento parlamentar refere que "acharam que era empregado de mesa". Esta revelação foi feita por Hélder …

Há mais cinco dias para pagar o IVA (e mais mudanças noutros impostos)

Os deputados aprovaram esta sexta-feira, a proposta do Governo que altera diversos códigos fiscais, entre os quais mais cinco dias para o pagamento do IVA e eliminação de garantia para dívidas mais baixas de …