May marcou votação do Brexit para janeiro. Trabalhistas contra-atacam com moção de censura

Andy Rain / EPA

O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn

O líder do principal partido da oposição do Reino Unido, o Trabalhista, Jeremy Corbyn, apresentou na segunda-feira no parlamento uma moção de censura à primeira-ministra, Theresa May.

Corbyn divulgou a sua decisão depois de May ter anunciado que o parlamento só votaria a separação da União Europeia na semana de 14 de janeiro, mais de um mês depois do que estava previsto inicialmente.

“Esta câmara não tem confiança na primeira-ministra, uma vez que fracassou em permitir um voto imediato sobre o acordo de saída e o enquadramento para a relação futura entre o Reino Unido e a UE”, assinalou Jeremy Corbyn, citado pelo Público. “É inaceitável que tenhamos de esperar quase um mês antes de votar neste assunto tão crucial para o futuro do país”.

Mas, ao contrário de uma moção de censura ao governo, um voto sobre May não tem o poder de derrubar o governo e forçar a realização de eleições.

Para além de procurar beliscar a autoridade de May, o objetivo é forçá-la a marcar a votação decisiva para o futuro do divórcio para esta semana, uma vez que o Parlamento britânico suspende a atividade a partir de quinta-feira, por causa do Natal.

A moção dificilmente será apoiada na Câmara dos Comuns, já que o European Research Group – o grupo de conservadores eurocépticos – já vieram garantir que não vão aderir à “votação inútil do Labour”. Nesse sentido, os votos dos trabalhistas, dos nacionalistas-escoceses, dos liberais-democratas, entre outros partidos na oposição, provavelmente serão insuficientes para embaraçar May.

Ainda antes do seu anúncio inesperado, Corbyn acusou May de ter guiado o Reino Unido para uma “crise nacional”, quando tomou a decisão de suspender a votação e regressar a Bruxelas a fim de “obter garantias legais e políticas” para a controversa solução encontrada para evitar uma fronteira física na ilha irlandesa.

Theresa May rejeitou, no entanto, estas insinuações e acusou-o de estar a mover-se por “interesses partidários” ao invés do “interesse nacional”. A primeira-ministra voltou a sublinhar que não lhe passa pela cabeça convocar um novo referendo ou oferecer aos deputados a possibilidade de votarem entre vários cenários, caso o acordo seja chumbado.

Não quebremos a fé do povo britânico ao tentarmos organizar um novo referendo. Uma nova votação causaria danos irreparáveis à integridade da nossa política, porque diria a milhões de pessoas que confiaram na democracia, que a nossa democracia não cumpre”, defendeu a primeira-ministra.

Entretanto, o Partido Democrático Unionista, da Irlanda do Norte, cujos 10 deputados permitem a May governar em minoria, pediu mais “clareza” quanto às concessões que este espera obter da UE para melhorar o Brexit.

“Precisamos de clareza por parte da primeira-ministra para saber exatamente o que se preparar em relação a questões-chave como a vinculação legal indefinida que tem a salvaguarda”, afirmou o dirigente unionista.

Doods reiterou a recusa do seu partido ao acordo subscrito por Londres e Bruxelas, devido à inclusão da designada salvaguarda, concebida para manter aberta a fronteira entre as duas Irlandas, depois do Brexit agendado para 29 de março.

A garantia estabelece que, se não houver um acordo comercial bilateral no final do período de transição, em dezembro de 2020, todo o Reino Unido forma uma união aduaneira, mas a província britânica da Irlanda do Norte terá um estatuto especial, mais alinhado com o mercado único europeu, para evitar a chamada fronteira dura com a República da Irlanda.

Para o DUP, esta previsão ameaça a relação da região com a Grã-Bretanha, que inclui a Escócia, o País de Gales e a Inglaterra, e ameaçou recusar o acordo.

A chefe do governo britânico disse na segunda-feira aos deputados da Câmara dos Comuns, que o debate sobre o tema vai ser reiniciado em 7 de janeiro, quando o parlamento reabrir depois das férias do Natal, adiantando que a votação será feita na semana seguinte.

A votação sobre os termos da saída do Reino Unido da União Europeia foi anunciada também na segunda-feira por May para a semana que começa em 14 de janeiro, mais de um mês depois do que se admitiu. A votação deveria ter ocorrido na semana passada, mas May cancelou-a quando se tornou claro que o acordo para o Brexit seria rejeitado.

May está a procurar obter garantias adicionais por parte da União Europeia, para ganhar o apoio dos deputados eurocéticos, mas Bruxelas já assegurou que é impossível qualquer renegociação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pinto da Costa diz ter total confiança em Sérgio Conceição

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, garantiu que tem "total confiança nos jogadores e no treinador", Sérgio Conceição, que no sábado colocou o lugar à disposição, de acordo com a newsletter oficial dos …

Isabel dos Santos utilizou três identidades para entrar e sair de Portugal

A empresária angola Isabel dos Santos utilizou três documentos de identificação distintos durante as últimas viagens que fez entre Portugal e o Reino Unido. "Izabel Dosovna Kukanova", "Isabel José dos Santos" e "Santos Isabel" foram as …

Voar nunca foi tão seguro, garante a Estatística

Voar em companhias áreas comerciais nunca foi tão seguro, garante um estudo levado a cabo por um professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que monitoriza o número de mortes de passageiros de todo o …

Coronavírus já provocou 56 mortes. China começa a desenvolver vacina

China começou a desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus, que já provocou a morte a 56 pessoas e infetou 1.975 pessoas no país, informa este domingo o jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). De …

Portugueses vencem "Óscares" de animação em Los Angeles

O filme “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias” da realizadora portuguesa Regina Pessoa, venceu este domingo o prémio de Melhor Curta Metragem e Sérgio Martins venceu a Melhor Direção de Animação em Longa Metragem, pelo …

Juiz Neto de Moura muda nome com que assina acórdãos

O juiz Neto de Moura, envolvido em algumas decisões polémicas sobre violência doméstica, alterou o nome com que assina os acórdãos, avança o Jornal de Notícias na sua edição impressa deste domingo. De acordo com …

Violenta tempestade faz pelo menos 30 mortos em Minas Gerais

A violenta tempestade que desde quinta-feira assola o estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil, já provocou pelo menos 30 mortos e 17 desaparecidos, anunciou este domingo a Proteção Civil. De acordo com o novo balanço, …

Descobertas quatro novas espécies de tubarões que caminham

Foram descobertas quatro novas espécies de tubarões que caminham usando as suas barbatanas. Ao todo são já conhecidas nove espécies deste tipo de tubarões. Investigadores encontraram tubarões que caminham nas águas do norte da Austrália e …

Caso suspeito de infeção por coronavírus em Portugal deu negativo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informou este domingo que o primeiro caso suspeita de coronavírus em Portugal, com um paciente sob observação no Hospital de Curry Cabral, em Lisboa, deu negativo após  análises. "A Direção-Geral da …

Francisco Rodrigues dos Santos é o novo líder do CDS

A moção de estratégia de Francisco Rodrigues dos Santos, sob o título "Voltar a Acreditar", foi a mais votada na madrugada domingo no 28.º congresso do CDS, em Aveiro, avançaram à agência Lusa fontes partidárias. A …