May marcou votação do Brexit para janeiro. Trabalhistas contra-atacam com moção de censura

Andy Rain / EPA

O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn

O líder do principal partido da oposição do Reino Unido, o Trabalhista, Jeremy Corbyn, apresentou na segunda-feira no parlamento uma moção de censura à primeira-ministra, Theresa May.

Corbyn divulgou a sua decisão depois de May ter anunciado que o parlamento só votaria a separação da União Europeia na semana de 14 de janeiro, mais de um mês depois do que estava previsto inicialmente.

“Esta câmara não tem confiança na primeira-ministra, uma vez que fracassou em permitir um voto imediato sobre o acordo de saída e o enquadramento para a relação futura entre o Reino Unido e a UE”, assinalou Jeremy Corbyn, citado pelo Público. “É inaceitável que tenhamos de esperar quase um mês antes de votar neste assunto tão crucial para o futuro do país”.

Mas, ao contrário de uma moção de censura ao governo, um voto sobre May não tem o poder de derrubar o governo e forçar a realização de eleições.

Para além de procurar beliscar a autoridade de May, o objetivo é forçá-la a marcar a votação decisiva para o futuro do divórcio para esta semana, uma vez que o Parlamento britânico suspende a atividade a partir de quinta-feira, por causa do Natal.

A moção dificilmente será apoiada na Câmara dos Comuns, já que o European Research Group – o grupo de conservadores eurocépticos – já vieram garantir que não vão aderir à “votação inútil do Labour”. Nesse sentido, os votos dos trabalhistas, dos nacionalistas-escoceses, dos liberais-democratas, entre outros partidos na oposição, provavelmente serão insuficientes para embaraçar May.

Ainda antes do seu anúncio inesperado, Corbyn acusou May de ter guiado o Reino Unido para uma “crise nacional”, quando tomou a decisão de suspender a votação e regressar a Bruxelas a fim de “obter garantias legais e políticas” para a controversa solução encontrada para evitar uma fronteira física na ilha irlandesa.

Theresa May rejeitou, no entanto, estas insinuações e acusou-o de estar a mover-se por “interesses partidários” ao invés do “interesse nacional”. A primeira-ministra voltou a sublinhar que não lhe passa pela cabeça convocar um novo referendo ou oferecer aos deputados a possibilidade de votarem entre vários cenários, caso o acordo seja chumbado.

Não quebremos a fé do povo britânico ao tentarmos organizar um novo referendo. Uma nova votação causaria danos irreparáveis à integridade da nossa política, porque diria a milhões de pessoas que confiaram na democracia, que a nossa democracia não cumpre”, defendeu a primeira-ministra.

Entretanto, o Partido Democrático Unionista, da Irlanda do Norte, cujos 10 deputados permitem a May governar em minoria, pediu mais “clareza” quanto às concessões que este espera obter da UE para melhorar o Brexit.

“Precisamos de clareza por parte da primeira-ministra para saber exatamente o que se preparar em relação a questões-chave como a vinculação legal indefinida que tem a salvaguarda”, afirmou o dirigente unionista.

Doods reiterou a recusa do seu partido ao acordo subscrito por Londres e Bruxelas, devido à inclusão da designada salvaguarda, concebida para manter aberta a fronteira entre as duas Irlandas, depois do Brexit agendado para 29 de março.

A garantia estabelece que, se não houver um acordo comercial bilateral no final do período de transição, em dezembro de 2020, todo o Reino Unido forma uma união aduaneira, mas a província britânica da Irlanda do Norte terá um estatuto especial, mais alinhado com o mercado único europeu, para evitar a chamada fronteira dura com a República da Irlanda.

Para o DUP, esta previsão ameaça a relação da região com a Grã-Bretanha, que inclui a Escócia, o País de Gales e a Inglaterra, e ameaçou recusar o acordo.

A chefe do governo britânico disse na segunda-feira aos deputados da Câmara dos Comuns, que o debate sobre o tema vai ser reiniciado em 7 de janeiro, quando o parlamento reabrir depois das férias do Natal, adiantando que a votação será feita na semana seguinte.

A votação sobre os termos da saída do Reino Unido da União Europeia foi anunciada também na segunda-feira por May para a semana que começa em 14 de janeiro, mais de um mês depois do que se admitiu. A votação deveria ter ocorrido na semana passada, mas May cancelou-a quando se tornou claro que o acordo para o Brexit seria rejeitado.

May está a procurar obter garantias adicionais por parte da União Europeia, para ganhar o apoio dos deputados eurocéticos, mas Bruxelas já assegurou que é impossível qualquer renegociação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estado gastou milhões de euros em obras sem utilidade

O Estado português investiu milhões de euros em vários obras que hoje não têm qualquer tipo de uso. Muitas delas foram feitas com a ajuda de fundos comunitários. São várias as obras feitas pelo Estado que …

Só uma dúzia de pessoas conhecem as perguntas dos exames nacionais

O primeiro exame nacional é de Filosofia do 11º ano. Quando chegar às mãos dos estudantes, o enunciado da prova já passou por várias fases, desde a elaboração, a impressão e a distribuição, em que …

Marcelo promulga compra do SIRESP. "Tudo o que acontecer será responsabilidade do Estado”

O Presidente da República promulgou o decreto-lei do Governo com vista à compra, pelo Estado, de 100% do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). Marcelo Rebelo de Sousa alertou para as …

Maior manifestação de sempre em Hong Kong leva Governo a pedir desculpa

Seis horas depois do início da marcha de protesto contra a lei da extradição, “uma multidão nunca vista” continuava a inundar as ruas de Hong Kong este domingo, na “maior manifestação de sempre”, disseram vários …

Mais de 200 ex-políticos acumulam subvenções vitalícias e reformas

Quase quinze anos depois de o Parlamento ter decidido acabar com as subvenções vitalícias, existem ainda 322 beneficiários de subvenções mensais vitalícias para antigos políticos. Destes, 216 têm uma acumulação de pensão e subvenção superior …

Mulher de Netanyahu considerada culpada de usar dinheiros públicos em refeições de luxo

A mulher do primeiro-ministro israelita foi, no domingo, considerada culpada do uso indevido de dinheiros públicos e condenada a pagar uma multa, segundo uma decisão do tribunal de Jerusalém. Acusada em junho de 2018 por fraude, …

Incêndio catastrófico destruiu a "Pompeia britânica" um ano depois de ser construída

O assentamento incrivelmente preservado na Idade do Bronze, denominado "Pompeia britânica", foi destruído por um incêndio um ano depois de ser construído. Um novo estudo, publicado na revista Antiquity, revela novos detalhes sobre Must Farm, uma …

Marcelo responde à Fenprof: uma “história mal amanhada”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo incompreensíveis as críticas da federação dos professores, que o acusou de não ser Presidente de todos os portugueses. O Presidente da República advertiu que, “por …

"Onde está o Boris?". Channel 4 marca ausência de favorito à liderança do Partido Conservador com cadeira vazia

A ausência de Boris Johnson, o favorito para ganhar a eleição interna no partido Conservador para suceder à primeira-ministra britânica, Theresa May, foi este domingo simbolizada por um lugar vazio num debate televisivo com os …

Os humanos podem ter sido destinados a reinar sobre a Terra (e já sabemos porquê)

Se voltássemos atrás no tempo, a aleatoriedade dos eventos mudaria completamente o nosso caminho evolucionário. No entanto, os cientistas descobriram que os inúmeros trilhos possíveis poderiam não evitar que fossem os humanos a espécie dominadora. O …