Trabalhadores em lay-off podem perder dois a três salários em 2020

Neil Hall / EPA

Feitas as contas com base nas linhas gerais do Programa de Estabilização Económica e Social, os trabalhadores em lay-off podem perder dois a três salários em 2020.

O lay-off simplificado veio trazer uma solução rápida para milhares de trabalhadores e empresas que se viram afetados pela pandemia de covid-19. António Costa apresentou as linhas gerais do Programa de Estabilização Económica e Social, permitindo que se calculasse quanto vai custar aos trabalhadores que passaram pelo lay-off simplificado.

O jornal Público fez as contas e concluiu que estes trabalhadores poderão perder entre dois e três salários. Apenas quem ganha o salário mínimo (635 euros) será poupado, escreve o matutino este sábado.

No melhor dos cenários, um salário base de 1000 euros brutos perderá 1,9 salários em 2020. Enquanto isso, no pior cenário, pode mesmo perder 2,2 salários. Para rendimentos entre 1000 e 2500 euros, a perda é praticamente igual.

A partir dos 3000 euros brutos, a situação complica-se. Quem ganha 3500 euros, a perda é de 2,4 salários; e para quem ganha 4000 euros pode chegar aos 2,7 salários.

No pior dos cenários, a perda é de 2,2 salários para remunerações entre 1000 e 2500 euros; 2,3 para quem ganha 3000 euros brutos; 2,6 para quem ganha 3500 e 2,9 para quem ganha 4000.

Esta quinta-feira, Costa sublinhou que “devemos organizar a transição do atual lay-off” em três situações. O atual regime de lay-off simplificado vai manter-se até ao fim do mês de julho.

As empresas de atividades económicas que vão continuar, por lei, encerradas poderão continuar no lay-off simplificado. Já as empresas que decidirem retomar a normalidade terão direito a um salário mínimo por trabalhador – sendo que haverá dois salários mínimos desde que durante seis meses não exista despedimento. Para as empresas que terão de continuar a reduzir a atividade, o primeiro-ministro anunciou um novo regime de apoio à retoma, no qual não é possível suspender o contrato de trabalho. Com perda de atividade de 40%, pode reduzir até um máximo de 50% e, a partir de outubro, até 40%. Se a quebra for superior a 60% pode ainda reduzir a 70% (a partir de outubro em 60%).

Os cortes podem ser de 17% ou 23% por mês, consoante a quebra da faturação da empresa. No último trimestre do ano, podem ser de 8% ou 12%.

“Grandes empresas que perderam faturação e são financeiramente sólidas vão continuar a aproveitar-se do erário público para pagarem parte dos salários quando não precisariam nem deveriam ter a ajuda do Estado”, diz Isabel Camarinha da CGTP. Além disso, a sindicalista diz que tem havido um “aproveitamento” das empresas com boa saúde em detrimento das micro e pequenas empresas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Football Leaks. PGR e FPF só souberam de ataques informáticos pela PJ

A Procuradoria Geral da República (PGR) e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) só souberam que tinham sido alvo de ataques informáticos através da Polícia Judiciária (PJ), revelou esta quinta-feira o inspetor José Amador no …

Governo prolonga prazo das moratórias até setembro de 2021. Portugal em contingência até 14 de outubro

O Conselho de Ministros decidiu prorrogar, esta quinta-feira, a vigência da situação de contingência em Portugal continental até às 23h59 de 14 de outubro. As moratórias de crédito foram prolongadas até 30 de setembro de …

Trump diz que diretrizes mais rigorosas para aprovação de vacina são “jogada política”

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse, esta quarta-feira, que a Casa Branca “pode ou não” aprovar novas directrizes da Food and Drug Administration. As novas diretrizes para aprovação de vacina contra a covid-19 exigem …

Maduro insta ONU a criar fundo que garanta alimentos e medicamentos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs que a Organização das Nações Unidas (ONU) crie um fundo rotativo de compras públicas para garantir o acesso a alimentos e a produtos de saúde, financiado com recursos …

Mais três mortes e 691 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta quinta-feira, mais três mortes e 691 novos casos de infeção por covid-19 em relação a quarta-feira, mostra o boletim mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da …

2 em 1. Ryanair está a oferecer um voo na compra de outro (e é só hoje)

Já estava com saudades de viajar e conhecer novos países? A Ryanair não quer que lhe falte nada. A companhia aérea low cost lança uma promoção “inédita” e garante uma oferta 2 em 1. As …

Autarca de Almada diz que declarações sobre Bairro Amarelo foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse esta quarta-feira que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido …

Vendas tardam em recuperar. Empresas pouco preparadas para mudanças

Um estudo do Banco de Portugal (BdP), publicado na quarta-feira, revelou que as empresas enfrentam um "cenário de recuperação muito gradual" do volume de negócios para níveis anteriores à pandemia e poucas estão preparadas para …

Hospital de Lisboa deixou entrar pessoas sem máscara

O Hospital da Luz, em Lisboa, permitiu a entrar e circulação de pessoas sem máscara dentro das instalações. O hospital garante que foi um "erro humano" e que não voltará a acontecer. A Rádio Renascença escreve, …

A Estação Espacial Internacional moveu-se para evitar uma colisão

Esta terça-feira, a Estação Espacial Internacional realizou uma "manobra de evasão" para evitar ser atingida por um pedaço de lixo espacial. Controladores de voo russos e norte-americanos terão trabalhado em conjunto para mover a Estação Espacial …