Trabalhadores em lay-off podem perder dois a três salários em 2020

Neil Hall / EPA

Feitas as contas com base nas linhas gerais do Programa de Estabilização Económica e Social, os trabalhadores em lay-off podem perder dois a três salários em 2020.

O lay-off simplificado veio trazer uma solução rápida para milhares de trabalhadores e empresas que se viram afetados pela pandemia de covid-19. António Costa apresentou as linhas gerais do Programa de Estabilização Económica e Social, permitindo que se calculasse quanto vai custar aos trabalhadores que passaram pelo lay-off simplificado.

O jornal Público fez as contas e concluiu que estes trabalhadores poderão perder entre dois e três salários. Apenas quem ganha o salário mínimo (635 euros) será poupado, escreve o matutino este sábado.

No melhor dos cenários, um salário base de 1000 euros brutos perderá 1,9 salários em 2020. Enquanto isso, no pior cenário, pode mesmo perder 2,2 salários. Para rendimentos entre 1000 e 2500 euros, a perda é praticamente igual.

A partir dos 3000 euros brutos, a situação complica-se. Quem ganha 3500 euros, a perda é de 2,4 salários; e para quem ganha 4000 euros pode chegar aos 2,7 salários.

No pior dos cenários, a perda é de 2,2 salários para remunerações entre 1000 e 2500 euros; 2,3 para quem ganha 3000 euros brutos; 2,6 para quem ganha 3500 e 2,9 para quem ganha 4000.

Esta quinta-feira, Costa sublinhou que “devemos organizar a transição do atual lay-off” em três situações. O atual regime de lay-off simplificado vai manter-se até ao fim do mês de julho.

As empresas de atividades económicas que vão continuar, por lei, encerradas poderão continuar no lay-off simplificado. Já as empresas que decidirem retomar a normalidade terão direito a um salário mínimo por trabalhador – sendo que haverá dois salários mínimos desde que durante seis meses não exista despedimento. Para as empresas que terão de continuar a reduzir a atividade, o primeiro-ministro anunciou um novo regime de apoio à retoma, no qual não é possível suspender o contrato de trabalho. Com perda de atividade de 40%, pode reduzir até um máximo de 50% e, a partir de outubro, até 40%. Se a quebra for superior a 60% pode ainda reduzir a 70% (a partir de outubro em 60%).

Os cortes podem ser de 17% ou 23% por mês, consoante a quebra da faturação da empresa. No último trimestre do ano, podem ser de 8% ou 12%.

“Grandes empresas que perderam faturação e são financeiramente sólidas vão continuar a aproveitar-se do erário público para pagarem parte dos salários quando não precisariam nem deveriam ter a ajuda do Estado”, diz Isabel Camarinha da CGTP. Além disso, a sindicalista diz que tem havido um “aproveitamento” das empresas com boa saúde em detrimento das micro e pequenas empresas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …

Costa diz que Portugal vai ter "o dobro" de fundos comunitários para investir

O primeiro-ministro afirmou, este sábado, que Portugal vai contar, nos próximos sete anos, com "o dobro" de fundos comunitários para investimento, considerando que esta "é uma oportunidade única" que não pode ser desperdiçada. "Vamos ter a …

Chinesa morre após salvar a filha de deslizamento de terra. Bebé esteve 24 horas nos escombros

Uma mulher morreu após salvar o seu bebé quando um deslizamento de terra e uma forte inundação atingiram a sua casa na China, revelam as equipas de resgate. Como noticia a BBC, a bebé foi resgatada …

Caso Ihor. IGAI pede expulsão do ex-diretor de fronteiras do SEF

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) já entregou ao ministro Eduardo Cabrita o relatório final do processo disciplinar contra o inspetor coordenador do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) António Sérgio Henriques, que propõe a …

Chuvas torrenciais fazem mais de uma centena de mortos na Índia

Pelo menos 136 pessoas morreram na Índia, em consequência de chuvas torrenciais que assolaram o país e causaram fortes enchentes e deslizamentos de terra, enterrando casas e submergindo ruas. Numa altura em que as alterações climáticas …

China inaugurou o comboio mais rápido do mundo

O comboio-bala maglev, que pode atingir uma velocidade de 600 quilómetros por hora, fez a sua estreia em Qingdao, na China, esta semana. Tal como conta a cadeia televisiva CNN, este comboio-bala maglev foi desenvolvido pela …

Quatro portugueses detidos em Espanha por alegada violação de duas mulheres

A polícia espanhola anunciou, este sábado, ter detido quatro cidadãos portugueses por suposta violação múltipla e abusos sexuais a duas mulheres de 22 e 23 anos, numa pensão em Gijón, no norte do país. Segundo a …

Stonehenge pode perder estatuto de património mundial da UNESCO

Depois de Liverpool, também Stonehenge pode perder o estatuto de património mundial da UNESCO. O aviso surge após o secretário dos transportes, Grant Shapps, ter dado luz verde aos planos de construção de um túnel …