Terrorista telefonou a pedir perdão à família pelo que ia fazer

O bombista suicida que matou 22 pessoas na segunda-feira em Manchester, terá dito que foi movido pelo tratamento injusto que recebeu, afirmou uma parente.

A familiar disse à Associated Press que Salman Abedi, o britânico de 22 anos de origem líbia, lhe telefonou a explicar o motivo e a pedir perdão pelo que ia fazer.

A mulher, que falou ao telefone com a agência a partir da Líbia, afirmou que um amigo muçulmano foi assassinado no ano passado e que Salman lhe disse que os “infiéis” no Reino Unido não se importaram.

“A raiva foi a principal razão” para o atentado, que fez ainda 64 feridos à saída de um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande na Manchester Arena.

Ao telefone com a sua parente, o terrorista terá pedido: “Perdoa-me”.

Hashim, um dos irmãos de Salman que foi detido para interrogatório na Líbia, também confirmou que este lhe telefonou a ele e à mãe, quinze minutos antes de cometer o ataque, para se despedir. Este familiar é suspeito de ter ligações ao grupo extremista.

As autoridades britânicas estão a investigar as ligações entre Abedi e outros militantes islâmicos em Manchester, no resto da Europa e no norte de África e Médio Oriente.

Um membro da comunidade líbia de Manchester afirmou que o jovem foi banido da mesquita depois de ter interrompido e insultado um imã que fazia um discurso contra o Estado Islâmico, que reivindicou o atentado.

Segundo um irmão mais novo, Salman terá consultado a Internet para aprender a fabricar um engenho explosivo e tentar conseguir “uma vitória para o Estado Islâmico”.

Esta madrugada, a polícia de Manchester efetuou a detenção de mais um homem por suspeita de ligação ao atentado, ao mesmo tempo que continuam as buscas em várias direções como parte da investigação. Fonte oficial confirmou que atualmente há oito homens sob custódia, que estão a ser interrogados, depois de um homem e uma mulher terem sido libertados sem acusação.

Polícia britânica volta a partilhar informações com EUA

A polícia britânica voltou a partilhar informações com os Estados Unidos, depois de uma suspensão esta quinta-feira causada pela fuga de informação sobre o atentado feita pela Administração norte-americana aos jornalistas.

O New York Times publicou em exclusivo oito fotografias recolhidas à saída da sala de espetáculos onde ocorreu o atentado, que terá sido a gota de água para a polícia britânica. No entanto, a primeira-ministra Theresa May aproveitou a cimeira da Aliança Atlântica, em Bruxelas, para questionar o Presidente dos EUA. De acordo com o seu porta-voz, May disse a Donald Trump que a troca de informação com os EUA é “extremamente importante e apreciada” mas que deve permanecer confidencial.

“Pedi ao Departamento da Justiça e às outras agências responsáveis que lancem um inquérito completo” às fugas de informação e, “se for adequado, os culpados devem ser perseguidos com todo o rigor da lei“, afirmou Trump. “Não há relação que prezemos mais do que a relação especial entre os Estados Unidos e o Reino Unido”, acrescentou.

Olivier Douliery / EPA

Theresa May com Donald Trump

Theresa May com Donald Trump

A teoria da conspiração

Nas redes sociais, surgiu uma teoria da conspiração que aponta o dia 22 de julho como a data possível para um novo atentado terrorista. Em causa está o facto de os últimos ataques terem acontecido sempre nesse dia e nos meses de março, maio e julho.

Por exemplo, um dos piores ataques do ano passado aconteceu em Bruxelas, no dia 22 de março, quando vários terroristas se fizeram explodir no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maelbeek. 34 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas.

Em Munique, no dia 22 de julho, um tiroteio provocado por um jovem de 18 anos, que depois se suicidou, matou nove pessoas num centro comercial.

Já este ano, no dia 22 de março, seis pessoas morreram em Londres, depois de um homem ter atacado um agente da polícia e ter avançado de carro, na ponte de Westminster, contra as pessoas que se encontravam no local.

Agora, no Manchester Arena, no passado dia 22 de maio, 22 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas depois de um jovem de 22 anos se ter feito explodir no fim de um concerto da cantora Ariana Grande.

Apesar de muitas pessoas estarem a alertar nas redes sociais para o próximo dia 22 de julho, outros utilizadores estão a deitar esta teoria por terra porque há outros atentados que aconteceram em dias diferentes. É o caso de Paris, que aconteceu no dia 13 de novembro do ano passado, e de Nice, no dia 14 de julho.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Pandemia ameaça agricultura portuguesa. Cereais e setor do vinho em risco

Não é surpresa que alguns setores vão ser fortemente prejudicados pela pandemia de covid-19. A agricultura é um deles. Um grupo de trabalho criado pelo Governo - o Grupo de Acompanhamento e Avaliação das Condições de …

Governo dos Açores impõe cercas sanitárias em todos os concelhos de São Miguel

O Governo dos Açores decidiu fixar cercas sanitárias nos seis concelhos da ilha de São Miguel, para fazer face à pandemia de covid-19 na região, anunciou esta quinta-feira o líder do executivo. Ficam interditadas, segundo Vasco …

Espanha vai rastear mais de 40 milhões de telemóveis para enfrentar pandemia

Mais de 40 milhões de telemóveis vão ser rastreados em Espanha num estudo de mobilidade anónima que permitirá conhecer os movimentos da população entre territórios e contribuir para tomar decisões para enfrentar a pandemia causada …

Assistência a filho paga a 100% deixa de fora funcionários públicos inscritos na CGA

O pagamento a 100% do subsídio de assistência a filho que entrou em vigor este mês não abrange os funcionários públicos inscritos na Caixa Geral de Aposentações (CGA), revelou fonte oficial do Ministério da Administração …

Câmara do Porto quer isentar rendas de 257 estabelecimentos até junho

A Câmara do Porto vai propor a isenção total das rendas de 257 estabelecimentos situados em prédios municipais, no período de 18 de março a 30 de junho, no valor global de cerca de 112 …

Deslocações na Páscoa limitadas ao concelho de residência

O Governo vai limitar as deslocações dos portugueses durante o período de Páscoa aos concelhos de residência de permanência. De acordo com o Jornal de Notícias, que avança a notícia esta quinta-feira, entre a véspera da …

"Dos mais novos no mundo a morrer." Bebé de seis semanas morre de covid-19 nos EUA

Morreu, nos Estados Unidos, um bebé de seis semanas, que estava hospitalizado desde o fim de semana, na sequência de uma infeção provocada pela covid-19. Um bebé de seis semanas, que estava hospitalizado desde o fim …

Reyes seguia a 187 km/h quando sofreu acidente mortal

O futebolista José Antonio Reyes conduzia a 187 km/h quando rebentou um pneu do carro, provocando o acidente que causou a morte ao antigo jogador do Benfica, indica o relatório pericial da Guarda Civil. A investigação …

OMS está "muito preocupada com o rápido aumento da infeção"

A OMS mostra-se preocupada com a evolução do número de infetados pelo novo coronavírus e pede o perdão da dívida para os países mais vulneráveis. O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) diz estar muito …

Cerco sanitário prolongado em Ovar. "Situação ainda não está controlada"

A Direção-Geral de Saúde decidiu prolongar a cerca sanitária no concelho de Ovar por mais 15 dias, avança o Jornal de Notícias esta quinta-feira. De acordo com o matutino, as autoridades de saúde vão permitir …