TdC insatisfeito com respostas de Centeno: Finanças não têm toda a informação sobre venda do Novo Banco

José Sena Goulão / Lusa

O Tribunal de Contas considera que o ministério das Finanças não demonstra ter toda a informação sobre o Novo Banco e a operação de venda à Lone Star, segundo a auditoria divulgada na quarta-feira ao fim da noite.

O Tribunal de Contas (TdC) divulgou na quarta-feira uma auditoria à Autoridade Nacional de Resolução de Bancos, a cargo do Banco de Portugal (BdP), que inclui perguntas ao Ministério das Finanças sobre a estabilidade do sistema financeiro (incluindo o Novo Banco), as respetivas respostas e a apreciação que faz dessas respostas.

Uma das perguntas está relacionada com o cumprimento dos contratos para o Estado emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução, para este recapitalizar o Novo Banco, respondendo as Finanças que “o acordo tem vindo a ser cumprido integralmente” e indicado os valores disponibilizados em cada ano (430 milhões de euros em 2018, 850 milhões de euros em 2019, 850 milhões de euros em 2020).

Na apreciação, o TdC diz que, “não obstante o reportado, não foi entregue toda a evidência necessária e pretendida para justificar resposta positiva a esta questão, nomeadamente toda a documentação sobre a operação de venda [em 2017] de 75% do capital social do Novo Banco” ao fundo de investimento norte-americano Lone Star.

“Constata-se, assim, que o Ministério das Finanças não dispõe de toda a informação sobre essa operação, apesar de ter sido o ministro de Estado e das Finanças a celebrar (pelo Estado português) o acordo-quadro para disponibilização de meios financeiros para a satisfação das obrigações do Fundo de Resolução”, lê-se na apreciação da resposta pelo TdC.

Questionada sobre se os ativos incluídos no balanço do Novo Banco foram objeto de auditoria ou de outro processo de validação, as Finanças responderam que na resolução do BES houve uma avaliação da PWC determinada pelo Banco de Portugal e que as contas do Novo Banco estão sujeitas a validação externa.

Contudo, diz novamente o TdC que a resposta nao é acompanhada da evidência necessária: “Constata-se que o Ministério das Finanças não dispõe de evidência sobre a validação do limite máximo de 3.890 milhões de euros de perdas nesses ativos que o mecanismo de capital contingente, contratualizado em 2017, obriga o Fundo de Resolução a cobrir. E que também não dispõe de evidência sobre o processo de auditoria às contas do Novo Banco nem sobre os processos de verificação do acordo de capitalização contingente, que são acompanhados pelo Fundo de Resolução, visto também não ter remetido essa evidência”.

Já sobre se têm sido cumpridos os acordos celebrados com a Lone Star, o Ministério das Finanças responde que “não é parte nos contratos associados à operação de venda”, sendo essas entidades o Fundo de Resolução e a Lone Star.

Para o TdC, “não foi entregue evidência do cumprimento dos acordos em causa”, pelo que “constata, assim, que o ministério das Finanças não dispõe dessa informação sobre a operação referida”, apesar de ter celebrado o contrato para financiar o Fundo de Resolução.

Outra das perguntas do TdC é sobre se o BES “foi a mais desastrosa resolução bancária alguma vez feita na Europa”, frase usada por Centeno no Parlamento. As Finanças dizem que estas são “declarações feitas em contexto de debate parlamentar”, mas que os ativos tóxicos que permaneceram no Novo Banco indicam que “a resolução foi feita sem conhecimento de toda a informação contabilística sobre o efetivo valor dos ativos” de tal modo que, “até ao momento, o capital injetado no Novo Banco ascende a mais de dez mil milhões de euros, muito superior ao considerado necessário no momento da resolução em 2014″.

O TdC afirma que a frase citada foi dita “na intervenção inicial” e que a resposta permite concluir que “o ministério não dispõe de outra evidência” documental para a comprovar.

Nascido na resolução do BES em 3 de agosto de 2014, 75% do Novo Banco foi vendido em outubro de 2017 ao fundo de investimento norte-americano Lone Star, mantendo o Fundo de Resolução bancário 25%, numa solução acordada entre Banco de Portugal e Governo. Aquando da venda, foi acordado um mecanismo de capital contingente, que prevê que até 2026 o Fundo de Resolução compensa o Novo Banco por perdas de capital num conjunto de ativos que herdou do BES até 3.890 milhões de euros.

Desde então e até hoje, o Fundo de Resolução já injetou 2.976 milhões de euros e poderá colocar mais de 900 milhões de euros.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pois, parece haver aqui um imbróglio valente com este Banco, Banco de Portugal e Governo, não dá para perceber nada do que se passa lá dentro e como é que se esbanja dinheiro aos milhares de milhões num Banco que afinal parece não acertar passo, que foi praticamente dado a privados e agora continuamos a sustentá-lo.

RESPONDER

Paços de Ferreira 0-5 Benfica | Seferovic “parte tudo” na Capital do Móvel

Na noite deste sábado, o Benfica somou o sétimo triunfo consecutivo no campeonato, ao golear o Paços de Ferreira por 5-0, num embate relativo à 26.ª jornada do campeonato. A equipa de Jorge Jesus, que acabou …

Após terramotos e deslizamentos, a "cidade moribunda" de Itália ainda resiste no topo de uma montanha

Chamar-se a si mesmo de "Cidade Moribunda" pode não parecer a melhor forma de atrair turistas, mas Civita, em Itália, aprendeu a viver com o facto de estar a morrer. Há vários séculos, a cidade …

"Alexa, estou com calor." Já é possível controlar o ar condicionado de um Lamborghini apenas com a voz

A Amazon está a dar um grande passo na indústria automóvel ao integrar a Alexa no Huracán EVO da Lamborghini, não apenas para fazer perguntas, mas dando ao assistente virtual a capacidade de controlar as …

Nova tecnologia pode enviar luz solar para o subsolo

Investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, na Singapura, inventaram um novo dispositivo que pode ajudar o país a iluminar a sua crescente infraestrutura subterrânea. A Singapura é um dos países que tem apostado cada vez mais …

Livro lança "caça ao tesouro" a urna de ouro oferecida por Inglaterra a França antes da Entente Cordiale

Um novo enigma literário está prestes a chegar às estantes de livros com uma recompensa incomum. Pistas em "The Golden Treasure of the Entente Cordiale" podem levar leitores no Reino Unido e França a um …

Para evitar casos de burnout, LinkedIn deu uma semana de férias aos quase 16 mil funcionários

O LinkedIn decidiu dar uma semana de férias (remunerada), que começou esta segunda-feira, a todos os seus funcionários espalhados pelo mundo. O objetivo? Desconectar, recarregar baterias e prevenir casos de burnout.  "Queríamos ter a certeza de …

Pequenos nadadores-robô curam-se a si próprios (e em movimento)

Uma equipa de investigadores da American Chemical Society desenvolveu pequenos robôs nadadores que conseguem curar-se a si mesmos magneticamente. O tecido vivo pode curar-se autonomamente de muitos ferimentos, mas fornecer habilidades semelhantes a sistemas artificiais, como …

Tondela 0-2 FC Porto | Missão cumprida com serviços mínimos

Missão cumprida. O FC Porto fez poupanças no jogo com o Tondela, mas levou os três pontos para casa, graças a um triunfo por 2-0. Os “dragões” foram claramente superiores no primeiro tempo, marcaram por Toni …

Portugal pode atingir linha vermelha dos 120 novos casos por 100 mil habitantes em dois meses

Portugal pode atingir uma taxa de incidência de de 120 casos por 100 mil habitantes daqui a dois ou mais meses se se mantiver o atual ritmo de crescimento deste indicador. Esta é a conclusão de …

Akon ainda não construiu a "Wakanda da vida real", mas o Uganda já lhe está a dar terrenos para a segunda

O artista de R&B Akon ainda não concretizou a sua visão ambiciosa de uma cidade “futurística” alimentada por uma criptomoeda chamada “Akoin” e construída num terreno que lhe foi dado pelo governo senegalês. Contudo, o …