/

Smoothie de gengibre, cebola, limão e pimenta. Tanzânia rejeita vacinação (e defende remédios naturais)

9

paulkagame / Flickr

John Magufuli, presidente da Tanzânia

O Presidente da Tanzânia, o único líder africano a afirmar que não há covid-19 no seu país, alertou publicamente o Ministério da Saúde que “nem tudo o que recebemos de fora é do nosso interesse”, numa referência às vacinas.

De acordo com a Bloomberg, John Magufuli, Presidente da Tanzânia, tem dito que as vacinas contra a covid-19 são prejudiciais e que os cidadãos do seu país não devem servir “como cobaias”.

Nesse sentido, alertou publicamente o Ministério da Saúde sobre a suposta ineficácia das vacinas, afirmando que “nem tudo o que recebemos de fora é do nosso interesse”.

“Se o homem branco conseguiu vacinar, já deveria ter encontrado uma vacina para a sida, o cancro e a tuberculose”, tem afirmado repetidamente o Presidente, que se assume contra o “imperialismo ocidental“.

Magufuli continua a defender que o país está livre de covid-19 e tem descredibilizado a eficácia das máscaras e dos testes, criticando os países vizinhos que impuseram medidas sanitárias para conter a doença.

Segundo a BBC, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma estar a fazer esforços para o país africano começar a vacinar a população. “As vacinas funcionam e encorajo o Governo da Tanzânia a preparar uma campanha de vacinação contra a covid-19”, disse Matshidiso Moeti, diretor da OMS para África.

Dorothy Gwajima, ministra da Saúde, segue a linha de pensamento do Presidente e defende que a Tanzânia tem “o seu próprio procedimento sobre a forma de receber qualquer tipo de medicamentos”.

Numa conferência de imprensa, esta semana, um oficial do Governo demonstrou como fazer um smoothie usando gengibre, cebola, limão e pimenta, bebida que disse ajudar a prevenir o novo coronavírus.

“Devemos melhorar a nossa higiene pessoal, lavar as mãos com água corrente e sabão, usar lenços, vapor de ervas, exercícios, comer alimentos nutritivos, beber bastante água e usar remédios naturais, dos quais a nossa nação é dotada”, disse.

À BBC, um médico local, sob anonimato, disse que “o problema é que o Governo está a dizer aos tanzanianos que a mistura de vegetais, que tem benefícios nutricionais, é tudo o que precisam para manter o coronavírus sob controlo, o que não é o caso”.

À semelhança de vários médicos na Tanzânia, o especialista defende ser essencial que a população tome precauções contra o vírus.

  ZAP //

9 Comments

  1. Parabéns pela coragem, o mundo precisa de mais governantes como ele

    Remédio demora anos para ter comprovação ciêntitica e seus efeitos colaterais conhecidos de todos, isso pode ser uma aventura no meu modo de pensar perigosa.

    Se não é porque tem fabricantes que estão lavando as mãos contra qualquer efeito colateral, futuro?

    Não importa se o conteúdo da vacina é um puro soro caseiro que todos já conhecemos agua, sal e acucar, o que importa é tudo ser feito as claras e bem comprovado.

    Novamente parabém para esse presidente, os remédios naturais sempre foram utilizadas e seus efeitos conhecidos desde que mundo é mundo.

    Tem que fortificar o organismo, exercicios, sol, ar puro, água limpa, limão, dente-de-leão, alho, cebola… pode não curar mas pelo menos todo mundo sabe que fortalece o o organismo, ou não?
    Se vocês responderem que não, vocês estão sendo anti ciência, porque a ciência comprovou e sempre disse que sim.

    A ciência também já comprovou que ficar enfurnado dentro de casa pode ser perigoso, se não tiver uma boa ventilação, luz, etc..

    Cada pessoa é dono de si, mas tem de todo cuidado,

  2. Deve ter por lá muitos curandeiros e feiticeiros que resolvem o problema do país, para quê recorrer à ciência dos brancos que até poderão injetar na vacina alguma peste racista?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.