Uma estratégia controversa que acabou por dar frutos. Suécia pode ter evitado o pior da crise

Jonas Ekstromer / TT News Agency

O primeiro-ministro da Suecia, Stefan Löfven

A Suécia adotou uma estratégia muito controversa para lidar com a pandemia de covid-19, mas pode ter-lhe valido um caminho mais fácil para sair da crise económica.

A Suécia, que foi muito criticada por ter recusado estratégias de confinamento no início da pandemia de covid-19, está a ser elogiada pelos economistas, que afirmam que é hoje um dos países europeus que melhor se terá saído no segundo trimestre – pelo menos, no que diz respeito à evolução da economia.

O país vai publicar, esta terça-feira, dados preliminares sobre a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) entre abril e junho. No entanto, economistas consultados pela Bloomberg, e citados pelo Jornal de Negócios, antecipam uma contração de 7%.

Não há dúvidas que, a verificar-se, esta é uma queda histórica para o país nórdico, mas é uma travagem muito inferior à registada por outros países europeus e pelos Estados Unidos. “Acreditamos que a queda do PIB no segundo trimestre provavelmente terá sido cerca de um terço do observado na Zona Euro”, disse David Oxley, economista da Capital Economics.

Ainda assim, há o reverso da medalha: a Suécia tem uma das maiores taxas de mortalidade do mundo (56,4 por 100 mil habitantes) e a economia parece não ter um desempenho muito superior ao das vizinhas Dinamarca e Noruega, que impuseram confinamentos rigorosos no início da crise sanitária.

A confirmar-se, a quebra do PIB deste país nórdico terá sido cerca de metade da descida registada pelos países do euro, que viram a economia contrair 15% no segundo trimestre deste ano, segundo os dados do Eurostat, revelados na passada sexta-feira.

O Negócios realça que a queda histórica foi superior ao previsto (-14,5%) e compara com a contração homóloga de 3,1% registada nos três meses anteriores.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Realmente, quando se coloca a vida das pessoas em risco em nome da economia, mal vai esse país. A Suécia tem um governo que é uma vergonha, que não teve peias em deixar morrer pessoas com Covid, em nome de não parar a economia. Shame on you…

    • Vale a pena relembrar que o COVID19 ainda não passou, a Suécia já algum tempo que controlou o número de mortos, o resto da Europa se está a preparar para a segunda vaga, a Espanha está outra vez a confinar grande parte da população.

      Assim que para já, apesar do elevado número de mortos, a estratégia parece não ter sido má.
      Considerar que outros países da Europa tiveram números superiores apesar do intento das notícias de não falar neles porque seguiram as políticas de confinamento e subsídios, sendo eles a prova de talvez não tenham sido a opção correta.

      Por outro lado, estamos apenas a falar de número de mortos por covid, falta contabilizar as mortes causadas pelo cancelamento de consultas, pelo confinamento e ainda outros factores, mas como o jornalismo de investigação está confinado e a viver ás custas de subsídios, temos apenas o jornalismo de propaganda política que se fica pelos comunicados governamentais e os ataques fáceis á Suécia, Brazil e EUA.

      • Parabéns pela lucidez – infelizmente em Portugal há poucos adultos – só criancinhas assustadas e de pouca reflexão – e só daqui a uns 10 anos. olhando para a desgraça causada à nossa e futuras gerações, conseguirão começar a perceber o que o Senhor diz.

  2. Não há dúvida que os nórdicos são mesmo frios a tomarem decisões. Vejam a sua frieza em relação aos problemas dos povos do sul que decidiram e, muito bem, proteger os seus velhinhos, (Uma enorme fonte de sabedoria)!Eles só fazem cálculos à economia! Será que uma vida humana não vale mais do que um barril de petróleo? Nós não devíamos ter entrado no barco com estes agiotas , calculistas e desumanos!! Consomem as nossas riquezas e poupanças e ainda se autointitulam de frugais!!!!!!!

  3. A Suécia tem a vantagem da baixa densidade populacional. Mesmo assim, é o que se vê. Havendo uma segunda vaga, esta afetará todos nós, Suécia incluída. Se for semelhante à da Gripe Espanhola, os mais jovens serão mais atingidos o que não será para estranhar tendo em conta o reinício das aulas. Mas espero que não aconteça nada disso, nem a nós, nem aos suecos, nem a ninguém. Exceto os talibans e os alqaidas e essa gente transviada.

  4. Não sei se os que defendem a política economicista da Suécia se também defendem a política economicista do PCP que angaria, na Festa do Avante, metade dos seus fundos. Aliás, quase podia apostar que se o PCP estivesse no governo, a estratégia de combate à pandemia não divergiria muito da seguida pelos suecos. Tudo em nome, claro está, da defesa dos postos de trabalho e da manutenção do nível salarial dos trabalhadores.

RESPONDER

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …