/

O primeiro submarino russo com “torpedo do Juízo Final” foi lançado ao mar

10

O K-139 Belgorod é o primeiro submarino russo equipado com um torpedo drone Poseidon, conhecido como o “torpedo do Juízo Final”. O submarino estava a ser construído pelos russos há 27 anos.

Já se falava que a Rússia planeava equipar os seus submarinos com o temido torpedo Poseidon, também conhecido como o “torpedo do Juízo Final“. Agora, os russos lançaram ao mar o primeiro submarino equipado com um destes projéteis. Estas armas nucleares têm a capacidade de destruir completamente cidades costeiras.

O submarino K-139 Belgorod, que é o mais longo do mundo, começou a ser construido em 1992, mas a sua produção foi interrompida por mais de uma década em 2000, após o desastre a bordo do seu antecessor: o Kursk. Toda a tripulação a bordo do submarino morreu depois de uma explosão durante testes com mísseis.

O ArsTechnica recorda que na altura do incidente — apenas quatro meses depois do início do primeiro mandato de Vladimir Putin — o presidente russo estava a passar férias em Sochi, onde permaneceu mais quatro dias depois do acidente.

Contudo, parece que os russos não aprenderam e voltaram a equipa os submarinos com mais uma arma capaz de grande destruição. O Belgorod viu o seu design ser modificado e carrega agora o “drone” torpedo nuclear Poseidon. O projeto inicial previa que este fosse “um submarino de pesquisa e resgata para propósitos especiais“.

O rumo dos planos para o submarino acabaram por mudar, já que Putin pressionava o desenvolvimento de novas armas nucleares para combater a ameaça dos mísseis anti-balísticos dos Estados Unidos da América. O Belgorod foi um dos dois submarinos entendidos para este propósito, além do submarino nuclear Khabarovsk.

A nova arma russa consegue mover-se debaixo de água a uma profundidade de até mil metros, e alcança uma velocidade de 200 km/h graças a um mecanismo de propulsão que cria à sua volta uma cavidade de ar que reduz a resistência da água.

O torpedo conta ainda com um alcance de 10 mil quilómetros e, alegadamente, é capaz de transportar uma ogiva de 10 megatoneladas – número que pode chegar às 100, dependendo do tipo de missão do submarino. O Belgorod consegue carregar quatros destas ogivas, que têm quatro metros de comprimentos e 1,5 metros de diâmetro.

Além deste torpedo, o K-139 Belgorod vai contar com mais uma inovação tecnológica. Os russos pretendem incorporar uma rede de sensores de deteção de submarinos, semelhante à encontrada à rede de sonares SOSUS da marinha norte-americana.

  ZAP //

10 Comments

  1. Todas as semanas o regime do bandalho do Putin “lança” uma arma do “Juízo Final”! Andará este pulha tão desejoso de acabar com a vida na Terra? Afinal quem ameaça – além dos inimigos internos que tem – quem de facto a Rússia? O ocidente? Queixa-se que Nato está cada vez mais próxima das sua fronteiras, mas quem é que ameaça todos os vizinhos e tem tropas suas quem quase todos eles? Quem tem roubado território aos outros, fora de qualquer acordo ou redesenho de fronteiras? É triste ver um país fazer-se de grande à custa das armas quando a maioria do seu povo vive de uma forma que nem aos nosso porcos deixaríamos viver! Um país cheio de injustiças e miséria que apenas dá dó sobre a triste vida dos seus cidadãos, mas com a mania que pode contruir impérios em pleno século XXI!

    • Tanto disparate. Não está a confundir o Putin com o bandalho do Trump??? Este sim além de bandalho é mesmo um sacana, um criminoso e perigoso terrorista. Por alguma coisa os EUA fazem parte da listagem de perigosos terroristas, já não era sem tempo. Estando nesta lista a caça está aberta. E afinal de contas se os EUA não têm defesa possível para o Poseidon porque não fazer um ensaio??? Por exemplo a Rússia dizia aos EUA, têm X dias para sair da síria, não saindo no prazo, Pumba um ensaio do hospital com o Poseidon, para ver se realmente é tão eficaz como dizem.

  2. Mais um desafio do senhor Putin que muitos consideram um homem pacífico e que com a sua ambição bélica vai acabar por desafiar os americanos a novas invenções e outros como a China se candidatarão a novas experiências, são biliões de dólares gastos em armamento que bem poderiam reverter para o bem estar dos cidadãos e do próprio planeta, o egoísmo desta gente acabará por ditar de uma forma ou de outra a extinção do planeta.

    • Extinção do planeta, nunca… e além disso,não tema,o medo guarda a vinha,istoj á não é como as guerras dos antigos,agora só se atacam alvos fracos sem defesa nenhuma; “speak softly and carry a big stick” disse um Presidente Americano; quem tiver armas poderosas está a salvo,não precisa de fazer nada,Putin incluído; se não,logo a seguir,chovem megatons( diacho,era megatoneladas) na Main Street,Moscow.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.