“Sofagate”. Michel pede desculpa a Von der Leyen por falta de reação a incidente em Ancara

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu esta terça-feira solenemente desculpa à líder da Comissão Europeia (UE) pela falta de reação ao “desplante diplomático” protagonizado por Ancara na semana passada. Von der Leyen destacou que não irá tolerar que se volte a repetir episódio idêntico.

Fontes citadas pelas agências noticiosas EFE e France-Presse (AFP) indicaram que o pedido de desculpa foi apresentado numa reunião de quase duas horas à porta fechada dos líderes das várias famílias políticas no Parlamento Europeu, cujo presidente, David Sassoli, também esteve presente.

Em causa está a reunião que von der Leyen e Michel mantiveram em Ancara com o Presidente turco, Recep Erdogan, marcada pelo “sofagate”, tal como ficou conhecido o momento em que o chefe de Estado turco e o presidente do Conselho Europeu se sentaram em duas cadeiras no centro da sala, enquanto a líder da Comissão Europeia foi relegada para um sofá lateral.

Durante a semana, o presidente sublinhou, na sua conta do Twitter, que se tratava de um “importante momento do processo complexo nas relações entre a UE e a Turquia”, mas não ficou “indiferente” à situação, que afirmou estar “longe dos princípios que subscreve”, cita o Observador.

Ainda assim, decidiu não tomar uma atitude, de modo a não criar um problema diplomático entre Bruxelas e Ancara, focando-se mais na “substância da discussão política”.

Agora surgiu um pedido de desculpas, depois de, na reunião, segundo as fontes citadas pelas duas agências noticiosas, as famílias políticas do Parlamento Europeu apelarem a Von der Leyen e a Michel para porem fim à polémica que se seguiu ao incidente protocolar em Ancara e encontrarem uma solução para falar a uma só voz na cena internacional.

Von der Leyen e Michel foram convocados pelos presidentes dos grupos parlamentares para apresentarem os resultados da missão a Ancara, a 6 de abril, e para se explicarem sobre a controvérsia protocolar.

Segundo as fontes, Michel pediu “solenemente” desculpa a Von der Leyen pelo incidente, uma vez que não reagiu nem reclamou uma cadeira adicional – e pediu perdão também a “todas as mulheres que se tenham sentido ofendidas”, insistindo, paralelamente, “na unidade e no espírito de equipa da UE”.

Michel referiu que não se levantou da cadeira para não estragar “uma viagem importante que há muito se preparava” para tentar melhorar as relações da Europa com a Turquia.

Von der Leyen, por sua vez, destacou que um incidente desta natureza “não vai voltar a acontecer”.

Além disso, segundo as fontes presentes na reunião, a presidente da Comissão Europeia lembrou que já tinha criticado a saída da Turquia da Convenção de Istambul e explicou que a situação lhe era “desagradável”.

Von der Leyen referiu várias vezes que está a ser elaborado um documento em que ficará definido o “modus vivendi” entre as duas instituições, para que haja um guião “claro” sobre a forma como proceder nas viagens em que ambos representem a União Europeia.

Até agora, o Conselho tem defendido que, nos termos do Tratado de Lisboa, o presidente desta instituição receba o estatuto de chefe de Estado e o da Comissão Europeia o de primeiro-ministro, enquanto a Comissão defende que ambos os presidentes devem ser tratados ao mesmo nível.

A este propósito, os líderes dos grupos parlamentares pediram a Von der Leyen e a Michel que apresentem à assembleia uma proposta de solução para que tal incidente não volte a acontecer, e insistiram que a solução fosse apresentada por ocasião do debate sobre as relações entre a UE e a Turquia, numa sessão plenária que vai decorrer de 26 a 29 deste mês.

“Esperamos que os nossos líderes formem uma frente comum, não obstante o protocolo, quando representarem a UE no mundo”, afirmou o alemão Manfred Weber, presidente do Partido Popular Europeu (PPE, direita pró-europeia), a família política de Von der Leyen.

“Precisamos de uma só voz no cenário internacional”, acrescentou o liberal Dacian Ciolos, presidente do grupo Renew, a família de Charles Michel.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Von der Leyen destacou que não irá tolerar que se volte a repetir episódio idêntico.”

    Não se vai repetir o que o Erdogan fez? Ou a não reacção do Michel? O que é mais grave afinal? Está com medo do ditador?

RESPONDER

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump começasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …

Mundial de Futsal. Portugal esmaga as Ilhas Salomão por 7-0 e tem um pé nos oitavos

Portugal lidera o grupo C e pode garantir o apuramento caso Marrocos não perca contra a Tailândia. A seleção portuguesa de futsal, campeã europeia em título, somou hoje o segundo triunfo em dois jogos no grupo …

"Dezenas de pessoas" da comitiva de Putin infetadas com covid-19

O Presidente russo, Vladimir Putin, informou que dezenas de pessoas da sua comitiva testaram positivo para o coronavírus, doença que afetou mais de 7 milhões de habitantes no país. Putin entrou em isolamento no início desta …

Uber investe 90 milhões em novo ‘hub’ e sede em Lisboa e espera contratar mais 200 pessoas

A Uber está a investir 90 milhões de euros num novo ‘hub’ e sede de operações em Lisboa, hoje inaugurados, criando mais de 400 empregos diretos e pretendendo contratar mais 200 pessoas até final do …