SNS dá “sinais de cansaço” e tem sistema “que não é amigo do cidadão”

A Convenção Nacional da Saúde concluiu esta terça-feira que o SNS “dá sinais de cansaço” e avisa que os portugueses “não podem ter listas de espera de anos” por consultas ou cirurgias, nem ter “enormes falhas de medicamentos”.

Portugal tem ao nível da saúde um “sistema que não é amigo do cidadão”, declarou Ana Paula Martins, bastonária da Ordem dos Farmacêuticos no discurso em que apresentou as conclusões da Convenção Nacional da Saúde, que hoje decorreu em Lisboa.

“Os portugueses não podem ter listas de espera de anos por uma primeira consulta da especialidade ou cirurgia, não podem ter as enormes falhas de medicamentos que têm atualmente na nossa rede de farmácias, não podem esperar eternidades por tratamentos inovadores que podem fazer a diferença, não podem continuar a não ter cuidados continuados e paliativos para si e para os seus quando necessitam, que não só gera sofrimento e desesperança, mas sobrecarrega desnecessariamente as famílias e os cuidadores, exaustos e perdidos num sistema que não é amigo do cidadão”, afirmou.

Ana Paula Martins, apresentando as conclusões da Convenção, disse que se vive uma “época difícil e complexa”, sobretudo porque o Serviço Nacional de Saúde “dá sinais de cansaço depois de anos seguidos de resiliência e resistência dos profissionais, redução de horários de trabalho sem os consequentes planos de reorganização e incentivo à produtividade, sem a renovação das infraestruturas, sem autonomia na gestão, com falta de investimento planeado, sem reforço do capital humano ou aposta séria na prevenção”.

Foram “anos de impactos” em todos os agentes do sistema de saúde e “anos de desesperança, muitas vezes sem estabilidade ou previsibilidade” nas políticas.

“Ao SNS é há muito tempo pedido que faça o possível e o impossível, que integre a inovação tecnológica e terapêutica sem financiamento adicional, que motive os profissionais sem sistemas de incentivo adequados e carreiras organizadas, que seja inclusivo e não deixe ninguém para trás, que seja porto de abrigo dos casos sociais, que assuma que o cidadão é o centro do sistema quando ao cidadão são vedadas as possibilidades de participação já constantes até na Lei”, disse.

Segundo o discurso com as conclusões, o “SNS e o sistema de saúde não podem ser uma fonte de problemas para os portugueses”.

“Não queremos viver presos ao passado porque já não somos, felizmente, esse país onde a esperança média de vida não ultrapassava os 69 anos e em cada 100.000 partos realizados morriam 43 mulheres”, lembrou.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Português desce e Matemática volta à positiva nos exames do 9.º ano

As médias dos alunos do 9.º ano nos exames desceram este ano a Português e subiram a Matemática, voltando a uma média positiva, mas com uma taxa de reprovação ainda a rondar os 30%. Os exames …

A famosa "Pirâmide Curvada" do faraó Senefuru foi aberta ao público pela primeira vez em mais de 50 anos

No Egito, foi aberta ao turismo, pela primeira vez desde 1965, a famosa "Pirâmide Curvada", construída por ordem do faraó Senefuru há 4.600 anos. Localizada em Dahshur, a 40 quilómetros a sul do Cairo, a pirâmide, …

Príncipe Carlos diz que temos 18 meses para salvar a humanidade

O príncipe Carlos admite que os próximos 18 meses serão cruciais para a sobrevivência dos seres humanos. Durante este tempo, os líderes mundiais terão de controlar as mudanças climáticas para evitar uma catástrofe irreversível. "Senhoras e …

Novo filme da saga Bond tem Agente 007 feminina

De acordo com jornais ingleses, o filme Bond 25 não terá um novo James Bond, mas sim uma nova Agente 007. No filme, que será uma homenagem ao legado de Roger Moore e de todos …

Manchester United não dá mais do que 33,5 milhões por Bruno Fernandes

O Manchester United só está disposto a pagar 33,5 milhões de euros pelo médio do Sporting Bruno Fernandes, escreve o jornal Mirror esta segunda-feira. De acordo com o diário britânico, a contratação de Harry Maguire …

Caso de ébola detetado em cidade com mais de dois milhões de habitantes

As autoridades de saúde detetaram o primeiro caso de ébola na cidade de Goma, na República Democrática do Congo, onde vivem mais de dois milhões de pessoas, confirmou no domingo o ministro da Saúde congolês. De …

Ordem dos Enfermeiros apresenta queixas contra inspetores da Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE), liderada por Ana Rita Cavaco, vai apresentar queixas-crime contra a inspetora-geral das Atividades em Saúde e contra os inspetores que participaram na sindicância a esta associação profissional. Em causa está a …

Advogado de Mustafá acusa procuradora Cândida Vilar de terrorismo institucional

O advogado do líder da Juventude Leonina, Filipe Coelho, voltou a apontar baterias a Cândida Vilar, acusando-a de "terrorismo oficial" contra o seu cliente.  De acordo com o Tribuna Expresso, o advogado de Mustafá disse ainda …

Fenprof indignada com palavras cruzadas do Expresso exige pedido de desculpas

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) manifestou-se nesta segunda-feira “indignada” com um tópico nas palavras cruzadas do semanário Expresso, exigindo um pedido de desculpas aos docentes portugueses. Em causa um tópico das palavras cruzadas da …

Apenas 3% das máquinas de venda automática no ensino superior têm fruta

Foram analisadas 135 máquinas em todo o país. Todas tinham doces e apenas uma em cada três disponibilizava opções saudáveis. Deco diz que é preciso mudar disponibilidade alimentar destas máquinas. Apenas 3% das máquinas de venda …