Sismo em Lisboa (o mais forte dos últimos 45 anos) não fez feridos

O sismo registado hoje pelas 07:44 em Sobral de Monte Agraço, Lisboa, não provocou danos pessoais ou materiais, e foi “sentido com intensidade máxima III na escala de Mercalli modificada”, adiantou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera – IPMA.

“Este sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima III, na escala de Mercalli modificada, na região de Vila Franca de Xira e na cidade de Lisboa”, refere um comunicado do IPMA divulgado esta quinta-feira.

O tremor de terra, registado às 07:44, teve uma magnitude de 4.3 na escala de Richter, com epicentro a quatro quilómetros este-nordeste de Sobral de Monte Agraço, próximo de Torres Vedras, na zona Oeste do distrito de Lisboa.

A escala de Mercalli, por sua vez, tem 12 níveis, entre o impercetível e danos quase totais. O nível III corresponde a um sismo fraco. Segundo o IPMA, um abalo na escala III de Mercalli implica que seja sentido dentro de casa e que os objetos pendentes baloicem.

“A vibração é semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados. É possível estimar a duração mas não pode ser reconhecido como um sismo”, explica o IPMA. Os bombeiros voluntários de Sobral de Monte Agraço disseram à Lusa que apesar de “muito sentido”, o tremor não originou pedidos de ajuda.

Foi um pouco assustador. Os vidros à volta tremeram todos, até achei que fossem partir”, disse Daniela Cardoso, bombeira voluntária daquela corporação, que acrescentou que o abalo foi sentido entre cinco a dez segundos.

A Lusa recebeu informação de várias pessoas que afirmam ter sentido o sismo na região de Lisboa. Também o post do IPMA no Twitter a reportar o sismo recebeu diversos comentários de pessoas da região de Lisboa a confirmar que tinham sentido o sismo.

Tava na ronha na cama e foi o que me fez levantar 🙂 (sentido em Algés)“, diz Diogo Rodrigues. “Senti em Odivelas, durou apenas 1 segundo mas foi violento como se alguma coisa tivesse embatido na minha casa. Assustador“, comenta Notty. “A minha gata parece que o sentiu em Almada! Acordou-me completamente louca!“, conta João Tiago.

Lisboa “em cima de um barril de pólvora” sísmico

Se houver um sismo semelhante ao de 1755, um terço da cidade de Lisboa ficará completamente destruída. Quem o prevê é Mário Lopes, um especialista do Instituto Superior Técnico que critica a inércia do poder político na prevenção de sismos.

Segundo o especialista, “o problema sísmico não se resolve a nível técnico, mas político”, uma vez que “os sismos não se podem evitar, mas as suas consequências sim.

Numa intervenção em janeiro deste ano perante os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa, Mário Lopes defende ser “fundamental que o Estado dê o exemplo, senão na cabeça do cidadão o problema não existe e ninguém faz nada” para evitar os danos provocados por um abalo.

Em Novembro de 2016, a engenheira civil Cristina Oliveira, do Instituto Politécnico de Setúbal, alertou também que um sismo semelhante ao de Amatrice, em Itália, que se verificou no Verão do ano passado, com uma magnitude de 6.2, arrasaria Lisboa.

“Portugal é um país do primeiro mundo no conhecimento, mas muitas vezes é do terceiro mundo ao nível da aplicação técnica” das medidas, aponta Mário Lopes.

“Melhoram-se as condições de habitabilidade e o aspecto dos prédios e pronto”, considera, afirmando que fica de fora o reforço do edificado e notando que “60% dos edifícios em Lisboa não foram feitos para resistir a sismos”.

Estamos em cima de um barril de pólvora com o rastilho a arder e não sabemos quando vai rebentar”, alerta Mário Lopes, criticando o facto de muitos prédios na baixa de Lisboa terem pilares cortados no piso térreo.

No seu entender, “isto é a receita para o desastre” – haveria entre 17 e 27 mil vítimas no país, caso se repetisse o abalo de 1755, “30 a 50% dessas vítimas na cidade de Lisboa”, vaticina.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Caro Zap, este não foi (nem de perto, nem de longe) o sismo mais forte dos últimos 45 anos em Lisboa. Falando apenas da história recente, em 2009 houve um sismo de 6.0 na escala de Richter, e em 2005 houve um de 5.1, que apesar de terem um epicentro mais afastado, sentiram-se bastante mais do que o sismo de hoje. Obrigado.

  2. Diz-se que em 2017 vai ocorrer em Portugal o maior sismo e tsunami que haverá memória? Alguém tem mais informações sobre este facto que deverá ocorrer em breve?

    • Caro Lucas, o conhecimento científico actual ainda não permite fazer previsões sobre e quando é que determinado sismo e/ou tsunami poderá ocorrer. Com base em sismos passados e na localização das falhas tectónicas pode-se apenas estimar probabilidades da ocorrência de sismos à escala geológica (milhares de anos). No caso de Lisboa, é muito provável que ocorra um grande sismo (devido a sismos passados e à proximidade das falhas), mas tanto pode acontecer amanhã como daqui a 5000 anos. Ou seja, o melhor é não stressar muito com isso. Cumprimentos.

    • Estes fenómenos são estudados, mas não conseguimos prever quando irão acontecer. Estabelece-se comparações, analisam-se variáveis, no sentido de se criar um padrão, que nos permita conhecer melhor estes fenómenos. Todavia, estamos longe de podermos evitar ou prevenir que os mesmos aconteçam. Neste momento o que temos são recursos que nos ajudam a detectar possíveis acontecimentos, emitindo alertas que por sua vez nos podem ajudar a minimizar as consequências dos mesmos.
      No caso específico de Portugal, há muito a fazer, principalmente no que à consciencialização da gravidade de um sismo de grande magnitude pode provocar, e no que à aplicação efectiva de medidas de prevenção diz respeito.

Responder a Lucas Cancelar resposta

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …