Lisboa está “em cima de um barril de pólvora” sísmico

IERD

Terramoto e tsunami destroem a baixa de Lisboa no Dia de Todos os Santos, 1 de Novembro de 1755, imagem colorida manualmente a partir de ilustração do século 19

Se houver um sismo semelhante ao de 1755, um terço de Lisboa ficará completamente destruída. Quem o prevê é Mário Lopes, um especialista do Instituto Superior Técnico que critica a inércia do poder político na prevenção de sismos.

O vice-presidente do Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e Construção do Instituto Superior Técnico afirma que é “fundamental que o Estado dê o exemplo” no que toca à prevenção das consequências de sismos.

Segundo o engenheiro Mário Lopes, “o problema sísmico não se resolve a nível técnico, mas sim a nível político”, uma vez que “os sismos não se podem evitar“, mas as suas consequências sim.

Falando perante os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa, numa reunião que juntou as Comissões de Urbanismo e Segurança e Protecção Civil, Mário Lopes defende ser “fundamental que o Estado dê o exemplo, senão na cabeça do cidadão o problema não existe e ninguém faz nada” para evitar os danos provocados por um abalo.

O especialista sublinha também que “a legislação actual como está vale zero” quanto à obrigatoriedade de adequação sísmica das construções, pelo que é “urgente promover nova regulamentação”.

“Estamos em cima de um barril de pólvora”

“Portugal é um país do primeiro mundo no conhecimento, mas muitas vezes é do terceiro mundo ao nível da aplicação técnica” das medidas, aponta o engenheiro.

Mário Lopes recorre ao exemplo do passado e nota que “se houver uma repetição do sismo de 1755, um terço de Lisboa fica em escombros“, especialmente porque a reabilitação urbana na cidade está a ser “um peeling aos edifícios”.

“Melhoram-se as condições de habitabilidade e o aspecto dos prédios e pronto”, considera, afirmando que fica de fora o reforço do edificado e notando que “60% dos edifícios em Lisboa não foram feitos para resistir a sismos”.

“Estamos em cima de um barril de pólvora com o rastilho a arder e não sabemos quando vai rebentar”, alerta Mário Lopes, criticando o facto de muitos prédios na baixa de Lisboa terem pilares cortados no piso térreo.

Em Novembro de 2016, a engenheira civil Cristina Oliveira, do Instituto Politécnico de Setúbal, já tinha alertado que um sismo semelhante ao de Amatrice, em Itália, que se verificou no Verão do ano passado, com uma magnitude de 6.2, arrasaria Lisboa.

“A baixa de Lisboa é um marco da História da humanidade que temos andado a destruir”, acrescenta, exemplificando com as alterações à “gaiola pombalina”, estrutura utilizada nas construções para prevenir que estas ruíssem em caso de sismo.

No seu entender, “isto é a receita para o desastre” – haveria entre 17 e 27 mil vítimas no país, caso se repetisse o abalo de 1755, “30 a 50% dessas vítimas na cidade de Lisboa”, vaticina.

Mário Lopes destaca que, em caso de sismo, se está “mais seguro em cima da ponte 25 de Abril ou da ponte Vasco da Gama do que em muitos prédios de Lisboa”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Eu sempre disse que apoiava e apoiei o Mario Lopes para a presidencia da SPES, mas deu o que deu.
    Enfim boyadas, infantilismos e outros feudalismos que continuam a destruir e a não deixar crescer Portugal.

    Preferem endogamias (até genéticas) bulling e dopping, por nazismo técnico contra independentes e indomáveis mas sempre capazes, e por tacanhez intelectual dos opressores contra todos os que não são e nunca serão subservientes com a mentira com oportunismos e com a permanente má-fé.

  2. Sempre pensei e muitas outras pessoas,em consonância com este senhor engenheiro.
    O maior problema será o DEPOIS,porque no decorrer pouco ou nada temos que seja em prol duma segurança que a incúria criminosa tem ,durante muitos anos, agravado.Parece que a única protecção que preocupa o sistema global de Protecção Civil são os fogos florestais. Será que temos,pelo menos, planos para o tal DEPOIS?

  3. Safa que estes tipos andam com uma vontade orgásmica de haver um sismo em Lisboa ou em Portugal só para depois dizerem que avisaram.

    Mas adianta alguma coisa? Conseguem prevenir alguma coisa? Quando vier, se vier, é enterrar os mortos e socorrer os vivos.

    Fosga-se. Já não há paciência para tanta falta de assunto

    • Se houver um sismo e de facto houver danos nas proporções que este senhor diz que vai haver, então sim, adianta alguma coisa. Não prevenir o sismo, mas prevenir a gravidade dos danos e de diminuir a perda de vidas humanas.
      Não gostas da notícia? Ninguém te obriga a ler.

  4. Mais uma vez a maioria dos comentários e respostas encontram-se viradas para o conflito e não para soluções ou troca de impressões. Tentem ser mais produtivos nas criticas construtivas. O que se procura com estas notícias são comentários que nos proporcionem soluções e não discussões, as discussões são inúteis. A notícia aborda um tema verdadeiramente importante no qual pouco ou nada se tem feito no decorrer dos anos. A observação do Eng.º Mário Lopes, de facto diz tudo e este Senhor sabe muito bem do que fala:
    “se houver uma repetição do sismo de 1755, um terço de Lisboa fica em escombros“, especialmente porque a reabilitação urbana na cidade está a ser “um peeling aos edifícios”.
    “Melhoram-se as condições de habitabilidade e o aspecto dos prédios e pronto”, considera, afirmando que fica de fora o reforço do edificado e notando que “60% dos edifícios em Lisboa não foram feitos para resistir a sismos”.
    “Estamos em cima de um barril de pólvora com o rastilho a arder e não sabemos quando vai rebentar”, alerta Mário Lopes, criticando o facto de muitos prédios na baixa de Lisboa terem pilares cortados no piso térreo.

  5. Não vou tecer comentário analítico…sequer profundo…nem de forma alguma depreciar os ilustres Académicos da noticia em causa,nem quem opina e vai opinar,mas…por acaso o tal de “rastilho,do tal de barril de pólvora,não está debaixo..perto…ou de alguma forma,dentro mesmo de S.BENTO?…vejam bem isso,é que todos eles fumam…e tem uns lá dentro que fumam umas coisas esquisitinhas,verdes e tal…encontrarem um rastilho e puxarem fogo,e depois culparem o tal de”Terremoto”…nada custa…
    Peço desculpa,talvez o meu comentário não tenha suporte ACADÉMICO…mas tem muita força de Vox Populus,e o facto é que eles “tão lá”.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e reza a história que isso já foi feito…em Roma…só que em LX,não tou a ver quem iam culpar…sei…o “áchisso”

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …