Lisboa está “em cima de um barril de pólvora” sísmico

IERD

Terramoto e tsunami destroem a baixa de Lisboa no Dia de Todos os Santos, 1 de Novembro de 1755, imagem colorida manualmente a partir de ilustração do século 19

Se houver um sismo semelhante ao de 1755, um terço de Lisboa ficará completamente destruída. Quem o prevê é Mário Lopes, um especialista do Instituto Superior Técnico que critica a inércia do poder político na prevenção de sismos.

O vice-presidente do Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e Construção do Instituto Superior Técnico afirma que é “fundamental que o Estado dê o exemplo” no que toca à prevenção das consequências de sismos.

Segundo o engenheiro Mário Lopes, “o problema sísmico não se resolve a nível técnico, mas sim a nível político”, uma vez que “os sismos não se podem evitar“, mas as suas consequências sim.

Falando perante os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa, numa reunião que juntou as Comissões de Urbanismo e Segurança e Protecção Civil, Mário Lopes defende ser “fundamental que o Estado dê o exemplo, senão na cabeça do cidadão o problema não existe e ninguém faz nada” para evitar os danos provocados por um abalo.

O especialista sublinha também que “a legislação actual como está vale zero” quanto à obrigatoriedade de adequação sísmica das construções, pelo que é “urgente promover nova regulamentação”.

“Estamos em cima de um barril de pólvora”

“Portugal é um país do primeiro mundo no conhecimento, mas muitas vezes é do terceiro mundo ao nível da aplicação técnica” das medidas, aponta o engenheiro.

Mário Lopes recorre ao exemplo do passado e nota que “se houver uma repetição do sismo de 1755, um terço de Lisboa fica em escombros“, especialmente porque a reabilitação urbana na cidade está a ser “um peeling aos edifícios”.

“Melhoram-se as condições de habitabilidade e o aspecto dos prédios e pronto”, considera, afirmando que fica de fora o reforço do edificado e notando que “60% dos edifícios em Lisboa não foram feitos para resistir a sismos”.

“Estamos em cima de um barril de pólvora com o rastilho a arder e não sabemos quando vai rebentar”, alerta Mário Lopes, criticando o facto de muitos prédios na baixa de Lisboa terem pilares cortados no piso térreo.

Em Novembro de 2016, a engenheira civil Cristina Oliveira, do Instituto Politécnico de Setúbal, já tinha alertado que um sismo semelhante ao de Amatrice, em Itália, que se verificou no Verão do ano passado, com uma magnitude de 6.2, arrasaria Lisboa.

“A baixa de Lisboa é um marco da História da humanidade que temos andado a destruir”, acrescenta, exemplificando com as alterações à “gaiola pombalina”, estrutura utilizada nas construções para prevenir que estas ruíssem em caso de sismo.

No seu entender, “isto é a receita para o desastre” – haveria entre 17 e 27 mil vítimas no país, caso se repetisse o abalo de 1755, “30 a 50% dessas vítimas na cidade de Lisboa”, vaticina.

Mário Lopes destaca que, em caso de sismo, se está “mais seguro em cima da ponte 25 de Abril ou da ponte Vasco da Gama do que em muitos prédios de Lisboa”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Eu sempre disse que apoiava e apoiei o Mario Lopes para a presidencia da SPES, mas deu o que deu.
    Enfim boyadas, infantilismos e outros feudalismos que continuam a destruir e a não deixar crescer Portugal.

    Preferem endogamias (até genéticas) bulling e dopping, por nazismo técnico contra independentes e indomáveis mas sempre capazes, e por tacanhez intelectual dos opressores contra todos os que não são e nunca serão subservientes com a mentira com oportunismos e com a permanente má-fé.

  2. Sempre pensei e muitas outras pessoas,em consonância com este senhor engenheiro.
    O maior problema será o DEPOIS,porque no decorrer pouco ou nada temos que seja em prol duma segurança que a incúria criminosa tem ,durante muitos anos, agravado.Parece que a única protecção que preocupa o sistema global de Protecção Civil são os fogos florestais. Será que temos,pelo menos, planos para o tal DEPOIS?

  3. Safa que estes tipos andam com uma vontade orgásmica de haver um sismo em Lisboa ou em Portugal só para depois dizerem que avisaram.

    Mas adianta alguma coisa? Conseguem prevenir alguma coisa? Quando vier, se vier, é enterrar os mortos e socorrer os vivos.

    Fosga-se. Já não há paciência para tanta falta de assunto

    • Se houver um sismo e de facto houver danos nas proporções que este senhor diz que vai haver, então sim, adianta alguma coisa. Não prevenir o sismo, mas prevenir a gravidade dos danos e de diminuir a perda de vidas humanas.
      Não gostas da notícia? Ninguém te obriga a ler.

  4. Mais uma vez a maioria dos comentários e respostas encontram-se viradas para o conflito e não para soluções ou troca de impressões. Tentem ser mais produtivos nas criticas construtivas. O que se procura com estas notícias são comentários que nos proporcionem soluções e não discussões, as discussões são inúteis. A notícia aborda um tema verdadeiramente importante no qual pouco ou nada se tem feito no decorrer dos anos. A observação do Eng.º Mário Lopes, de facto diz tudo e este Senhor sabe muito bem do que fala:
    “se houver uma repetição do sismo de 1755, um terço de Lisboa fica em escombros“, especialmente porque a reabilitação urbana na cidade está a ser “um peeling aos edifícios”.
    “Melhoram-se as condições de habitabilidade e o aspecto dos prédios e pronto”, considera, afirmando que fica de fora o reforço do edificado e notando que “60% dos edifícios em Lisboa não foram feitos para resistir a sismos”.
    “Estamos em cima de um barril de pólvora com o rastilho a arder e não sabemos quando vai rebentar”, alerta Mário Lopes, criticando o facto de muitos prédios na baixa de Lisboa terem pilares cortados no piso térreo.

  5. Não vou tecer comentário analítico…sequer profundo…nem de forma alguma depreciar os ilustres Académicos da noticia em causa,nem quem opina e vai opinar,mas…por acaso o tal de “rastilho,do tal de barril de pólvora,não está debaixo..perto…ou de alguma forma,dentro mesmo de S.BENTO?…vejam bem isso,é que todos eles fumam…e tem uns lá dentro que fumam umas coisas esquisitinhas,verdes e tal…encontrarem um rastilho e puxarem fogo,e depois culparem o tal de”Terremoto”…nada custa…
    Peço desculpa,talvez o meu comentário não tenha suporte ACADÉMICO…mas tem muita força de Vox Populus,e o facto é que eles “tão lá”.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e reza a história que isso já foi feito…em Roma…só que em LX,não tou a ver quem iam culpar…sei…o “áchisso”

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …