Sindicato dos enfermeiros apela ao boicote às horas extra

A Associação Sindical dos Enfermeiros de Portugal (ASEP) vai lançar um apelo geral à classe dos enfermeiros para que estes se recusem a cumprir as horas extra que passaram a ser colocadas nas suas escalas de trabalho.

O protesto, de acordo com o Público, deverá decorrer em simultâneo com a “greve cirúrgica”, o protesto que começou no início deste mês e deverá durar até ao final de fevereiro nos blocos operatórios de dez hospitais públicos. No entanto, o protesto não deverá incluir apenas os profissionais que operam nos blocos operatórios, mas todos os enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde.

Lúcia Leite, presidente da ASEP, disse ao mesmo jornal que o anúncio será feito formalmente aos enfermeiros esta quarta-feira.

O protesto é individual, uma vez que todos os enfermeiros têm o direito se recusarem a prestar serviços por mais horas do que aquelas que estão presentes no seu contrato de trabalho, a não ser essas ocorram em situações extraordinárias”, referiu. A associação sindical deverá fornecer uma minuta que permita aos enfermeiros comunicar à instituição que não aceitam uma escala com mais horas.

Lúcia Leite afirma que estas “falsas horas extra” são colocadas nas escalas de trabalho e somam-se ao horário normal que, segundo diz, “são devidas a carências permanentes de recursos humanos”.

“Algumas são pagas como horas extraordinárias, outras não chegam a ser e que são erradamente apelidadas de horas extra porque a lei enquadra esse conceito e determina que são para situações imprevistas e não para situações de carência de recursos permanentes”, disse a presidente da associação sindical.

A sindicalista afirma que os enfermeiros estão dispostos a cumprir horas extra “de forma pontual” e não por sistema, exigindo que “as entidades empregadoras cumpram a lei”.

“O que nós queremos é que os enfermeiros deixem de suportar de forma voluntária todos os serviços como sendo da sua responsabilidade, que não é. Há muitos serviços que, se os enfermeiros exigirem o cumprimento da lei, pode levar ao encerramento de camas e até a situações de difíceis dos serviços à população”, garante a presidente do ASEP.

O sindicato vai também apelar a que os enfermeiros não participem nas cirurgias da listas de espera, operações que são realizadas fora do horário de trabalho. “É uma decisão de cada um continuar a fazê-lo ou não”, garante Lúcia Leite, acrescentando que “existe uma utilização abusiva do SNS para que alguns consigam recuperar as listas de espera e para que outros recebam montantes elevados”.

A “greve cirúrgica” deste mês tem causado desacatos e vários adiamentos. Na primeira semana, não foram realizadas 2657 intervenções cirúrgicas, mais de metade (56%) do total agendado entre 31 de janeiro e 8 deste mês.

Ao mesmo tempo, e perante a requisição civil decretada pelo Governo, estão ser ponderadas novas formas de luta, que podem incluir faltar ao trabalho.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …

"Um erro desculpável". Governante sem castigo após violar a Lei no caso dos mirtilos

O Tribunal Constitucional decidiu arquivar o caso das incompatibilidades envolvendo o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que, durante dois anos, acumulou o cargo com a função de gerente numa empresa …

Erros em perguntas de exame obrigam a mudar notas de médicos estrangeiros

O exame feito por médicos estrangeiros para ter equivalência ao curso de Medicina em Portugal teve neste ano mais de 700 candidatos, a esmagadora maioria brasileiros. É uma procura histórica, admitem médicos e serviços académicos, por …