“Há setores do PS que veem o BE como problema para a maioria absoluta”

Esquerda.Net / Flickr

A porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, considera que há setores do PS que entendem que o BE “pode ser um problema para o objetivo da maioria absoluta” nas próximas eleições legislativas, o que justifica “algum tipo de crispação”.

Em entrevista à agência Lusa na véspera da XI Convenção Nacional do BE – que decorre no sábado e no domingo, em Lisboa -, Catarina Martins garante que “o Bloco é o que sempre foi, mas com mais força faz-se mais caminho”.

“Há talvez setores do PS que consideram que o Bloco pode ser um problema para o objetivo da maioria absoluta e tenham decidido que ganhariam alguma coisa com algum tipo de crispação”, responde, quando questionada sobre a subida de tom e crítica dos socialistas em relação aos bloquistas.

No entanto, a líder do BE ressalva que “não é toda a gente que pensa assim no PS“, uma vez que já compreenderam que há “um acordo para cumprir e que o Bloco manteve exatamente a mesma postura todos os dias, independentemente das flutuações de outros lados”.

Sobre se António Costa está no grupo dos que encaram o BE como um problema para as próximas eleições, Catarina Martins diz querer pensar que o primeiro-ministro está empenhado em concluir a legislatura.

“Eu quero pensar que o senhor primeiro-ministro está tão empenhado como eu em levar a legislatura até ao fim, no cumprimento dos acordos que fizemos em 2015 e indo mais além deles, sempre que é possível”, afirma.

À pergunta se o BE e o PCP são hoje partidos mais próximos ou mais antagonizados, Catarina Martins responde, primeiro, que é preciso valorizar “muito o trabalho e a convergência” com os comunistas.

“Registo que mantemos diferenças profundas – e para nós amargas – como, por exemplo, o PCP não ter apoiado a despenalização da morte assistida e permitir à direita chumbar um projeto que é uma ambição do país”, lamenta.

No entanto, a deputada do BE assinala “também que em matérias como a adoção por casais do mesmo sexo, a posição do PCP tem vindo a evoluir e deu alguns passos que há uns anos se acharia impossível dar”, tendo a expectativa que o partido “faça parte das ideias progressistas também no campo dos direitos e liberdades individuais”.

A XI Convenção Nacional, reunião magna do partido que começa no sábado, é, para Catarina Martins, “um momento de balanço“, precisamente no dia em que passam três anos sobre a assinatura dos acordos que viabilizaram o Governo minoritário do PS.

“É verdade que é um momento em que o Bloco se confronta com as próprias responsabilidades que teve, acrescidas, e também que coincide com o momento em que já há uma colaboração estreita, pensada, quotidiana entre uma geração mais nova dirigente porque o Bloco nestes últimos anos procedeu a uma enorme renovação”, destaca.

Catarina Martins desvaloriza caso Robles

Para a dirigente, “o BE tem neste momento uma convergência grande de direção sobre os caminhos que tem de seguir”, desvalorizando qualquer impacto da polémica que envolveu o antigo vereador bloquista na Câmara de Lisboa, Ricardo Robles.

“O BE considera que Ricardo Robles errou, reconheceu o erro e em 72 horas tínhamos mudado o vereador, mas não teve nenhum comportamento ilegal. Nós reconhecemos os erros e corrigimos, mas não houve sequer nenhum comportamento ilegal. Não sei se há muitos partidos que tenham o mesmo comportamento que o Bloco”, aponta.

A Convenção acontece no ano em que o partido perdeu uma das suas figuras de destaque, o antigo coordenador João Semedo – que partilhou com Catarina Martins, entre 2012 e 2014, a liderança ‘bicéfala’ – e que morreu em julho último.

“O João foi muito mais, na política, do que esses dois combates [Lei de Bases da Saúde e despenalização da eutanásia) que foram os últimos e que foram muito importantes. Foi a capacidade de interlocução, de criar pontes. Foi saber que a determinação na política do programa nunca é o sectarismo, nunca é dizer que não conseguimos construir pontes ou dialogar com outros”, elogia.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

As vaquitas estão extinguir-se à nossa frente. Já só há 10 em todo o mundo

A vaquita marinha, o cetáceo mais pequeno do mundo, está à beira da extinção, havendo apenas cerca de dez criaturas vivas, segundo cientistas. O ser humano é o principal responsável pelo seu contínuo desaparecimento. As vaquitas …

A Ciência descobriu quando nasceu Deus

A ideia de um deus todo-poderoso que vigia os humanos a partir do Céu e pune os que se desviam da norma surgiu depois que estes trocaram a tribo pela sociedade. Essa é a principal conclusão …

Famílias numerosas queixam-se de disparidades no preço da água consumida

A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas queixou-se da diferença no preço da água consumida consoante o município onde se vive e o número de pessoas do agregado familiar. Na quarta edição do estudo sobre a água …

Costa condiciona extensão do Brexit para além de 23 de maio à aprovação do acordo

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que uma extensão do Brexit para além de 23 de maio implica a ratificação do Acordo de Saída pelo Parlamento britânico ou a realização de eleições europeias no …

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …

O fim das consolas está à vista. Google lança serviço de videojogos na "nuvem"

A Google apresentou o seu novo serviço de jogos na "nuvem", Stadia, na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. O serviço não precisa de nenhuma consola e pode ser jogado em qualquer plataforma. O CEO …