“Um desperdício de camas”. Segurança Social está a libertar hospitais dos “casos sociais”

Caroline Blumberg / EPA

A Segurança Social está a libertar os hospitais dos chamados “internamentos sociais”, pessoas que já tiveram alta clínica mas que continuam internadas por falta de resposta extra-hospitalar.

Em maio, havia 1.500 camas ocupadas por pacientes nesta situação, com alguns casos a durarem meses e até mesmo anos, avança o jornal Público esta sexta-feira.

Agora, mais do que nunca, devido à pandemia de covid-19, é necessário libertar espaço nos hospitais para os pacientes infetados com o novo coronavírus. De momento, em Portugal, existem 2.362 doentes internados, dos quais 320 estão em unidades de cuidados intensivos.

O Instituto de Segurança Social está a tomar “medidas extraordinárias” para retirar estes pacientes, maioritariamente idosos, dos hospitais. A solução tem sido integrá-los em lares e estruturas da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI).

Isto implicou um alargamento dos acordos de cooperação e a criação de “um maior número de vagas sociais”, nomeadamente ao nível dos cuidados continuados de saúde mental, apurou o Público.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa disse que, na terça-feira, havia 130 pessoas internadas e identificadas como casos sociais nos 13 hospitais da sua área de influência. “A grande maioria são pessoas dependentes, sendo que 63 (48,5%) do total têm 80 ou mais anos”, salientou a ARS de Lisboa.

No Porto, a situação é semelhante. “O problema da falta de resposta atempada por parte da Segurança Social arrasta-se há muitos anos e é muito anterior à pandemia”, disse a diretora do serviço social do Hospital de São João, Alexandra Duarte.

Como solução, o São João tem um contrato com uma unidade de saúde privada, na Trofa, que permite que estes utentes sejam transferidos, desocupando camas que são necessárias para os doentes.

“Cerca de um em cada dez internamentos são desnecessários e poderíamos estar a prestar cuidados mais adequados fora das instituições a estes doentes”, disse o representante dos administradores hospitalares, Alexandre Lourenço.

A opinião é partilhada pelo diretor clínico do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP), José Barros: “É um desperdício de camas hospitalares, de custo diário elevado, e que deveriam estar dedicadas a doentes que, por vezes, ficam a aguardar vaga no serviço de urgência”.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rio anuncia voto contra ao Orçamento - e dá 50% de hipóteses de crise política

O Presidente da República recebe esta sexta-feira, em audiência em Belém, os partidos com assento parlamentar no âmbito do Orçamento do Estado para o próximo ano. O primeiro partido a ser ouvido foi o PSD. O …

Portugal regista mais 766 novos casos e sete mortes. País está perto da zona "laranja" da matriz de risco

Portugal registou nesta quinta-feira sete mortes devido à covid-19 e 766 novas infeções pelo novo coronavírus, de acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado nesta sexta-feira. O boletim epidemiológico desta sexta-feira indica ainda …

Leão diz que despesa de 1,8 mil milhões com CP não tem de ser negociada com Bruxelas

O ministro das Finanças considerou hoje que não será necessário negociar com Bruxelas a despesa excecional de 1.815 milhões de euros com a CP pois o objetivo é enquadrar a medida dentro das regras de …

Obra de Banksy que se autodestruiu vendida por valor recorde de 21,8 milhões

A obra do artista britânico, que há três anos se autodestruiu parcialmente depois de ter sido vendida por 1,2 milhões de euros, foi vendida, esta quinta-feira, por 21,8 milhões. Em 2018, "Girl With Balloon", que mostrava …

Seis prioridades para o Newcastle, se quiser ser o novo Manchester City

Lista elaborada por quem tratou da "revolução" em Manchester, a partir de 2008. O Newcastle United tem dinheiro mas (ainda) não tem uma grande equipa, nem é visto como um grande clube europeu. Os milhões de libras …

Temido diz que "por detrás de cada euro" investido no SNS estão mais cuidados de saúde

A ministra da Saúde afirmou, esta quinta-feira, que o Orçamento do Estado para 2022 permitirá "promover a recuperação" do país e que por detrás de cada euro investido no Serviço Nacional de Saúde (SNS) …

Há alunos ainda sem manuais devido a atrasos na impressão e distribuição

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros justifica os atrasos com o fim mais tardio do ano lectivo anterior, o que levou a que todo o processo ficasse atrasado. Segundo avança o Público, cerca de um …

O Twitter foi palco de troca de acusações entre os primeiros-ministros da Eslovénia e dos Países Baixos

Troca de palavras decorreu na rede social com acusações pouco habituais entre chefes de Governo e principais figuras das instituições europeias. Foi num tom pouco habitual e num cenário igualmente pouco expectável — pelo seu nível …

Enfermeira com uma vacina na mão

Dose única da vacina. Portugueses recuperados travados por países que exigem vacinação completa

Os portugueses recuperados da covid-19 só receberam uma dose da vacina. Agora, estão a ter dificuldades em viajar para alguns países, como o Reino Unido ou o Canadá. Segundo o Jornal de Notícias, há portugueses recuperados …

Menos de metade dos novos médicos é que vai para o SNS

Nos últimos seis anos, menos de metade dos novos profissionais que se inscreveram na Ordem dos Médicos, ingressam no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Segundo o Correio da Manhã, o número de inscritos na Ordem dos …