“Não se pode brincar com a saúde”. Costa em rota de colisão com Ordem dos Médicos

Nuno André Ferreira / Lusa

Está o caldo entornado entre o primeiro-ministro e a Ordem dos Médicos (OM). A organização profissional reage com “estranheza” e muitas críticas às palavras de António Costa que acusou a OM de restringir a concorrência e limitar o acesso à formação. 

Esta posição foi assumida pelo primeiro-ministro na inauguração da nova Unidade de Saúde de Sintra, após o presidente da Câmara deste município, Basílio Horta, se ter insurgido contra os obstáculos levantados pela Ordem dos Médicos (OM) em relação à abertura da nova Faculdade de Medicina da Universidade Católica.

Costa juntou-se a Basílio Horta nas críticas ao exercício dos poderes regulatórios de algumas ordens profissionais, em especial a dos médicos, para restringir a concorrência e limitar o acesso à formação, considerando que tal impede a resposta às carências.

Basílio Horta, fundador do CDS, antigo ministro e ex-deputado do PS, considerou incompreensíveis esses obstáculos levantados a uma faculdade que será aberta em parceria com a Universidade de Maastricht (Holanda) e que é considerada uma das melhores do mundo.

O presidente da Câmara de Sintra alegou que só no seu município estão em falta mais de 40 médicos de família.

O primeiro-ministro concordou “totalmente” com esta análise e retomou um dos pontos que esteve presente no discurso que fez no sábado, em Lisboa, durante a Convenção Nacional do PS, quando apresentou o programa eleitoral dos socialistas.

“A OCDE e as instituições internacionais dirigem-nos permanentemente recomendações no sentido de alterar as regras que dizem respeito ao acesso às profissões reguladas”, frisou Costa, notando que “as ordens têm uma função insubstituível na regulação do exercício da actividade, na fixação dos padrões de qualidade de exigência e ninguém pode brincar com a saúde – e a melhor forma é mesmo não brincar com a qualidade da formação dos profissionais de saúde”.

No entanto, de acordo com Costa, é obrigatório dotar Portugal com os recursos humanos necessários “e não utilizar as competências que existem para práticas restritivas da concorrência e limitar o acesso à formação com qualidade e exigência”.

Caso contrário, advertiu, o país ficará com enormes carências para satisfazer as necessidades” da sua população.

Depois, num recado indirecto ao bastonário da OM, Miguel Guimarães, o primeiro-ministro apontou que “é muito fácil andar de hospital em hospital a identificar a falta de um anestesista ou de um ortopedista”.

“Ora, para que isso não aconteça, é fundamental assegurar que, à partida, há condições no sentido de que quem tem competência e capacidade para poder ser médico tenha [efectivamente] acesso à formação de medicina, frequentando um curso que seja exigente e de qualidade”, defendeu.

Ordem estranha e critica declarações de Costa

A OM já reagiu às declarações de Costa, notando que são “incompreensíveis, factualmente erradas e que enfermam em problemas conceptuais que importa clarificar”.

Em comunicado, a OM refere que não lhe cabe a si aprovar os novos cursos de medicina, mas que isso constitui competência da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES). Também quanto aos  ‘numerus clausus’ nos cursos de Medicina, a Ordem sustenta que “a sua definição é da competência da Direcção-Geral do Ensino Superior, na dependência do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e não da OM” que “nem sequer é ouvida”.

“Não deixa de ser curiosa, no entanto, a forma combativa como o primeiro-ministro defende a existência de cursos de Medicina nas universidades privadas”, considera ainda a Ordem.

A entidade também recorda que “os ingressos em Medicina mais do que duplicaram em apenas 20 anos, de cerca de 600 vagas, em 1999, para mais de 1.500 no último ano”.  Um aumento de vagas que motivou “uma maior insatisfação no terreno com a qualidade da formação, seja pela limitação das infraestruturas físicas, seja pela dificuldade de resposta em termos de tutoria e ensino clínico prático, uma vez que os quadros mais experientes do SNS têm saído do sector público, seja por aposentação ou para o sector privado, social e estrangeiro”, atira a Ordem.

Relativamente à quantidade de médicos existentes, a OM alega que Portugal “tem o terceiro maior rácio de médicos por cada 1.000 habitantes da União Europeia a 28 [UE28], à frente de países como Alemanha, Holanda, Bélgica e Reino Unido”.

“O país conta com um rácio de 4,8 médicos por 1.000 habitantes, quando a média da UE28 é de 3,6″, segundo dados do relatório “Health at a Glance: Europe 2018”.

“O problema não está, por isso, no número de médicos existentes no país e sim na incapacidade que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem tido em atraí-los e mantê-los, com um projecto de carreira estimulante e duradouro”, argumenta a Ordem.

No SNS, segundo a entidade, “o rácio baixa para 2,8 médicos por 1.000 habitantes, mesmo considerando que dos 28 mil médicos, quase 9.000 são internos em formação (dados Balanço Social da Administração Central do Sistema de Saúde, 2017)”.

“A afirmação do primeiro-ministro causa também estranheza, uma vez que tanto ele como os Ministérios das Finanças e da Saúde têm vindo a público assegurar, por diversas vezes, que o SNS nunca teve tantos médicos”, conclui a Ordem.

A Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) também veio comentar as declarações do primeiro-ministro, considerando que há um excesso de alunos nesta área face à resposta do ensino de medicina actual.

“Nas condições actuais, aumentar o número de estudantes prejudica o ensino e compromete a formação com a qualidade que o país necessita”, sustenta a ANEM em comunicado.

Apesar disso, a ANEM não defende a abertura de novos cursos de medicina, alegando que isso pode pôr em causa a qualidade da formação.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Eu sou um fanático opositor deste primeiro-ministro mas também sei reconhecer quando acerta uma. E aqui fê-lo. Parabéns. Há de facto que abrir mais faculdades de medicina e “democratizar” a profissão de médico. Quando isso acontecer, deixaremos de pagar tanto como hoje por consultas, teremos médicos no interior e no Algarve e o país ficará seguramente muito melhor. Acho muito bem que se acabe com esta classe privilegiada de uma vez por todas. A saúde não é um negócio mas muitos médicos assim a encaram.
    Infelizmente, só esta medida não lhe dará o meu voto mas aqui sou levado a concordar com este primeiro-ministro que tanta asneira tem feito nos últimos 4 anos.

RESPONDER

Extinto incêndio no Hospital CUF Descobertas em Lisboa e sem necessidade de evacuar edifício

O incêndio que deflagrou hoje, pelas 12:20, no Hospital CUF Descobertas, no Parque das Nações, em Lisboa, foi extinto pelas 12:50, e não houve necessidade de evacuar o edifício, disse à Lusa fonte do Regimento …

Infarmed alerta para dois sites de venda ilegal de medicamentos

A Autoridade Nacional do Medicamento afirma que não é possível assegurar a qualidade, eficácia, segurança e autenticidade dos fármacos adquiridos em dois websites ilegais de venda de medicamentos. O Infarmed alertou esta terça-feira para a existência …

Julian Reichelt, ex-diretor do jornal alemão Bild

Diretor do jornal alemão Bild despedido por "conduta inapropriada"

Julian Reichelt, diretor do jornal alemão Bild, foi demitido com efeito imediato por “conduta inapropriada”, anunciou a empresa de comunicação social Axel Springer, detentora do jornal mais vendido da Alemanha. O diretor do jornal alemão Bild, …

“Não acho que o CDS esteja a viver uma crise interna”, diz Francisco Rodrigues dos Santos

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, defendeu esta segunda-feira que a situação interna que o partido atravessa, com congresso eletivo marcado para o final de dezembro, "não é uma crise, é a democracia …

Em sessão acesa, primeiro-ministro polaco diz ao Parlamento Europeu que o país não cederá a chantagens

Guerra de palavras entre representantes do governo polaco e as instituições europeias tem vindo a escalar ao longo das últimas semanas, depois de o Tribunal Constitucional do país ter determinado que a lei nacional se …

China nega lançamento de míssil hipersónico - mas Estados Unidos estão “muito preocupados”

Em agosto, a China terá lançado um míssil com capacidade nuclear. Os Estados Unidos mostram-se muito preocupados com este tipo de atividade. Segundo noticia o Financial Times, o míssil terá sido lançado pelos militares chineses num …

O ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Trump luta para manter sob sigilo documentos sobre ataque ao Capitólio (e avança para tribunal)

Donald Trump processou a comissão do Congresso responsável pela investigação do ataque ao Capitólio, alegando que fez um pedido ilegal dos seus registos da Casa Branca. O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump entrou com uma …

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, e o presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio

Rio defendeu, Rangel atirou, Balsemão marcou e Montenegro fez o relato. A luta interna do PSD fez-se nas entrelinhas da posse de Moedas

Podia ter sido um jogo de futebol, mas foi só a tomada de posse de Carlos Moedas. Na Praça do Município, em Lisboa, Rio defendeu ao não ter notado a presença de um dos protagonistas …

Proposta Coba Consultores para nova ponte sobre o Douro

Nova ponte do Porto já tem desenho conhecido. Vai servir para metro, ciclovia e peões

A Metro do Porto recebeu 28 propostas para o concurso público de elaboração de projeto e execução da nova ponte sobre o rio Douro. Já foram selecionadas as três melhores. Esta segunda-feira, foram apresentados os três …

AC Milan não esconde: jogos com o FC Porto serão decisivos

Italianos recordam que vão defrontar uma equipa que está quase sempre presente na Liga dos Campeões. "Os nossos dois jogos contra o FC Porto vão ser decisivos para a classificação final do grupo". O treinador do …