Extrema-direita é a terceira força. Sánchez obrigado a procurar acordo à esquerda

Fernando Villar / EFE

Depois de quatro eleições em quatro anos, o panorama para a formação de um Governo não se avizinha nada fácil. O Vox trouxe poder à extrema-direita em Espanha, dificultando o trabalho do atual primeiro-ministro. 

A ideia de ir a eleição acabou por não correr muito bem a Sánchez, que apesar de vencer nas urnas, perdeu três deputados em relação ao último sufrágio de 28 de abril. As eleições permitiram ao Vox de Santiago Abascal tornar-se na terceira força política do país, alcançando os 52 deputados.

O PSOE ficou com 120 deputados, o PP com 88, o Vox com 52, o Unidas Podemos com 35, a Esquerda Republicana da Catalunha com 13, o Cidadãos com 10, o Juntos pela Catalunha com 8, o Partido Nacionalista Basco com 7, o EH Bildu com 5, o Mais País com 3, o Candidatura de Unidade Popular, a Coligação Canária e o Navarra Soma com 2, o Bloco Nacionalista Galego, o Partido Regionalista da Cantábria e o Teruel Existe com 1.

Desta feita, a formação de Governo em Espanha continua complicada para Sánchez, que sempre mostrou interesse na investidura de um governo minoritário, com acordos de incidência parlamentar, ao estilo português.

O líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, mostrou-se disponível para uma coligação, que antes era uma oportunidade, ma que “agora é uma necessidade”, devido às circunstância que derivaram das eleições deste domingo.

“O que em Abril foi uma oportunidade, ter um Governo, uma coligação progressista, agora é uma necessidade. Agora faz falta um Governo com estabilidade suficiente e que garanta os direitos. A nossa proposta ao PSOE são os artigos sociais da Constituição espanhola para travar a extrema-direita, que é a consequência mais grave destas eleições. Apelamos ao PSOE para que respeite o resultado eleitoral”, disse Iglesias, citado pelo Público.

Também Íñigo Errejón, do Mais País, reiterou a opinião de Iglesias. “Não podemos ir a terceiras eleições. Esta repetição eleitoral é um aviso do que acontece quando os interesses pessoais se põem à frente dos interesses do país”, atirou.

A preocupação de todos parece mesmo ser o Vox. Abascal disse que o seu partido “protagonizou a maior gesta política da história espanhola, dando voz a milhões de espanhóis que não a tinham”. Marine Le Pen, de França, e Matteo Salvini, de Itália, não tardaram a congratular os resultados do partido que conseguiu o dobro dos votos das eleições de abril.

Os resultados acabaram por se revelar desastrosos para o Cidadãos, que perdeu 47 deputados e ficou com apenas dez assentos no Congresso, segundo o Expresso. O partido de centro-direita liberal deixa de ter representação em comunidades autónomas como Múrcia, Castela e Leão.

O seu líder, Albert Rivera, já apresentou a demissão, após 13 anos à frente do partido. O político foi apontado como o principal responsável pelos trágicos resultados e, segundo avança o El País, fez o anúncio da demissão esta manhã de segunda-feira.

Um acordo à esquerda

Nem à esquerda nem à direita, o acordo para formar Governo parece óbvio. Uma coligação entre os partidos de ambas as ideologias não serve para desbloquear o impasse político vivido e Pedro Sánchez vê-se obrigado a esgravatar para chegar a uma solução viável em Espanha.

De acordo com o Expresso, o atual primeiro-ministro não deverá ter intenções de recorrer aos independentistas catalães, podendo virar-se para o Unidas Podemos e o Cidadãos. O acordo também seria compactuado pelo Partido Nacionalista Basco, a Coligação Canária, o Partido Regionalista da Cantábria e o Bloco Nacionalista Galego.

Depois de negociações anteriores entre Sánchez e Iglesias terem falhado, há uma necessidade cada vez maior de formar Governo. Como tal, está novamente em cima da mesa um acordo entre as duas forças políticas. Agora, o Unidas Podemos quer ver a sua representação parlamentar refletida na gestão dos “artigos sociais” da Constituição.

O JN noticia ainda que Pablo Casado, do Partido Popular, também se mostrou disponível para negociar, dizendo que “a bola está do lado” de Sánchez. Apesar disso, realça que os interesses do seu partido são “incompatíveis” com a abordagem do líder do PSOE.

Especulações à parte, o acordo para formar Governo continua uma incógnita. Para Sánchez, “os espanhóis mostraram que querem que no Governo participem várias formações políticas”, mostrando-se, por isso, disponível para negociar. Em contrapartida, o vencedor das eleições descarta aqueles “que se distanciam da convivência e da democracia”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …

Cercas sanitárias e recolher obrigatório. Governo avalia novas medidas na próxima semana

O Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, vai voltar a reunir na próxima semana com o Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP), num encontro em que serão discutidas novas medidas para travar a propagação …

Presidenciais EUA. Biden promete vacina gratuita para todos, Trump apela ao voto latino

Joe Biden e Donald Trump continuam em campanha eleitoral para a corrida à Casa Branca, numas eleições que estão agendadas para 3 de novembro. O candidato presidencial democrata Joe Biden prometeu esta sexta-feira que a vacina …

Há 72 concelhos com risco "muito elevado" de contágio. Governo esconde mapas de perigo

O Governo insiste em não divulgar os mapas de perigo com o risco de contágio por coronavírus que foram feitos por peritos da Direcção Geral de Saíde (DGS). Isto numa altura em que o Expresso …

Nuno Melo estuda candidatura à liderança do CDS

O eurodeputado Nuno Melo não excluiu uma candidatura à liderança do CDS, avança este sábado o semanário Expresso. Confrontado pelo jornal, o eurodeputado não excluiu uma eventual candidatura à liderança dos centristas, dizendo apenas que "não …

Testes de diagnóstico já podem ser requisitados através do SNS24

O modelo de requisição de testes de diagnóstico à covid-19 através da linha de saúde 24 começou esta sexta-feira a funcionar, à semelhança dos meses mais complexos de março e abril, avançou a ministra da …