Salgado diz que volatilidade de ações e fuga de depósitos ditaram fim do BES

Manuel de Almeida / Lusa

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

O antigo banqueiro Ricardo Salgado regressou esta tarde à comissão parlamentar de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES) e fará uma exposição inicial de cerca de uma hora antes de responder a perguntas.

Ricardo Salgado afirmou que só conheceu através da comunicação social a parte da auditoria forense da Deloitte já revelada, o que afirmou ser “inadmissível”.

“É verdadeiramente inadmissível que uma parte interessada, o Banco de Portugal, ande a revelar, gota a gota, elementos para que haja um julgamento”, declarou Salgado na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES.

Para o ex-banqueiro, os dados da auditoria forense – que apontam para várias desobediências às ordens do BdP – são “insuficientes”, até porque muitos dos erros apontados dizem respeito a informação que não foi obtida.

O antigo líder do BES afirmou ainda que nas reuniões que manteve com políticos em 2014 não pediu favores mas procurou alertar os responsáveis para o “risco sistémico” que a queda do banco poderia causar.

“Não fui pedir qualquer favor”, sinalizou o ex-banqueiro, acrescentando que procurou nas reuniões com responsáveis políticos – casos do Presidente da República e do primeiro-ministro, entre outros – garantir “apoio institucional” para o BES e alertar para um eventual “risco sistémico”.

“Infelizmente não estava enganado”, prosseguiu Salgado, que falava na comissão de inquérito à gestão do caso BES e GES.

Volatilidade de ações e fuga de depósitos ditaram fim do banco

O antigo líder do BES afirma que foi a volatilidade das ações e a fuga de depósitos que ditaram o fim do banco, e não os problemas detetados na holding Espírito Santo International (ESI) em 2013.

Volatilidade de ações e fuga depósitos. Foram estas circunstâncias que ditaram o fim do BES“, afiançou Salgado na comissão parlamentar de inquérito à gestão daquele banco e do GES.

Para o antigo líder da instituição, o aumento de capital de 2014, que teve “o melhor resultado de sempre” neste tipo de operações, comprova que “não houve nexo causal entre problema na ESI” e a posterior “quebra de confiança” no BES.

O ex-presidente do BES criticou as medidas impostas pelo Banco de Portugal e as acusações do governador, Carlos Costa.

“O ring fencing cego prejudicou o BES em vez de o proteger”, lançou Salgado, referindo-se ao perímetro de proteção ordenado pelo Banco de Portugal à gestão do BES então liderada pelo banqueiro.

Depois de já ter criticado o facto de só ter tido conhecimento dos resultados da auditoria forense à gestão do BES encomendada pelo Banco de Portugal pela comunicação social, Salgado referiu-se a várias questões que são levantadas neste âmbito e que apontam para gestão danosa, tentando desmontá-las.

Ricardo Salgado começou a falar cerca das 15h10. Antes de iniciar a sua intervenção, o presidente da comissão de inquérito, Fernando Negrão, pediu “perguntas claras” aos deputados e “respostas esclarecedoras” de Salgado, acrescentando que a exposição inicial do ex-banqueiro será de cerca de uma hora.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e a audição desta quinta-feira de Salgado é a primeira repetição de uma audição nesta comissão.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

MP acusa três inspetores do SEF de homicídio de imigrante ucraniano

O Ministério Público acusou esta quarta-feira três inspetores do SEF do homicídio qualificado de um cidadão ucraniano, ocorrido a 12 de março no Centro de Instalação Temporária do Aeroporto de Lisboa. Segundo uma nota da Procuradoria …

UE prepara lei que obriga gigantes tecnológicas a partilhar dados

A União Europeia (UE) está a preparar-se para forçar as gigantes tecnológicas a partilharem os dados que têm dos consumidores com empresas rivais menores, de acordo com uma nova lei que a Comissão Europeia está …

Morreu o autor argentino Quino, criador de Mafalda

O autor argentino Quino, célebre por ter criado a contestatária personagem de banda desenhada Mafalda, morreu esta quarta-feira em Mendoza, na Argentina, aos 88 anos, revelou a agência Efe. De acordo com o jornal argentino Clarín, …

"Quem decide quem o PS apoia são os órgãos do partido", diz Pedro Nuno Santos

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou que "quem decide quem o PS apoia são os órgãos do partido", um dia após o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, ter …

Biden revelou impostos de 2019 antes do debate. Pagou mais 200 mil dólares do que Trump

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, divulgou na terça-feira a sua declaração de impostos de 2019, horas antes do seu primeiro debate televisivo contra o republicano Donald Trump, que se viu …

IGAI. Oito elementos do SEF com processos disciplinares pela morte de ucraniano

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) vai instaurar oito processos disciplinares a elementos do SEF na sequência do inquérito que apurou as circunstâncias da morte de um cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa. Além dos oito …

Disney vai despedir 28 mil trabalhadores nos EUA devido ao "impacto prolongado da covid-19"

A Disney anunciou que vai despedir cerca de 28 mil trabalhadores dos seus parques de diversão, cruzeiros e outros eventos nos Estados Unidos devido à crise financeira causada pela pandemia de covid-19. A covid-19 chegou e …

OE2021: IVA gasto em alguns setores vai poder ser recuperado nas compras seguintes

O IVA suportado pelos consumidores em serviços ou produtos dos setores mais afetadas pelo impacto da pandemia vai poder ser recuperado nas compras seguintes realizadas nos mesmos setores, disse o ministro Pedro Siza Vieira. Em causa …

Temeu-se uma explosão em Paris. Mas foi "apenas" um caça a quebrar a barreira do som

Um avião militar que ultrapassou a barreira do som provocou esta quarta-feira o receio de que tivesse ocorrido uma explosão em Paris, já que o barulho foi ouvido em grande parte da capital francesa e …

Maduro propõe neutralizar sanções norte-americanas com Lei Antibloqueio

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, entregou na terça-feira um projeto de Lei Antibloqueio à Assembleia Constituinte (AC, composta unicamente por simpatizantes do regime) para neutralizar os efeitos das sanções impostas pelos Estados Unidos (EUA) …