Salgado diz que volatilidade de ações e fuga de depósitos ditaram fim do BES

Manuel de Almeida / Lusa

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

O antigo banqueiro Ricardo Salgado regressou esta tarde à comissão parlamentar de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES) e fará uma exposição inicial de cerca de uma hora antes de responder a perguntas.

Ricardo Salgado afirmou que só conheceu através da comunicação social a parte da auditoria forense da Deloitte já revelada, o que afirmou ser “inadmissível”.

“É verdadeiramente inadmissível que uma parte interessada, o Banco de Portugal, ande a revelar, gota a gota, elementos para que haja um julgamento”, declarou Salgado na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES.

Para o ex-banqueiro, os dados da auditoria forense – que apontam para várias desobediências às ordens do BdP – são “insuficientes”, até porque muitos dos erros apontados dizem respeito a informação que não foi obtida.

O antigo líder do BES afirmou ainda que nas reuniões que manteve com políticos em 2014 não pediu favores mas procurou alertar os responsáveis para o “risco sistémico” que a queda do banco poderia causar.

“Não fui pedir qualquer favor”, sinalizou o ex-banqueiro, acrescentando que procurou nas reuniões com responsáveis políticos – casos do Presidente da República e do primeiro-ministro, entre outros – garantir “apoio institucional” para o BES e alertar para um eventual “risco sistémico”.

“Infelizmente não estava enganado”, prosseguiu Salgado, que falava na comissão de inquérito à gestão do caso BES e GES.

Volatilidade de ações e fuga de depósitos ditaram fim do banco

O antigo líder do BES afirma que foi a volatilidade das ações e a fuga de depósitos que ditaram o fim do banco, e não os problemas detetados na holding Espírito Santo International (ESI) em 2013.

Volatilidade de ações e fuga depósitos. Foram estas circunstâncias que ditaram o fim do BES“, afiançou Salgado na comissão parlamentar de inquérito à gestão daquele banco e do GES.

Para o antigo líder da instituição, o aumento de capital de 2014, que teve “o melhor resultado de sempre” neste tipo de operações, comprova que “não houve nexo causal entre problema na ESI” e a posterior “quebra de confiança” no BES.

O ex-presidente do BES criticou as medidas impostas pelo Banco de Portugal e as acusações do governador, Carlos Costa.

“O ring fencing cego prejudicou o BES em vez de o proteger”, lançou Salgado, referindo-se ao perímetro de proteção ordenado pelo Banco de Portugal à gestão do BES então liderada pelo banqueiro.

Depois de já ter criticado o facto de só ter tido conhecimento dos resultados da auditoria forense à gestão do BES encomendada pelo Banco de Portugal pela comunicação social, Salgado referiu-se a várias questões que são levantadas neste âmbito e que apontam para gestão danosa, tentando desmontá-las.

Ricardo Salgado começou a falar cerca das 15h10. Antes de iniciar a sua intervenção, o presidente da comissão de inquérito, Fernando Negrão, pediu “perguntas claras” aos deputados e “respostas esclarecedoras” de Salgado, acrescentando que a exposição inicial do ex-banqueiro será de cerca de uma hora.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e a audição desta quinta-feira de Salgado é a primeira repetição de uma audição nesta comissão.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Megaoperação de combate à pedofilia detém mais de 30 pessoas

Mais de 30 pessoas foram detidas em onze países no âmbito de uma megaoperação de combate à pornografia infantil realizada pela Europol e pela polícia nacional de Espanha, país onde foram presos mais de metade …

Grandes hotéis acusados de ignorar tráfico sexual. Queixa em grupo relata casos de 13 mulheres

Uma ação judicial deu entrada segunda-feira em Columbus, Ohio, nos Estados Unidos (EUA), com vários grandes grupos hoteleiros a serem acusados de lucrar com o tráfico sexual, ignorando os crimes e os danos nas vítimas. Segundo …

Líder da Birmânia, Suu Kyi, vai a Haia defender o país de acusação de genocídio

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi decidiu comparecer perante o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) para defender o seu país da acusação de genocídio contra a minoria muçulmana rohingya, durante uma audiência de três …

Impeachment. Democratas preparam-se para avançar com duas acusações formais contra Trump

Os democratas estarão a planear apresentar esta terça-feira dois artigos de impeachment que acusam Donald Trump de abuso de poder e obstrução do Congresso. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, o Comité …

Esquema de venda de droga na darkweb. Fortuna em bitcoins fica nas mãos do Estado

Pedro e Rita vendiam droga para todo o mundo na darkweb. Agora, a fortuna em bitcoins acabou por ficar nas mãos do Estado. Pedro, um engenheiro informático, e Rita, uma web designer, montaram um esquema para …

CDS e PAN querem regime protetor do denunciante no combate à corrupção

CDS e PAN vão apresentar propostas no combate à corrupção que tem sido discutido desde segunda-feira. Os partidos querem um regime protetor do denunciante. Numa iniciativa de combate à corrupção, o CDS e o PAN vão …

Morreu Marie Fredriksson, vocalista dos Roxette

A cantora sueca Marie Fredriksson, dos Roxette, morreu segunda-feira aos 61 anos, anunciou esta terça-feira a sua manager em comunicado. Marie Fredriksson, vocalista e co-fundadora da banda Roxette, faleceu esta segunda-feira, aos 61 anos. A morte …

Taxa de sucesso no ensino profissional atinge os 63%. É o valor mais alto de sempre

No ano letivo de 2017/2018, 63% dos alunos inscritos no ensino profissional concluíram os seus cursos no tempo previsto, mais dez pontos percentuais do que quatro anos antes, avança o jornal Público. De acordo com um …

Regra para filhos de pais separados em casas alternadas divide partidos

A lei já prevê que os filhos de pais separados possam ficar em residência alternada se o tribunal assim o decidir. Porém, as regras não são claras e vai ser discutida a melhor forma de …

Helicóptero do INEM avariou durante missão. Vítima que ia socorrer acabou por morrer

Um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), localizado em Loulé, teve uma avaria a meio de uma missão de socorro, sendo obrigado a abortar a viagem que visava ajudar uma mulher de 22 …