Salgado diz que volatilidade de ações e fuga de depósitos ditaram fim do BES

Manuel de Almeida / Lusa

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

O antigo banqueiro Ricardo Salgado regressou esta tarde à comissão parlamentar de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES) e fará uma exposição inicial de cerca de uma hora antes de responder a perguntas.

Ricardo Salgado afirmou que só conheceu através da comunicação social a parte da auditoria forense da Deloitte já revelada, o que afirmou ser “inadmissível”.

“É verdadeiramente inadmissível que uma parte interessada, o Banco de Portugal, ande a revelar, gota a gota, elementos para que haja um julgamento”, declarou Salgado na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES.

Para o ex-banqueiro, os dados da auditoria forense – que apontam para várias desobediências às ordens do BdP – são “insuficientes”, até porque muitos dos erros apontados dizem respeito a informação que não foi obtida.

O antigo líder do BES afirmou ainda que nas reuniões que manteve com políticos em 2014 não pediu favores mas procurou alertar os responsáveis para o “risco sistémico” que a queda do banco poderia causar.

“Não fui pedir qualquer favor”, sinalizou o ex-banqueiro, acrescentando que procurou nas reuniões com responsáveis políticos – casos do Presidente da República e do primeiro-ministro, entre outros – garantir “apoio institucional” para o BES e alertar para um eventual “risco sistémico”.

“Infelizmente não estava enganado”, prosseguiu Salgado, que falava na comissão de inquérito à gestão do caso BES e GES.

Volatilidade de ações e fuga de depósitos ditaram fim do banco

O antigo líder do BES afirma que foi a volatilidade das ações e a fuga de depósitos que ditaram o fim do banco, e não os problemas detetados na holding Espírito Santo International (ESI) em 2013.

Volatilidade de ações e fuga depósitos. Foram estas circunstâncias que ditaram o fim do BES“, afiançou Salgado na comissão parlamentar de inquérito à gestão daquele banco e do GES.

Para o antigo líder da instituição, o aumento de capital de 2014, que teve “o melhor resultado de sempre” neste tipo de operações, comprova que “não houve nexo causal entre problema na ESI” e a posterior “quebra de confiança” no BES.

O ex-presidente do BES criticou as medidas impostas pelo Banco de Portugal e as acusações do governador, Carlos Costa.

“O ring fencing cego prejudicou o BES em vez de o proteger”, lançou Salgado, referindo-se ao perímetro de proteção ordenado pelo Banco de Portugal à gestão do BES então liderada pelo banqueiro.

Depois de já ter criticado o facto de só ter tido conhecimento dos resultados da auditoria forense à gestão do BES encomendada pelo Banco de Portugal pela comunicação social, Salgado referiu-se a várias questões que são levantadas neste âmbito e que apontam para gestão danosa, tentando desmontá-las.

Ricardo Salgado começou a falar cerca das 15h10. Antes de iniciar a sua intervenção, o presidente da comissão de inquérito, Fernando Negrão, pediu “perguntas claras” aos deputados e “respostas esclarecedoras” de Salgado, acrescentando que a exposição inicial do ex-banqueiro será de cerca de uma hora.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e a audição desta quinta-feira de Salgado é a primeira repetição de uma audição nesta comissão.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais duas mortes e 501 casos nas últimas 24 horas em Portugal

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou, nas últimas 24 horas, 501 novos casos de covid-19. O relatório desta quinta-feira (15 de abril) dá também conta de mais duas mortes …

PCP quer criar crime de enriquecimento injustificado com pena agravada para políticos

O PCP propôs esta quinta-feira, no Parlamento, a criação do crime de enriquecimento injustificado, com penas até três anos, mas que é agravado para titulares de cargos políticos e públicos, até aos cinco. O projeto dos …

Câmara de Lisboa estende testagem gratuita a todos os moradores

A Câmara de Lisboa decidiu alargar, a partir de quinta-feira, a testagem gratuita nas farmácias à covid-19 a todos os moradores, deixando o programa de estar limitado às freguesias com maior incidência da doença, foi …

"Fechaduras", testemunha do julgamento de Tancos, está em parte incerta

Paulo Lemos, conhecido como "Fechaduras", testemunha da acusação e da defesa no caso de Tancos, não compareceu em 08 de março à audiência e voltou a não aparecer esta quinta-feira, com o Tribunal de Santarém …

General que lidera o SIRESP apresenta demissão

O Diário de Notícias avança, esta quinta-feira, que o general que lidera o SIRESP apresentou demissão, tendo invocado "razões pessoais". De acordo com o Diário de Notícias, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, já recebeu …

Agente que matou Daunte Wright vai ser acusada por homicídio de segundo grau

A polícia que matou a tiro, no domingo, um jovem afro-americano em Brooklyn Center, no Minnesota, Estados Unidos, vai ser acusada por homicídio de segundo grau. Depois de ter apresentado a demissão da polícia de Brooklyn …

Sócrates acusa juiz de ir "além do seu poder" e PS de "profunda canalhice"

O ex-primeiro-ministro afirmou que o juiz de instrução "não tem o direito" de o indiciar "de crimes novos" e acusou o "mandante" de Fernando Medina na liderança do PS de "profunda canalhice". Foi a primeira entrevista …

Ana Gomes critica "silêncio ensurdecedor" do PS (e teme que ainda exista "o culto de Sócrates")

A ex-candidata à Presidência da República Ana Gomes criticou esta quinta-feira António Costa e outros dirigentes do PS por se manterem em silêncio relativamente ao caso Operação Marquês e responsabilizou vários governos pela ineficácia no …

Líder do CDS/Madeira recebeu 30 mil euros do financiador do Chega, a seis semanas das regionais

Rui Barreto, líder do CDS na Madeira, recebeu um total de 29.880 euros de César do Paço, o conhecido financiador do Chega. O "empréstimo" foi concedido a poucas semanas das eleições regionais que levaram o …

Autarcas e bombeiros exigem que Governo mantenha SIRESP a funcionar

As declarações do presidente da Altice Portugal de que o SIRESP ia "acabar a 30 de junho" fizeram soar os alarmes. Autarcas e bombeiros querem que o Governo mantenha a rede de emergência. Na quarta-feira, em …