//

Salgado deixou buraco de 1,6 mil milhões de euros no Novo Banco

12

António Cotrim / Lusa

O Novo Banco divulgou prejuízos históricos de quase 1.400 milhões de euros, relativos a 2017, depois de uma reavaliação dos activos problemáticos, herdados do antigo BES. Uma parte do “buraco” tem ainda origem no banco extinto e nos créditos concedidos durante a gestão de Ricardo Salgado.

O Correio da Manhã anuncia que os resultados negativos do Novo Banco reflectem, em grande parte, créditos problemáticos concedidos pelo antigo BES, durante a gestão de Ricardo Salgado.

A publicação fala num “buraco” de 1,6 mil milhões de euros, notando que estão em causa financiamentos concedidos pelas sucursais do antigo BES em Londres, no Brasil e no Dubai, nomeadamente para grandes obras de construção como, por exemplo, auto-estradas no Reino Unido.

O Novo Banco anunciou, nesta quarta-feira, os resultados de 2017, divulgando prejuízos recorde de 1.395,4 milhões de euros, acima dos 788,3 milhões de euros de 2016, num ano em que constituiu mais de 2.000 milhões de euros de imparidades (provisões para perdas potenciais).

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, explicou que o reconhecimento de imparidades tão elevadas se deveu a uma reavaliação dos activos problemáticos, numa nova era de reestruturação para o banco, depois de ter vivido uma fase de transição até Outubro passado.

Do montante de 2.056,9 milhões de euros de imparidades, a maior parte foram para crédito, de 1.229,2 milhões, seguidas de 398 milhões para actividades em descontinuação, 134,8 milhões de euros para títulos e 134,3 milhões de provisões para reestruturação (fecho de balcões e saída de pessoal).

Entre os activos para que o banco reforçou imparidades, estão créditos do ex-BES para grandes obras no exterior, como explicou Ramalho. Assim, o Novo Banco teve que dar como perdidos cerca de 1600 milhões de euros de financiamentos em incumprimento que foram atribuídos durante a gestão de Salgado.

Estado empresta até 450 milhões de euros

No comunicado à CMVM, o Novo Banco diz que “os prejuízos apresentados decorreram, fundamentalmente, do reconhecimento de montantes elevados de imparidades, de acordo com as exigências das autoridades europeias por forma a que as instituições bancárias tenham condições de recuperar rentabilidade de uma forma mais rápida e consistente”.

Na sequência deste nível elevado de perdas, o banco activou o Mecanismo de Capital Contingente negociado com o Estado português, pelo qual o Fundo de Resolução bancário irá capitalizar o Novo Banco num montante de 791,7 milhões de euros.

Na quarta-feira, especulava-se que o Estado teria que injectar mais 800 milhões de euros no Novo Banco. O valor confirmado fica-se pelos 791,7 milhões, com o Fundo de Resolução a adiantar parte da verba e o Estado a emprestar cerca de 450 milhões.

“O montante concreto desse empréstimo do Estado ainda não está fixado, mas estima‐se que não ultrapasse os 450 milhões de euros, ficando assim aquém do limite anual de 850 milhões de euros, inscrito no Orçamento do Estado”, salienta o Fundo de Resolução, num comunicado citado pelo jornal ECO.

O presidente do Novo Banco afirmou que “não é necessário capital adicional” na instituição, considerando que as injecções de capital através do Mecanismo Contingente são normais, uma vez que foram previamente negociadas.

“O que está em causa aqui não é um aumento de capital, o que está em causa é um mecanismo previsto, organizado, e que nesse sentido iria ser sempre utilizado com naturalidade”, afirmou António Ramalho, referindo que com os montantes injectados o Fundo de Resolução “preserva o valor” da sua participação de 25% no Novo Banco.

  ZAP // Lusa

12 Comments

  1. E como estamos em relação ao Salgado, família, amigos e afins?? Como está o processo? Parado não é?? Como tudo neste país de politicos da treta p/ não dizer outra coisa. Andaram e continuam a andar a ROUBAR indecentemente e os politicos, governo, justiça NADA FAZEM – estão a aver se o assunto é esquecido e depois prescreve é claro, quando lhes interessa… Povo trabalhador até quando vais andar a pagar o que nos ROUBAM??

  2. Eboraco menos boraco .o pobre do Ze e que se atraza com as prestações da casa fica sem ela e com a divida mas e assim que o povo ainda continua apostando nestas politicas quarenta e tal anos em vira o disco e toca o mesmo…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.