Ryanair tenta anular apoio à TAP. Companhia pode ter de devolver dinheiro

A companhia aérea low-cost irlandesa Ryanair está a tentar travar o apoio do Estado à transportadora de bandeira portuguesa TAP no Tribunal de Justiça da União Europeia (UE).

O jornal Público avança esta quinta-feira que a Ryanair considera que o apoio estatal de 1.200 milhões de euros à TAP aprovado pela Comissão Europeia descrimina as outras companhias aéreas.

A administração da Ryanair defende que o valor do apoio aprovado pela Comissão Europeia seria melhor empregue se fosse distribuído por todas as companhias aéreas a operar em Portugal.

Por essa razão, a companhia aérea low-cost irlandesa apresentou um recurso no Tribunal de Justiça da União Europeia (UE) a 22 de julho. Em declarações ao matutino, o responsável pelos assuntos legais da empresa, Julius Komorek, disse que a decisão sobre o recurso deverá surgir “dentro de oito a dez meses”.

Segundo o Público, a Ryanair alega que não está acautelado que este auxílio à TAP não prejudica o mercado, que há quebra do princípio de não-discriminação e que há quebra das regras do mercado liberalizado.

A ação da Ryanair surge no âmbito de uma estratégia geral que abrange outras companhias aéreas, incluindo a açoriana SATA.

Caso o Tribunal de Justiça da União Europeia valide o pedido da Ryanair, a TAP será obrigada a devolver o dinheiro que tiver recebido até lá.

Depois de várias rondas negociais, TAP e Estado chegaram a acordo e teve o caminho livre para a compra das participações sociais, direitos económicos e prestações acessórias de David Neeleman e da Azul, pagando 55 milhões de euros. Humberto Pedrosa mantém-se na companhia, com 22,5%. O negócio concretiza a posição de 72,5% do Estado na TAP.

O Governo aprovou em julho o empréstimo à TAP que pode chegar a 1.200 milhões de euros. A TAP já recebeu a primeira tranche de 250 milhões de euros da ajuda de Estado na sequência da assinatura do acordo e contrato de financiamento.

ZAP //

 

PARTILHAR

18 COMENTÁRIOS

  1. A RyanAir tem feito mais pelo nosso país do que este governo. Primeiro, trouxe milhares de novos turistas para Lisboa, Porto, Algarve. Agora vem tentar impedir que 1,2 mil milhões do nosso dinheiro seja estragado numa companhia que não tem salvação e cujo fim público ninguém lhe reconhece. Parabéns RyanAir!

    • LOL, Posso dizer-te isto, não fazes a minima ideia do que dizes.

      Quanto a apoios estatais, a Ryanair tem recebido mais que a TAP ao longo dos últimos anos, tanto do governo português (por intermedio de governos locais) como de outros governos europeus.

      Por ultimo, se a TAP falir ou terminar, o pais vai perder muito mais do que o dinheiro que injectou nos últimos 10 anos … o resto que se fala é pura política e não podia estar mais longe da verdade.

      • Desde que sejas feliz é o que interessa. Quanto ao resto, obviamente não és do setor, nunca trabalhaste no setor e só assim se pode compreender o teu comentário. Quando um dia trabalhares no setor da aviação perceberás o disparate e o ridículo do teu comentário. E não confundas apoios com pagamentos por passageiro. Logo aí demonstra que estás a anos luz de perceber o que quer que seja do assunto que procuras aqui abordar.
        Já agora pergunto-te qual é a utilidade pública da TAP. Dá-me alguns exemplos do belo serviço público prestado pela TAP. E não me venhas falar das comunidades portuguesas no estrangeiro porque se o fizeres a conversa acaba logo aí. Grande parte das nossas comunidades não viaja na TAP, porque é demasiado cara. Isso é um facto, não é uma opinião. Aguardo a resposta, muito provavelmente sentado.

        • Não vale apena ficar muito mais tempo sentado, trabalho no sector desde 3 de Agosto de 1993, estando ligado exclusivamente a serviços a varias companhias aéreas, como TAP, easyJet, Vueling, Iberia, Wizzair, United, Virgin Australia, etc.
          Ao longo deste tempo estive repatriado em vários países e desempenhei vários cargos de direção, estando directamente ligado ás companhias aéreas e ás suas administrações á mais de 15 anos.
          Será que lhe serve como credencias para falar do tema?
          Devido a NDAs assinados tenho de ter cuidado com o que escrevo sobre alguns temas, mas tenho bastante liberdade para debater o sector e o que é do conhecimento publico.

          Quanto ao valor estratégico da TAP, não importa as comunidades nem mesmo os aeroportos que servem. Outras companhias podem fazer o mesmo.
          O primeiro problema de Portugal, e falo dos saciedade e por danos colaterais do governo, é olhar apenas para o seu umbigo e maior parte das vezes nem pensar mais para a frente do que apenas o seu umbigo.
          Comecemos por decidir se queremos uma companhia que de lucro ou que seja de serviço estratégico e público. Não podemos ter as duas.
          Por exemplo, para mim, a TAP deveria servir para ligar Porto/Faro/Lisboa/ilhas (entre outros) com um mínimo de 2 voos por dia a cada rota e valores acessíveis ao povo português (talvez bilhete para cidadão nacional e a residir em Portugal, abrangendo também empresas do sector nacional ou de interesse nacional).
          Isso seria um serviço estratégico para Portugal, mas seria ruinoso do ponto de vista de gestão porque essas rotas seriam ruinosas, nunca teria aviões cheios nem pagaria o custo de os por no ar. (prejuízo)

          O valor estratégico da TAP para Portugal é ser portuguesa e os aviões estarem em Portugal (seja Porto, Lisboa, Madeira, etc …).
          Este simples facto que os aviões estão aqui gera milhares de emprego, inclusive a pessoas que nem sabem que o tem por causa da TAP, desde agricultura que produz para catering a serviços técnicos, manutenção, etc …
          Sao milhares de pessoas ligadas ao sector, não só aquelas que trabalham todos os dias no aeroporto, as ramificações dos serviços por causa da TAP são tantas que perderia aqui o dia a enumerar.
          Todos estes geram redução de peso no custo com desemprego, impostos diretos e indiretos, etc.
          Se a TAP desaparecer, vamos continuar a ir de ferias, vamos continuar a ter ligações com o resto do mundo, mas esses aviões são mantidos e abastecidos nos seus países de origem, toda essa teia de serviços desaparecia, desde a tripulação ao produtor.
          Os poucos sectores que escapam, seria a ANA, o sector de combustível, o handling e alguns mais (ou seja, todos aqueles que trabalham todo os dias no aeroporto)
          Enfim, ficaríamos aqui o dia todo a debater.

          Uma ultima nota, sabe que companhias low cost pagam menos taxas aeroportuárias e recebem apoios de algumas autarquias com base no turismo que injectam nas cidades, Em Lisboa não é o caso mas no porto e Madeira sim, Ryanair e Easyjet tem apoios como incentivo a voar a estes aeroportos.

      • Só banalidades e generalidades. Diga lá pf o que é que o país vai perder se a TAP desaparecer? Depois eu digo-lhe o que vai ganhar.

      • Mais um palerma! Ah, não… é o de sempre. Argumentos uma vez mais zero. As tradicionais palermices. Dessa cabeça não sai mesmo nada? Nem com um pouco de esforço?!
        Depois ainda são estes palermas que se vêm queixar do dinheiro que enterram anualmente na TAP… Olhem… vão brincar e deixem os adultos conversar!

        • Como se viu (além da previsível falácia do apelo à autoridade) ZERO foram exactamente teus argumentos!!
          Só um autêntico palerma compara uma empresa pirata como a Ryanair com a TAP (que só em Portugal tem mais de 10 mil funcionários)!…
          É urgente pôr esses mafiosos na ordem já que, além de não pagarem impostos, tratam os funcionários como escravos e os clientes como gado!!

    • Totalmente de acordo. O estado português devia extinguir a TAP e estabelecer contratos por passageiro com diversas transportadores para os destinos que nos interessa assegurar uma ligação (PALOP, Brasil, Canadá, EUA, França, Suíça…). Ficava-nos mais barato e teríamos um serviço melhor. Até porque atualmente, e como refere e bem, as comunidades portuguesas não voam na TAP.

  2. Na verdade a Ryanair tem feito muito pelo turismo em Portugal, também graças aos fundos que recebe das autoridades Portuguesas, e do Turismo. Verdade seja dita tem acrescentado uma grande estabilidade e reconhecimento aos seus empregados em solo nacional dando-lhes, vejam bem, a possibilidade de ganharem menos do que o SMN, se quiserem, pois caso contrario a ” porta é serventia da casa”. Sim temos de Agradecer á Ryanair, e á pequenez de muitos portugueses.

  3. Concordo com a Ryanair sob uma condição: Que também os apoios estatais na Alemanha etc etc sejam visados. Assim a UE irá receber um bolinho da própria massa. Viva o Liberalismo universal verdadeiro (e não o corporativismo nacionalista selectivo e encapuçado)!

  4. O governo alemão injectou dinheiro na Luftansa, será que a Ryanair também está a tentar comer desse bolo?
    A TAP que também voa na Alemanha devia receber apoios do governo alemão?
    A Ryanair vem falar de “mercado” depois de andar anos a voar a baixo do preço de custo para arrasar a concorrência?
    O governo irlandês que apoie a Ryanair…

  5. Parece que existe um complô para acabar com a TAP. Creio que é muito mais viável e justo salvar uma empresa centenaria como TAP do que empresinha low cost vagabunda como a Ryanair.

RESPONDER

Acordar uma hora mais cedo diminui (muito) o risco de depressão

Estudo envolveu mais de 800 mil pessoas. Risco de cair em depressão desce 23%. Um estudo recente indica que, se uma pessoa se levantar uma hora mais cedo do que o habitual, o risco de cair …

Adeptos no Dragão: acabou o "enorme vazio no coração do FC Porto"

O Estádio do Dragão vai voltar a ter pessoas nas bancadas em jogos do FC Porto, 17 meses depois. O regresso vai acontecer na estreia na I Liga, contra o Belenenses SAD, e o clube …

México planeia libertar milhares de reclusos idosos ou que foram torturados

O Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse nesta quinta-feira que vai libertar por decreto reclusos detidos em circunstâncias especiais, como os que foram torturados, os maiores de 75 anos e os que estão …

DGS recomenda vacinação de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades

A diretora-geral da Saúde anunciou, esta sexta-feira, que a DGS só recomenda, para já, a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. Numa conferência de imprensa realizada esta sexta-feira, Graça …

Onda de calor e seca podem agravar crise alimentar na Coreia do Norte

No início do verão, o líder norte-coreano Kim Jong Un descreveu a situação alimentar do país como "tensa", após o encerramento da fronteira causado pela pandemia e cheias devastadoras. No meio da estação, um ciclo …

Juiz negacionista chama "pedófilo" a Ferro Rodrigues. CSM admite novo processo disciplinar

O Presidente da Assembleia da República já reagiu ao vídeo do juiz negacionista em que este lhe chama "pedófilo", tendo alertado o Conselho Superior da Magistratura (CSM), que também já disse que os "novos factos …

Barragem do Pisão fica pronta em 2026 (e "demonstra bem o que pretende ser o PRR")

As obras de construção da barragem do Pisão, no concelho de Crato, distrito de Portalegre, cujo contrato de financiamento foi assinado esta sexta-feira, vão arrancar até 2023 para o empreendimento entrar em "pleno funcionamento" em …

Gonçalves Pereira diz que não é recandidato por "opção exclusiva da direção"

O vereador do CDS-PP na Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que não é recandidato nas próximas autárquicas por opção exclusiva da atual direção do partido, que foi contra os órgãos distritais e concelhios. "Este ano, …

Fraude de quatro milhões com IVA na alimentação. MP acusa 29 arguidos

Uma rede de empresas responsável por simular transações de produtos alimentares isentas de IVA foi desmantelada pelas autoridades e 29 arguidos foram acusados pelo Ministério Público (MP), devido a um esquema que permitiu obter reembolsos …

Nove anos de prisão para primeiro condenado ao abrigo da lei da segurança nacional em Hong Kong

O primeiro residente de Hong Kong condenado no âmbito da nova lei de segurança nacional foi sentenciado a nove anos de prisão, esta sexta-feira, por terrorismo e incitação à secessão. Os três juízes, escolhidos pela chefe …