Antonoaldo Neves quer receber mais para sair da TAP (mas Governo não paga “nem mais um cêntimo”)

António Cotrim / Lusa

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, intervem durante a apresentação dos resultados da empresa no ano de 2019, em Lisboa, 20 de fevereiro de 2020.ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Quando foi anunciado o acordo de saída de David Neeleman da TAP, o Governo anunciou também que Antonoaldo Neves, CEO da companhia, seria substituído. No entanto, ainda não se chegou um acordo para a saída.

O semanário Expresso relata este sábado que o Governo ainda não conseguiu fechar um acordo com o gestor brasileiro Antonoaldo Neves, CEO da TAP, para a sua saída da companhia aérea de bandeira portuguesa.

A TAP e o Estado chegaram a acordo no início de julho, ficando definido que o Estado aumentaria a sua quota na empresa e que o acionista privado David Neeleman deixaria a empresa, bem como a saída de Antonoaldo Neves, que tinha sido nomeado por Neeleman.

O Governo até já encontrou uma solução interina para a presidência executiva da TAP, tendo a escolha recaído sobre Ramiro Sequeira, Chief Operating Officer da companhia aérea. O Estado chegou a abordar David Pedrosa, administrador da empresa e filho do acionista Humberto Pedrosa, mas o gestor recusou.

No entanto, o impasse continua sobre a saída de Antonoaldo Neves continua. O CEO destituído, que não foi avisado previamente sobre a sua saída, exige mais dinheiro do que o Governo lhe quer pagar.

No entanto, o Governo quer travar essa exigência. “Nem mais um cêntimo”, disse uma fonte governamental, em declarações ao Expresso.

Em último caso, se Antonoaldo Neves não assinar o acordo de rescisão, será convocada uma assembleia-geral extraordinária para legitimar formalmente a sua destituição.

Depois de várias rondas negociais, TAP e Estado chegaram a acordo e teve o caminho livre para a compra das participações sociais, direitos económicos e prestações acessórias de David Neeleman e da Azul, pagando 55 milhões de euros. Humberto Pedrosa mantém-se na companhia, com 22,5%. O negócio concretiza a posição de 72,5% do Estado na TAP.

A Comissão Europeia aprovou em 10 de junho um “auxílio de emergência português” à TAP, um apoio estatal de até 1.200 milhões de euros para responder às “necessidades imediatas de liquidez” com condições predeterminadas para o seu reembolso.

O primeiro cheque do Estado à TAP chegou num valor de 250 milhões, montante que servirá fazer face ao pagamento de salários a trabalhadores e a compromissos com fornecedores.

ZAP //

 

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. 250 Milhoes para Pagar Salrios?!
    É por isto que a garotada da esquerdalhada quer os Socialismos / Marxismos, querem ter o EMprego e o Salario GARANTIDO para toda a vida!
    Os Portugueses que PAGUEM
    Cabroes do Alho, sem sem Vergonha, e sem escrupulos,
    é só “Avançar” e O Avante ajuda, bem como o Bacanal de Esterco
    Abram oslhos, esta gente anda a ROUBAR todos!

  2. eu continuo a perguntar e ninguém me responde: ter a TAP para quê ? só se for para manter os trabalhadores porque de resto é uma empresa que quer voar praticamente só a partir de Lisboa e ignora o resto do País. Já não bastava esta história da banca para termos outro elefante branco.

  3. “Pacta sunt servanda”. Se há um valor de compensação paguem e ponham o Sr. a andar. Se não há, aplique-se a lei e as normas que são válidaa para os demais gestores, conforme consta do Código do Trabalho.
    Em todo o caso, importante era re-nacionalizar a ANA, os CTT e a REN. TAP, EDP, CP, Metro de Lisboa e afins podem bem ser privadas…

      • Caro Carlos, de todo!
        A questão aqui é a soberania e o interesse estratégico.
        A minha visão é esta (claro que a tacharia é um problema mas, neste caso, não está na equação):
        1 – O que é que é estratégico para o país? Infra-estruturas: estradas, auto-estradas, linhas ferroviárias, portos e aeroportos, redes de telecomunicações, águas e saneamento, redes energéticas.
        2 – Devem estas infra-estruturas serem propriedade privada? Na minha opinião, não! Sem prejuízo de a sua gestão poder ser assegurada por privados através de contratos de concessão.
        3 – As empresas que comercializam energia (EDP, GALP, Endesa, Iberdrola, etc.), que utilizam redes de telecomunicações (Altice, Vodafone, NOS), que utilizam linhas férreas (CP, Metro, Fertagus, Medway), que utilizam portos e aeroportos (TAP, Ryanair, EasyJet, etc.), não têm de ser públicas, podendo bem, a sua propriedade, ser privada.
        Não sei se me fiz entender. O Estado deve ter a propriedade das infra-estruturas, até para poder definir e impor (se necessário) o interesse público. Não me preocupa que a EDP possa ser privada. Mas preocupa-me que a REN o seja. Preocupa-me que as redes móvel e fixa de telecomunicações sejam privadas, que os aeroportos sejam privados. Contrariamente, não fico escandalizado que a TAP seja privada, já o fico no caso dos CTT (e basta lembrar que até nos EUA, a USPS é pública).
        Vale o que vale, mas é a minha opinião.
        Abraço!

  4. Com o dinheiro que enterramos todos os anos na TAP, realizávamos contratos com operadoras aéreas para os destinos que pretendemos assegurar (PALOP, comunidades emigrantes…) e fechávamos esse buraco de uma vez por todas. Faziam leilão / concurso público de 5 anos, por exemplo, estabelecendo número mínimos de voos diários/semanais, horários, passageiros a transportar…

    • Mais um iluminado cheio de soluções quando, claramente, nem sequer faz ideia do que está a falar!…
      Todos os anos??
      Há muitos anos que o Estado não enterra um cêntimo na TAP!

RESPONDER

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …

EUA aprovam terceira dose da Pfizer para maiores de 65 anos e grupos de risco

A Food and Drugs Adminustration (FDA) anunciou, na noite de quarta-feira, ter dado luz verde à administração de uma terceira dose da vacina da Pfizer em alguns casos. O organismo que regula a comercialização de medicamentos …