Rio garante não haver compromissos com ninguém para candidaturas às autárquicas

Filipe Farinha / Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio, disse esta quarta-feira que até ao próximo dia 1 janeiro o partido não terá compromisso com “rigorosamente ninguém” para encabeçar candidaturas nas autárquicas de 2021, escusando-se a confirmar se o eurodeputado Paulo Rangel é uma hipótese para o Porto.

“Não tenho compromisso com rigorosamente ninguém, até porque eu próprio defini que, até ao dia 1 de janeiro, é zero [não há candidatos]. Outra coisa é eu tomar café com alguém e perguntar o que é que esse alguém acha para o seu concelho. Isso pode acontecer, mas é uma coisa completamente informal, não tem a ver com uma estratégia completamente montada”, disse.

Rio comentava uma notícia do Observador, divulgada na terça-feira, de que teria falado com o social-democrata Paulo Rangel sobre a hipótese de o eurodeputado avançar com uma candidatura à Câmara do Porto.

Segundo aquela publicação, ainda não há decisões tomadas, mas Rangel “sabe que terá lugar na corrida à Câmara do Porto se assim o quiser”.

Esta quarta-feira, Rio deixou claro que, tal como foi decidido pela Comissão Política Nacional do PSD, até ao dia 1 de janeiro “não há candidato a lado nenhum”, nem mesmo “à freguesia mais pequena”.

“Zero, zero. Isto tem de ter organização, tem de ter disciplina e tem de ter método. Até 1 de janeiro, zero. É zero do Porto, é zero de Lisboa, é zero de Vila Flor, é zero Miranda do Douro, é zero Vinhais, é zero Cuba do Alentejo, é zero tudo”, afirmou o presidente do PSD.

Explicando que a escolha dos candidatos implica uma “parte burocrática” que envolve concelhias, distritais e a direção nacional, Rio admitiu que tem na sua cabeça “naturalmente” nomes para as câmaras do Porto, Lisboa ou Coimbra, o que apenas quer dizer que são possíveis candidatos.

Terei na minha cabeça, mas não é quero A ou quero B ou quero C. Tenho na minha cabeça nomes possíveis para as câmaras mais relevantes politicamente”.

O líder do maior partido da oposição lembrou ainda que em janeiro há eleições presidenciais, pelo que este, entende, “não o melhor momento para andar a anunciar candidatos”.

“Em janeiro temos a campanha eleitoral para as eleições presidenciais, não me parece que seja o melhor momento para andar a anunciar candidatos, porque há concelhos onde praticamente só há um candidato. Janeiro ainda não me parece a melhor altura”, disse.

Falta de professores e alunos sem aulas

“Chegamos ao Natal, terminou o primeiro período, e há alunos que não tiveram uma única aula de determinada disciplina”, lamentou Rui Rio no final de um encontro com a Federação Nacional de Educação (FNE), acrescentando que tal põe em causa o futuro desses jovens e do país.

O presidente do PSD deixou ainda claro que a culpa não é da pandemia de covid-19, salientando que a falta de atratividade da profissão e o envelhecimento do corpo docente são problemas que afetam o ensino há vários anos.

“O ministro ora nega, ora diz que a culpa é da pandemia, mas a culpa não é da pandemia, ela pode ter um nível de responsabilidade qualquer, mas a verdade é que isto já se arrasta para trás. E arrasta-se em larga medida pela falta de professores que já se faz notar”, rematou, acrescentando que “é gravíssimo em termos do desenvolvimento do país”.

Para o social-democrata, esta situação “dramática” carece de uma resposta urgente, sob pena de se tornar insustentável a curto prazo.

“Há perante nós um problema que já devia estar resolvido e que tem de ser resolvido porque a breve prazo ele é insustentável”, disse.

Lamentando a postura adotada pelo ministro no debate parlamentar de urgência pedido pelo PSD sobre educação, o líder do maior partido da oposição assinalou a precariedade como uma das causas para a falta de atratividade da profissão de docente que enfrenta ainda um problema de envelhecimento. De acordo com o social-democrata até 2030, 80% dos docentes vão reformar-se.

“Se se oferece a alguém um horário relativamente reduzido para ele se deslocar a não sei quantos quilómetros de sua casa, não vou dizer que paga para trabalhar, mas anda lá perto disso”, acrescentou, salientando que assim é difícil atrair pessoas para a carreira de docente que é “absolutamente estratégica” para o país.

Assinalando a distorção entre classes profissionais no país, Rio recordou que o Governo decidiu aumentar juízes e procuradores da República, quando “um professor no topo da carreira, e são muito poucos que lá chegam, ganha praticamente o mesmo, senão menos “do que um juiz que inicia a carreira”.

“Nós não fazemos demagogia. Resolver o problema demora muitos anos. Um problema que se acumula durante anos e anos, não fica resolvido num espaço de doze meses nem em 24 meses, mas quanto mais depressa melhor e tudo começa, na minha opinião pela dignificação da função de professor, seja em que nível for mais, particularmente, no ensino básico e secundário”, rematou.

Rui Rio reuniu, no Porto, com o secretário-geral da FNE, José Dias da Silva, que alertou para a necessidade de valorização da carreira docente.

Sem essa valorização, a FNE considera que não haverá jovens a prosseguir a carreira de docente, pelo que tudo deve ser feito no sentido de garantir a atratividade da profissão

“É preciso tomar medidas, não podemos ficar à espera de 2030 para ficar sem professores”, afirmou.

Encerramento da refinaria é “ambientalmente positivo”

Rui Rio considerou ainda “ambientalmente positivo” para a região Norte o anunciado encerramento da refinaria da Galp de Matosinhos, defendendo que no futuro reconversões como estas serão permanentes nas economias nacional e mundial.

“À partida, é ambientalmente positivo para esta região do país”, observou.

Salientando não ter ainda informação suficiente para dar uma opinião balizada sobre o assunto, o líder social-democrata, que falava à margem do encontro com a FNE, indicou que situações como esta se vão repetir no futuro com a transformação tecnológica da sociedade.

“No presente e no futuro, nós vamos ter permanentemente na economia nacional e mundial situações destas de permanentes reconversões. Há muitas profissões que hoje em dia existem e que vão acabar, há muitas profissões que existiam quando era miúdo e hoje já não existem e no futuro vão ser criadas muitas profissões que ainda nem imaginamos o que são”, disse.

Reiterando que, ambientalmente, a decisão da Galp é positiva, Rui Rio considerou que, em termos sociais, é necessário acompanhar a evolução da situação, realçando, contudo, que é preciso haver dinamismo económico na região para absorver os empregos perdidos com esta transformação.

“À partida, a Galp ter como intenção fechar algo que ambientalmente não está bem, é positivo. Não podemos ver mal em tudo. Temos é depois de ver a forma como tudo isso vai ser feito para poder ter uma opinião avalizada, mas à partida a notícia não é má, se for tudo bem feito. A questão social com certeza, como tudo na vida, vamos ter de reparar e de acompanhar”, rematou.

A Galp anunciou, na segunda-feira, que vai concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos a partir do próximo ano. Em causa estão 500 postos de trabalho diretos e mil indiretos.

Sofia Teixeira Santos Sofia Teixeira Santos, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …