Rio chumba “novo imposto” de Proteção Civil (e avisa que o PSD não é um “albergue espanhol”)

PSD / Flickr

O presidente do PSD, Rui Rio

O líder do PSD anunciou neste domingo, na Póvoa de Varzim, seis medidas para o Orçamento do Estado de 2019 e a primeira passa por acabar com “a taxa de Proteção Civil”, que considera ser “um novo imposto”.

“É um imperativo nacional parar com um novo imposto“, declarou Rui Rio, durante o discurso de encerramento no XIV Congresso Nacional de Trabalhadores Social-Democratas (TSD), que decorreu esta manhã e início de tarde na Póvoa de Varzim.

No discurso de 38 minutos, Rui Rio afirmou que o PSD vai apresentar “várias propostas em sede do debate do OE de 2019 e destacou seis propostas, sendo a primeira votar contra a taxa de Proteção Civil que o Governo de António Costa quer aplicar em 2019.

“Temos a maior carga fiscal de sempre em Portugal (…), mas apesar disso o Governo não está contente e propõe através do orçamento a criação de mais um imposto, um imposto a que chama taxa de proteção civil mas que na prática é um imposto. (…) Não pode ser. Há um momento de dizer basta”, disse Rui Rio.

“O desafio que eu faço a todos os grupos parlamentares é que tenham a coragem de agora, na votação da especialidade do orçamento chumbarem claramente a criação deste novo imposto”, continuou o líder do PSD.

Rio contra redução das propinas

A segunda medida que o líder social-democrata anunciou é que o PSD vai “votar contra” a redução do preço das propinas no ensino superior e defender que esse dinheiro seja para construir residências universitárias.

“Pode não ser muito popular isto que estou a dizer, mas nós temos de ser justos e frontais e se o Governo entende que há folga para baixar as propinas, então nós, no debate do Orçamento vamos contra essa baixa e, em paralelo, vamos apresentar uma proposta para que esse dinheiro seja para apoio da construção de residências universitárias, que é um problema sério dos estudantes em Portugal”, comentou.

Ainda na área da Educação, o Governo propõe que os manuais escolares sejam gratuitos para todos, mas Rui Rio disse que se é para todos é para todos mesmo, incluindo os que “andam no ensino privado”.

“Se há pais que fazem um enorme sacrifício para ter um enorme sacrifício para ter os filhos no ensino privado, também há muitos que os podiam lá ter e têm os filhos no ensino público. Esses que têm uma situação económica e social agradável vão passar a receber de borla e aqueles que fazem o sacrifício para ter os filhos no privado não receberiam, portanto, ou é para todos os que precisam ou se é para todos é mesmo para todos, independentemente de andar no público ou no ensino privado”, sustentou.

A quarta medida que o líder do PSD elegeu para destacar na Póvoa de Varzim é a dos passes sociais. “Fui oito anos presidente da Junta Metropolitana do Porto, naturalmente que defendia que os passes sociais fossem bem mais baratos no Porto, mas hoje não, sou presidente de um partido que tem de olhar para todo o país como um todo”, disse.

“E se há efetivamente verba para que os passes sociais possam ser mais baratos, não é só em Lisboa e no Porto. Ou é no país todo ou não faz sentido nenhum”.

A quinta medida anunciada por Rio tem a ver com o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) não ter baixado, ao contrário da “promessa do Governo”.

“O PSD vai confrontar o Governo com essa promessa e vai em sede de Orçamento fazer uma proposta colocando o ISP no mesmo patamar em que estava em 2016, quando eles disseram que desceriam se o petróleo subisse”, declarou, recordando que o “petróleo subiu”, mas que a “promessa ficou na gaveta”.

A última das seis medidas que Rio anunciou tem a ver com os benefícios fiscais prometidos aos emigrantes portugueses que saíram do país por altura da troika e que queiram regressar.

“Se o Governo quer dar esses benefícios fiscais, então vamos ser sérios. Porque é que não devem ser dados também àqueles que entretanto emigraram por força do Partido Socialista e só em 2016 foram mais de 100 mil portugueses que emigraram”, disse.

PSD não é um “albergue espanhol onde cabe tudo”

No discurso de encerramento no XIV Congresso Nacional de TSD, Rui avisou ainda que um partido político “não é um albergue espanhol onde cabe tudo”, lamentando que a lealdade pareça ser um “bem escasso” e relembrando que a génese do PSD são os trabalhadores.

“Um partido político, como eu costumo dizer, não é um albergue espanhol onde cabe tudo. Num partido político cabem aqueles que se identificam com os nossos valores e com os nossos princípios e por isso é que há partidos distintos, com visões distintas”, disse.

Na sua intervenção, que se prolongou por cerca de 40 minutos, Rio declarou que as pessoas devem militar no partido com que mais se identifiquem, sublinhando que no Partido Social Democrata “não são liberais, nem são socialistas” e que “direitos dos trabalhadores têm de ser sempre respeitados.

“O capital é importante, mas o trabalho também é. O capital é importante, mas tem de ter regras, mas os direitos dos trabalhadores têm de ser sempre respeitados, porque o trabalho tem de ser motivo de libertação, de realização e de felicidade para as pessoas”.

Durante o seu discurso, onde fez questão de saudar “o amigo” e “companheiro” Aires Pereira, presidente da Câmara da Póvoa de Varzim, o líder do PSD fez questão de avisar que o que ia dizer a seguir podia levar a muitas críticas, mas fez questão de partilhar uma “convicção”.

Ainda durante o seu discurso, Rio fez questão de frisar a “lealdade” de Pedro Roque, reeleito hoje naquele congresso, secretário-geral dos TSD, reconhecendo que se trata de um elogio para destacar o que parece ser “bem bastante escasso”.

“O meu testemunho que venho deixar é que a lealdade do Pedro Roque (…) está sempre presente. E isto não devia ser um elogio, mas nos dias que correm temos de elogiar a lealdade, porque é um bem que parece bastante escasso”.

Na primeira ocasião em que esteve presente no TSD como presidente do PSD, Rui Rio deixou também uma saudação especial “a todos os militantes dos TSD”, e a “todos os trabalhadores portugueses”, porque, disse, “são os primeiros obreiros da riqueza nacional”.

“A génese do Partido Social-Democrata está justamente nos trabalhadores. Eu tenho vindo ao longo destes meses a referenciar a minha preocupação com aquilo que é o afastamento dos partidos e a sociedade”, declarou, assumindo que tem tentando fazer essa “reaproximação”, rematou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …