Reunião com motoristas termina sem acordo. Há troca de acusações e nova greve marcada

António Pedro Santos / Lusa

Falhou esta terça-feira o acordo para iniciar um processo de mediação entre Antram, que representa as empresas, e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). A nova greve começa a 7 de setembro e termina no dia 22.

A Antram acusou, esta terça-feira, o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) de não estar disposto a chegar a acordo com os patrões, rejeitando a mediação do Governo no processo. Do lado dos motoristas, acusa-se a associação dos patrões de falta de disponibilidade para a negociação.

O porta-voz da Antram, André Matias de Almeida, disse à saída do Ministério das Infraestruturas que “não há mediação por culpa do sindicato dos motoristas”, que pretende impor condições à partida. O representante das empresas falava aos jornalistas no final de uma ronda de reuniões com o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas e o Governo.

“O sindicato quer impor à cabeça o resultado da mediação”, acusa o advogado André Matias de Almeida. Os representantes dos motoristas queriam aumentos superiores ao negociado com a Fectrans, disse o porta-voz da Antram.

Já o advogado do SNMMP, Pardal Henriques, diz que “a Antram não quis evitar uma possível greve por 50 euros“, além dos 125 euros já acordados com a federação de sindicatos, Fectrans, para o subsídio de operações, relativo ao risco de manuseamento de matérias perigosas, e trabalho noturno.

O porta-voz adianta que as formas de luta vão ser anunciadas já esta quarta-feira. Em cima da mesa pode estar um boicote ao trabalho extraordinário.

De acordo com Pardal Henriques, o sindicato impôs duas balizas para a mediação acontecer: que as horas extraordinárias além das 48 horas semanais sejam pagas aos motoristas, assim como um subsídio de 175 euros para o manuseamento de matérias perigosas.

Em entrevista à SIC Notícias, após a reunião, Pardal Henriques antecipou que esta quarta-feira será discutida pela direção do sindicato a data para uma nova greve às horas extraordinárias. O pré-aviso apontará para uma greve às horas extraordinárias dentro de duas semanas, “não por tempo indeterminado, mas com tempo definido”, reconheceu o porta-voz do sindicato.

A paralisação começa no dia 7 de setembro e termina no dia 22 – ou seja, dura até à véspera do início do período oficial de campanha para as legislativas.

No final da ronda de reuniões, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, deixou críticas ao sindicato por querer impor condições para negociar com os patrões. “Uma das partes quis definir resultados antes da mediação se iniciar. Não é assim que se faz uma mediação”, disse Pedro Nuno Santos.

O ministro afirma que desde abril que o Governo tem tentado mediar o conflito, admite que não esperava este desfecho e que não consegue explicar a posição do SNMMP. Pedro Nuno Santos afirma que um processo de mediação livre de pré-condições “não é impossível” e deu o exemplo dos entendimentos alcançados entre a Antram e outros dois sindicatos: a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM).

O ministro das Infraestruturas espera que não aconteça uma nova paralisação dos motoristas de matérias perigosas e sublinha que, em quatro meses, seria o quarta pré-aviso de greve.

Minutos antes, à chegada ao Ministério das Infraestruturas, o porta-voz da Antram, André Matias de Almeida, estava otimista e disse aos jornalistas que esperava assinar um acordo de mediação.

Portugal deixou de estar em crise energética, devido à greve de motoristas de pesados, desde as 00h00 desta terça-feira, acabando os limites ao abastecimento de combustível. O Governo aprovou na segunda-feira, em reunião eletrónica do Conselho de Ministros, o fim da crise energética declarada há 10 dias devido à greve de motoristas de pesados, a partir das 23h59 desse dia. No domingo, SNMMP decidiu, em plenário, desconvocar a greve, que se iniciou no dia 12.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas (SIMM), mas este último desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Greve para pagamento de horas extraordinárias?
    Todos temos conhecimento de que são efetuadas, creio que já se falou em horas pagas por fora, sem qualquer desmentido da Antram.
    ACT, AT e S. S, já devem estar no terreno.

    Esta greve apenas beneficia a Antram que vê a entrega de combustíveis ser efetuada sem ter que pagar um tostão em ordenados ou por fora, é efetuada recorrendo á requisição civil, paga por todos nós.

    Não se compreende porque o estado coloca as autoridades a trabalhar de forma gratuita para esta empresa.
    Claro que enquanto se mantiver este cenário a Antram nem vai querer falar com o sindicato, interessa-lhe que se mantenha a greve para que o serviço seja efetuado pelo estado de forma gratuita, enchendo desta forma os cofres da Antram.

    Os Portugueses hipnotizados já à muito, não conseguem perceber o que se passa.

    Porque razão a reunião foi efetuada apenas com a Antram? Não acredito que o estado nessa reunião garantisse à Antram que com a continuidade da greve o serviço lhes seria efetuado de borla, recorrendo à requisição civil.

  2. Solução…..1º- A ANTRAM, que aumente o salário base e reduza os subsídios e contrate mais profissionais para laborar 24h/24h, assim fica tudo legal.
    2º- O Sr. Pardal que me peça a Lua que eu dou-lha !

  3. Realmente o comentário do CA tem toda a lógica! Afinal de contas somos todos uns “palhaços” sem sabermos exactamente o que se passa e o que está por detrás de tudo isto!
    É evidente que nem o André nem o Pardal estão propriamente preocupados com os patrões ou com os motoristas. Fazem o seu papel auto-promocional, têm a sua própria agenda, tornaram-se figuras públicas, e os principais lesados em tudo isto acabam por ser os motoristas!
    Nem vou discutir se os motoristas têm, ou não, razão. Já ninguém sabe muito bem quais são as suas verdadeiras razões, nem exactamente quais são as suas reinvindicações! Fala-se em riscos de manuseamento de matérias perigosas!!! Mas afinal qual é o risco real?? Quantos acidentes há por ano com motoristas de matérias perigosas?
    Querem receber mais dinheiro? E estão dispostos a descontar mais, o que significa receber menos?
    Que os patrões estão a lucrar com estas greves também é óbvio!!
    E afinal as greves servem para quê??? Para criar dificuldades aos empregadores ou para incomodar toda a gente? Para promover alguns indivíduos?
    E no fim há duas coisas que me parecem óbvias: 1) O André, com ou sem agenda pessoal, vai levando a água ao seu moinho! 2) O Pardal, como qualquer pássaro que se preza, só faz porcaria, prejudica os motoristas, e eles… deixam!!!

  4. As negociações e as greves deste sindicato, relativamente aos outros 2 que já assinaram, -não sei porquê- fazem-me lembrar a imagem de um primata encerrado na sua torre de marfim assistindo ao confronto entre as vespas asiáticas e as abelhas… Porque será?

  5. Finalmente, esta noite num canal de comunicação social perguntaram a um dos comentadores , será isto um problema de fiscalização, ACT, AT, SS, o comentador respondeu , não sei, não sou autoridade isso cabe ás autoridades.
    Outro dos comentadores respondeu em toda as empresas os trabalhadores fazem horas a mais sem serem remunerados, incluído neste canal de TV.
    Não sei o que se passa, será que isto é real?
    As autoridades não vêm estas noticias? isto são denuncias e não são anónimas.
    Greve? recusar trabalhar depois do horário de trabalho, recusar trabalhar sem receber?
    Porque nenhum órgão de comunicação social pergunta ao Sr. ministro, se depois de tantas denuncias de pagamentos por baixo da mesa, horas extraordinárias sem serem remuneradas, as autoridades vão tomar medidas.
    Concordo co o sr. NunoR, a auto promoção deste Sr. é uma realidade e o aproveitamento politico vergonhoso!
    Que o estado já prestou e está preparado para prestar serviços de borla para a Antran é outra realidade, que as autoridades não vão fazer nada em relação a esta empresa é outra.
    Apenas sei que os portugueses já estão a pagar e vão continuar a pagar.
    Também não sei quem têm razão motoristas ou patrões.
    Mas sabemos todos quem já saiu a ganhar com tudo isto.

Responder a NunoR Cancelar resposta

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …