Reino Unido quer vacinar adultos até ao outono e Itália 6 milhões até março. Israel já vacinou 72% da população com mais de 60 anos

O Reino Unido, cujo serviço nacional de saúde se encontra sob forte pressão, pretende vacinar contra a covid-19 toda a população adulta até ao outono, disse este domingo o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock.

“É claro que começamos com os mais vulneráveis”, mas “todo o adulto receberá uma vacina até ao outono”, disse o ministro, em declarações à BBC, citadas pela agência France Presse (AFP).

A Associated Press avança, por seu lado, que milhares de pessoas com mais de 80 anos estão a ser contactadas para tomarem a vacina contra o novo coronavírus, com o Reino Unido a tentar cumprir o objetivo de vacinar 15 milhões de pessoas até meados de fevereiro.

Com 80.868 mortes, o Reino Unido é o país europeu como maior número de óbitos por covid-19.

Os últimos dados oficiais indicam que o índice de transmissibilidade efetivo (Rt) no Reino Unido aumentou para entre 1.1 e 1.4 e, na quinta-feira, estavam internadas nos hospitais 32.294 pessoas infetadas, 3.089 em unidades de cuidados intensivos.

Desde 23 de março de 2020, mais de 305 mil pessoas já estiveram internadas no Reino Unido devido à covid-19.

Na sexta-feira, o Reino Unido registou os valores mais altos de mortes e de novos casos desde o início da pandemia: 1.325 óbitos e 68.053 novos casos de contágio

Também na sexta-feira, o presidente da Câmara Municipal de Londres, Sadiq Khan, admitiu que a situação “é crítica, com o vírus a espalhar-se fora de controlo”.

“A realidade é que vamos ficar sem camas para pacientes nas próximas duas semanas se a propagação do vírus não diminuir drasticamente”, advertiu o autarca, indicando que o número de casos em Londres ultrapassou os mil por 100 mil habitantes, uma das taxas mais elevadas no país.

A situação levou o Governo a reforçar o confinamento, tendo decidido encerrar as escolas até, pelo menos, meados de fevereiro, e cancelar os exames, incluindo os de acesso ao ensino superior.

Itália quer vacinar seis milhões de pessoas até final de março

Itália, por sua vez, quer vacinar seis milhões de pessoas até ao fim de março, afirmou este domingo o comissário italiano para a pandemia de covid-19, Domenico Arcuri.

O comissário está confiante de que as 60 milhões de doses das vacinas das farmacêuticas Pfizer e Moderna, atribuídas pela União Europeia (UE) a Itália, vão permitir vacinar seis milhões de pessoas nos primeiros três meses do ano e chegar até 30 milhões de pessoas (metade da população do país) no final de 2021.

De acordo com os mais recentes dados oficiais, desde o início da campanha de vacinação em 27 de dezembro, Itália já administrou a primeira dose da vacina contra a covid-19 a quase 590 mil pessoas, colocando este país no primeiro lugar de número de vacinados entre os membros da UE e quarto a nível mundial.

A Campânia, com capital em Nápoles, é a região que tem usado mais rapidamente as suas doses, com cerca de 90% das suas vacinas já administradas, seguida pela Úmbria, Toscana e Véneto, com cerca de 80%, e Lazio, Emilia Romagna e outras, com mais de 70%.

Na cauda da aplicação de vacinas estão a Lombardia, uma das regiões mais atingidas pela pandemia, que administrou apenas 38% de suas doses, e a Calábria, que usou 39,3%.

Segundo os números oficiais de sábado, Itália registou 19.978 novos casos de coronavírus e 483 mortes nas últimas 24 horas.

Israel já vacinou 72% da população com mais de 60 anos

De acordo com o jornal Público, a campanha de vacinação israelita, iniciada a 19 de Dezembro e que se tornou na mais rápida do mundo em termos per capita, começou este domingo a reforçar o efeito da vacina da Pfizer com a injeção da segunda dose para proteger os mais vulneráveis e diminuir as restrições à economia.

Os indivíduos com mais de 60 anos que tenham problemas de saúde e as equipas médicas, escolhidos como os primeiros a ser vacinados, voltam agora, três semanas depois para a inoculação da dose final de reforço.
“Isto muda tudo”, afirmou Guy Choshen, diretor da ala de covid-19 do Hospital Ichilov, de Telavive, que já recebeu a segunda injeção.
“Estou muito contente por já ter superado isso [e] ansioso para que toda esta epidemia acabe”, acrescentou.

O Ministério da Saúde de Israel disse que 19,5% da população já foi vacinada, incluindo 72% dos cidadãos com mais de 60 anos. Os idosos retardatários serão admitidos para a primeira dose, afirmam as autoridades, mas todas as outras estão reservadas para o reforço da vacina.

A expectativa é que em meados de Março cerca de 5 dos 9 milhões de habitantes do país tenham sido vacinados.

O ritmo de vacinação de Israel é de longe o mais rápido do mundo, de acordo com o Our World in Data, que é dirigido pela organização de pesquisa Oxford Martin School.

Em segundo lugar estão os Emirados Árabes Unidos, que até domingo tinham inoculado 10% da população, seguindo-se o Bahrein (5%) e os Estados Unidos (2%).
A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.926.570 mortos resultantes de mais de 89 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bastonário dos Médicos considera direção executiva do SNS "um disparate"

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que a criação da direção executiva do Serviço Nacional de Saúde, proposta no Estatuto do SNS aprovado esta quinta-feira, é "um disparate" e que há estruturas que podem …

João Leão no Parlamento: "A alternativa é um Orçamento apresentado pelo PSD"

O ministro das Finanças afirmou, esta sexta-feira, na Assembleia da República, que a alternativa à viabilização à esquerda da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) é um Orçamento feito pelo PSD. "A alternativa que …

Mais de 30 mil mulheres polacas recorreram a métodos de aborto ilegais ou no estrangeiro desde a alteração na lei

Proibição à interrupção voluntária da gravidez entrou em vigor no início deste ano e as  exceções só se aplicam a casos de violações, incestos ou quando a saúde da mãe está em risco. Pelo menos 34 …

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …

Luis Díaz será a prioridade do Newcastle

Valor de mercado será agora inacessível para os clubes italianos, escreve-se... em Itália. O novo Newcastle deverá atacar o mercado do futebol com estrondo, possivelmente já daqui a pouco mais de dois meses, e a prioridade …

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …

Bloco diz que as suas nove propostas foram rejeitadas. Governo aponta avanços em sete

O Bloco considerou, esta sexta-feira, que o Governo recusou as suas nove propostas para chegar a acordo no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). O Executivo, por sua vez, considera que há avanços negociais em …

Comissão de inquérito ao Novo Banco. PSD frisa "maioria popular", PS queixa-se de "partidarite"

Os partidos apreciaram, esta sexta-feira, o relatório final da comissão de inquérito ao Novo Banco, aprovado em julho, com o PSD a destacar a "maioria popular" nas conclusões e o PS a criticar a "partidarite" …

"Falta de respeito". Patrões abandonam Concertação Social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …