Rahaf foi salva depois de um apelo nas redes sociais. Agora, quer lutar pela libertação das mulheres

Rahaf Mohammed Al Qunun, a jovem que se refugiou no Canadá depois de fugir da sua família, quer dedicar-se à luta pela libertação das mulheres em todo o mundo.

Numa aparição pública em Toronto, e em frente à bandeira canadiana na sede da Costi (a ONG de apoio a refugiados e que se encarregou de a acomodar), a jovem saudita declarou que “hoje e nos próximos anos, vou trabalhar em apoio à libertação das mulheres no mundo, pela mesma liberdade que senti ao chegar ao Canadá”.

Para a jovem saudita, fugir da sua família e do seu país “valeu a pena” e espera que o seu exemplo traga atenção para a condição das mulheres na Arábia Saudita.

O caso de Rahaf teve atenção mediática internacional quando a jovem viu negada a entrada na Tailândia, onde tentou fazer escala e seguir viagem para a Austrália, país para o qual tinha um visto turístico de três meses e onde disse procurar asilo.

Para evitar a sua detenção, a saudita barricou-se num quarto de hotel tailandês para impedir que os agentes de imigração a colocassem num avião, de forma a ser devolvida à sua família e transportada para a Arábia Saudita.

Barricada, Rahaf tomou de assalto as redes sociais para alertar a comunidade internacional e para pedir socorro ao Alto Comissariado das Nações Unidas (Acnur), que acedeu à sua solicitação.

As autoridades tailandesas acabaram por renunciaram à ideia de deportá-la e a organização facilitou a sua viagem para o Canadá, país que lhe concedeu asilo. Desde sábado, que a jovem iniciou uma nova vida em Toronto.

A minha família não me tratou respeitosamente e não me permitiu ser eu mesma, nem quem eu queria ser. Na Arábia Saudita, é o mesmo para todas as mulheres, salvo para as que têm pais compreensivos”, afirmou a jovem, citada pela Sapo24.

Considerando-se “uma das afortunadas”, a jovem denunciou a falta de liberdade das mulheres naquele país, que são “tratadas como escravas“. “Não são independentes e precisam da aprovação do seu guardião (pai, marido ou outro parente) para tudo.”

Na balança, Rahaf chegou a colocar a hipótese de se suicidar. “Fiquei trancada durante seis meses, porque cortei o cabelo”, explicou, acrescentando que sofria regularmente “violência física” por parte do irmão e da mãe.

Já no Canadá, a jovem saudita recebeu uma carta da família, informando-a de que tinha sido renegada como filha. Por este motivo, a adolescente pediu para ser chamada apenas de Rahaf Mohammed e, assim, eliminar o seu apelido.

Agora, iniciando a sua nova vida, a jovem quer aprender inglês e encontrar um emprego no Canadá. “Quero ser independente, tomar as minhas próprias decisões e decidir eu mesma se um dia me caso e com quem.”

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …

Quase cinco meses depois, a Champions está de volta

A Liga dos Campeões é retomada esta sexta-feira, quase cinco meses depois da suspensão devido à pandemia de covid-19. Suspensa logo depois do jogo Leipzig-Tottenham, disputado a 11 de março, a prova milionária está de regresso …