Rahaf foi salva depois de um apelo nas redes sociais. Agora, quer lutar pela libertação das mulheres

Rahaf Mohammed Al Qunun, a jovem que se refugiou no Canadá depois de fugir da sua família, quer dedicar-se à luta pela libertação das mulheres em todo o mundo.

Numa aparição pública em Toronto, e em frente à bandeira canadiana na sede da Costi (a ONG de apoio a refugiados e que se encarregou de a acomodar), a jovem saudita declarou que “hoje e nos próximos anos, vou trabalhar em apoio à libertação das mulheres no mundo, pela mesma liberdade que senti ao chegar ao Canadá”.

Para a jovem saudita, fugir da sua família e do seu país “valeu a pena” e espera que o seu exemplo traga atenção para a condição das mulheres na Arábia Saudita.

O caso de Rahaf teve atenção mediática internacional quando a jovem viu negada a entrada na Tailândia, onde tentou fazer escala e seguir viagem para a Austrália, país para o qual tinha um visto turístico de três meses e onde disse procurar asilo.

Para evitar a sua detenção, a saudita barricou-se num quarto de hotel tailandês para impedir que os agentes de imigração a colocassem num avião, de forma a ser devolvida à sua família e transportada para a Arábia Saudita.

Barricada, Rahaf tomou de assalto as redes sociais para alertar a comunidade internacional e para pedir socorro ao Alto Comissariado das Nações Unidas (Acnur), que acedeu à sua solicitação.

As autoridades tailandesas acabaram por renunciaram à ideia de deportá-la e a organização facilitou a sua viagem para o Canadá, país que lhe concedeu asilo. Desde sábado, que a jovem iniciou uma nova vida em Toronto.

A minha família não me tratou respeitosamente e não me permitiu ser eu mesma, nem quem eu queria ser. Na Arábia Saudita, é o mesmo para todas as mulheres, salvo para as que têm pais compreensivos”, afirmou a jovem, citada pela Sapo24.

Considerando-se “uma das afortunadas”, a jovem denunciou a falta de liberdade das mulheres naquele país, que são “tratadas como escravas“. “Não são independentes e precisam da aprovação do seu guardião (pai, marido ou outro parente) para tudo.”

Na balança, Rahaf chegou a colocar a hipótese de se suicidar. “Fiquei trancada durante seis meses, porque cortei o cabelo”, explicou, acrescentando que sofria regularmente “violência física” por parte do irmão e da mãe.

Já no Canadá, a jovem saudita recebeu uma carta da família, informando-a de que tinha sido renegada como filha. Por este motivo, a adolescente pediu para ser chamada apenas de Rahaf Mohammed e, assim, eliminar o seu apelido.

Agora, iniciando a sua nova vida, a jovem quer aprender inglês e encontrar um emprego no Canadá. “Quero ser independente, tomar as minhas próprias decisões e decidir eu mesma se um dia me caso e com quem.”

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …

"Um erro desculpável". Governante sem castigo após violar a Lei no caso dos mirtilos

O Tribunal Constitucional decidiu arquivar o caso das incompatibilidades envolvendo o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que, durante dois anos, acumulou o cargo com a função de gerente numa empresa …

Erros em perguntas de exame obrigam a mudar notas de médicos estrangeiros

O exame feito por médicos estrangeiros para ter equivalência ao curso de Medicina em Portugal teve neste ano mais de 700 candidatos, a esmagadora maioria brasileiros. É uma procura histórica, admitem médicos e serviços académicos, por …