“Racismo cultural”. Com França e Turquia em rota de colisão, Charlie Hebdo publica caricatura de Erdogan

(dr) Charlie Hebdo

Numa altura em que França e Turquia estão em rota de colisão, a publicação satírica Charlie Hebdo colocou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan na capa a levantar as vestes de uma mulher.

De acordo com o Diário de Notícias, o título principal da capa da edição desta semana do jornal satírico francês Charlie Hebdo é rdogan – No privado, ele é muito divertido”.

O cartoon, que foi esta terça-feira divulgado na Internet, mostra Erdogan sentado num sofá, de t-shirt e de roupa interior, com uma bebida de lata numa mão. Com a outra mão, o líder turco está a levantar a saia de uma mulher com véu, que não usa roupa interior. “Ouhh. O profeta”, diz o presidente turco na caricatura.

Os traços desenhados apontam para dois alvos: o fundamentalismo religioso e o autoritarismo político.

https://twitter.com/Charlie_Hebdo_/status/1321134572105572352

A Turquia condenou a caricatura de Erdogan, acusando o título satírico francês de “racismo cultural”.

“Condenamos este esforço absolutamente desprezível desta publicação para espalhar o seu racismo cultural e ódio“, escreveu o principal assessor de imprensa do chefe de Estado turco, Fahrettin Altun, na rede social Twitter. O representante associou a publicação deste cartoon ao “programa anti-muçulmano do Presidente francês Macron”, numa referência ao recente plano de ação das autoridades francesas contra o “separatismo islâmico”.

Outros responsáveis turcos atacaram a revista satírica francesa Charlie Hebdo por causa da sua capa de banda desenhada e acusaram-no de semear “as sementes do ódio e da animosidade”.

“Condenamos veementemente a publicação relativa ao nosso Presidente na revista francesa, que não respeita a fé, o sagrado e os valores“, escreveu o porta-voz de Erdogan, Ibrahim Kalin, no Twitter. “O objetivo destas publicações, que são desprovidas de moralidade e decência, é semear sementes de ódio e animosidade. Transformar a liberdade de expressão em hostilidade para com a religião e a crença só pode ser o produto de uma mentalidade doentia”.

Também vice-presidente turco, Fuat Oktay, utilizou as redes sociais para criticar o cartoon: “Condeno a publicação imoral deste incorrigível pano francês sobre o nosso presidente”. “Apelo à comunidade internacional moral e conscienciosa para que se pronuncie contra esta vergonha”, escreveu.

A publicação deste cartoon surge num momento de alta tensão entre o Presidente Emmanuel Macron e o seu homólogo turco.

A “guerra de palavras” entre França e Turquia começou com a morte do professor Samuel Paty, na semana passada, decapitado perto da escola onde tinha dado uma aula sobre liberdade de expressão e mostrou caricaturas do profeta Maomé.

O presidente francês condenou o crime, defendeu a ação do professor e prometeu uma maior vigilância sobre grupos islamitas.

Erdogan questionou recentemente a “saúde mental” de Macron devido à atitude deste em relação aos muçulmanos, declarações que levaram a França a chamar a Paris o seu embaixador na Turquia “para consultas”.

Antes, Erdogan já tinha considerado uma provocação as declarações de Macron sobre o “separatismo islamita” e a necessidade de “estruturar o islão” em França.

Entretanto, na segunda-feira, Recep Tayyip Erdogan fez um apelo aos cidadãos turcos para que não comprem produtos franceses, como retaliação pelas medidas tomadas em França contra grupos islâmicos.

Este contencioso vem juntar-se a uma longa lista de disputas entre Macron e o seu homólogo turco, que incluem desde as tensões no leste do Mediterrâneo ao conflito na Líbia, passando pelos confrontos no enclave de Nagorno-Karabakh.

Em 2006, o Charlie Hebdo reproduziu cartoons sobre o profeta Maomé – como outros jornais europeus – para defender a liberdade de imprensa após a publicação desses mesmos desenhos por um diário dinamarquês, algo que provocou na altura a cólera de muitos muçulmanos. O título satírico francês foi alvo em 2015 de um atentado jihadista que fez 12 mortos, entre os quais estavam jornalistas e caricaturistas do jornal.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Os muçulmanos não gostam, voltem para as origens!
    Se querem cá estar têm que cumprir com as regras dos países onde estão e não ao contrário!

  2. Se a caricatura fosse de um cristão a levantar as saias de uma freira todos aplaudiam (e bem) como sátira pura. Tudo isto é estranho e fede a fundamentalismo e integralismo disfarçados de religião. Erdogan é mesmo um “democrata” de ferro (na linha de actuação Maoista). É apenas essa dicotomia (fundamentalismo religioso e integralismo politico) que está brilhantemente retratado na sátira.
    A religião é respeitável mas não pode servir de escudo conforme os interesses. Como dizia um certo politico italiano, “devemos combater a pedofilia no seio da Igreja, mas é estranho que não existam quiasquer casos semelhantes com imãs ou com rabinos”…

  3. A Europa tem de simplificar a vida aos estrangeiros de forma muito simples, ler-lhes os direitos e obrigações a que estão sujeitos ao residir no país em questão. Caso discordem, o país de origem tem de ser a próxima paragem e ponto final. Com tudo isto que vejo, até dá a sensação que a França já é uma guerra ganha.

RESPONDER

Docentes e não docentes deverão ser vacinados com doses da Pfizer este fim de semana

Para este fim de semana, está prevista a vacinação em massa de professores, amas, responsáveis de creches entre outros assistentes de "respostas sociais". Este fim de semana, cerca de 180 mil professores e funcionários dos 2.º …

O seu cão pode ficar com ciúmes só de o imaginar a dar festas a outro

Quase quatro em cada cinco donos de cães relatam casos de ciúmes por parte dos seus amigos de quatro patas. E um novo estudo sugere que este comportamento pode ser desencadeado mesmo quando um suposto …

PSD e CDS dão as mãos para ganhar a Madeira (e fecham a porta ao Chega)

Esta quarta-feira, o PSD e o CDS fecharam a porta ao Chega no acordo de coligação autárquica na Madeira, que ambos os partidos assinaram no Funchal. No início deste mês, o líder do PSD/Madeira Miguel Albuquerque …

"Milagre da multiplicação". Cientistas conseguiram tornar a luz ainda mais brilhante

Uma equipa de cientistas descobriu um fenómeno que aumenta a intensidade da luz emitida por um componente em nanoescala em mais de mil vezes, em relação ao que a teoria afirma ser possível. Os cientistas observaram …

Revelados novos segredos sobre o exoplaneta mais quente já descoberto

Um estudo revela novos segredos sobre o exoplaneta mais quente já descoberto, que supera os 4.700ºC e é considerado um "Júpiter quente". Descoberto em 2016, o longínquo Kelt-9 b, situado a 650 anos-luz da Terra, é …

Comer muitas refeições takeaway pode aumentar a probabilidade de morte

Comer demasiadas vezes refeições takeaway pode afetar negativamente a saúde das pessoas. Isto porque, muitas vezes, a comida em causa é fast food. A pandemia de covid-19 veio intensificar a adoração das pessoas pelas refeições takeaway. …

Fezes de morcego ajudam a decifrar o passado da humanidade

Uma equipa de investigadores australianos usou fezes de morcego para ajudar a entender uma parte do passado dos nossos ancestrais. Para perceber melhor como é que artefactos antigos são alterados pelo sedimento em que estão enterrados …

"É como fogo". Dezenas de pessoas morreram na República Dominicana após ingestão de álcool ilegal

Depois de dezenas de pessoas morreram por intoxicação nas últimas semanas, as autoridades da República Dominicana acabaram por fechar várias lojas de bebidas alcoólicas. As lojas de bebidas clandestinas situavam-se sobretudo na capital, Santo Domingo, mas …

Eis AlphaDog, a resposta da China para o cão-robô norte-americano Spot

A empresa de tecnologia Weilan, sediada em Nanjing, na China, desenvolveu o AlphaDog, um cão-robô que usa sensores e inteligência artificial (IA) para realizar uma série de aplicações, incluindo entrega de encomendas e orientação para …

E se a vacina contra a covid-19 se chamasse Trumpcine? O "sir" sugeriu e Donald Trump gostou

No fim de semana passado, durante um encontro do Comité Nacional Republicano, o ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que alguém sugeriu que as vacinas disponíveis contra a covid-19 deveriam receber o seu nome. …