Quase metade da população alemã tem cancro

Segundo um relatório publicado por dois institutos médicos alemães, a incidência média da enfermidade entre mulheres está actualmente em cerca de 43%, e entre os homens, chega aos 51%. Entre 20% e 30% das mortes no país ainda têm tumores malignos como causa.

O relatório, assinado conjuntamente pelo Robert Koch-Institut e pela sociedade para o registo do cancro na Alemanha, afirma que mais de metade dos alemães do sexo masculino, em algum momento da vida, vê ser-lhe diagnosticado um cancro.

Entre as mulheres alemãs, a percentagem é mais baixa, mas chega ainda aos 43 por cento.

As partes do corpo mais frequentemente afectadas, concentrando mais da metade dos diagnósticos, são as mamas, próstata e pulmões.

Cigarro, o mau da fita

Contrair cancro ou não depende de diversos factores. Em algumas formas da doença, as causas são ainda hoje desconhecidas, mas em outros casos, têm origem genética, sendo praticamente impossíveis de influenciar.

Uma parte dos diagnósticos, contudo, tem origem no comportamento do próprio paciente, sendo o fumo um dos principais vilões.

Diz o relatório que, “segundo estimativas do Centro para Registo de Dados do Cancro, em 2008, cerca de 15% de todas as doenças cancerígenas na Alemanha são atribuíveis ao fumo”.

Outros factores de risco podem ser alimentação pouco saudável, falta de exercício e excesso de peso.

O mesmo estudo considera que é frequentemente exagerado o papel cancerígeno da poluição atmosférica ou da manipulação química de alimentos, bem como das doenças profissionais que possam dar origem a neoplasias.

Mas há excepções: materiais de construção com substâncias radioactivas como o rádon, ou o amianto, estiveram na origem de 10% dos cancros de pulmão.

Algumas boas notícias

O tratamento dos cancros da mama, da próstata ou do intestino tem registado grandes progressos e a taxa de mortalidade dos pacientes caiu de forma espectacular: cinco anos depois do diagnóstico, 90% dos pacientes de cancro do testículo ou da próstata continuavam vivos.

Os doentes também têm, hoje, melhores probabilidades de sobrevivência: em 2011 e 2012, 62% dos pacientes masculinos e 67% dos femininos ainda estavam vivos cinco anos depois de contraírem cancro.

O cancro é hoje a causa de cerca de 20% dos óbitos de mulheres e de 30% dos homens. Essa proporção tem-se mantido mais ou menos estável desde a década de 90.

O relatório baseou-se no estudo dos 252.060 de cancro em pacientes do sexo masculino e dos 225.890 em pacientes do sexo feminino registados na Alemanha em 2012, bem como sobre os casos registados em 2011.

Mais de metade desses diagnósticos dizia respeito a cancros da mama, da próstata ou do pulmão.

ZAP / DW / RTP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Esquecem-se de mencionar os plásticos, que nos rodeiam por todo o lado.
    Estamos rodeados de “sopas químicas”, para mim não é exagerado, ao contrário do que nos querem fazer crer!…
    Mesmo podendo ser causado por origem genética, o cancro precisa de um gatilho para ser despoletado.

RESPONDER

Harry Potter. HBO Max trabalha em possível série de televisão

A saga Harry Potter pode estar a caminho da televisão. Segundo o The Hollywood Reporter (THR), o projeto ainda está em fase inicial, mas os diretores executivos da HBO Max já estão em reuniões com …

Intrigante sistema de seis exoplanetas com movimentos rítmicos desafia teorias de formação planetária

Com o auxílio de vários telescópios, incluindo o VLT (Very Large Telescope) do Observatório Europeu do Sul (ESO), os astrónomos descobriram um sistema com seis exoplanetas, cinco dos quais estão presos numa dança rítmica rara …

Boavista 0-2 Sporting | Leões garantem dérbi confortável

O Sporting cumpriu a sua “obrigação” e foi vencer por 2-0 a casa do Boavista, numa 15ª jornada fundamental, uma vez que na próxima segunda-feira a formação de Alvalade recebe o Benfica, no grande dérbi …

Violino põe em risco compromisso da Alemanha de devolver objetos saqueados pelos nazis

Um violino com 300 anos está no centro de uma disputa que ameaça minar o compromisso da Alemanha em devolver objetos saqueados pelos nazis. Ninguém sabe por que Felix Hildesheimer, um negociante de instrumentos musicais judeu, …

Consumo de álcool aumentou durante a pandemia de covid-19

Embora o consumo de álcool tenha aumentado mais entre os jovens, os adultos mais velhos, sobretudo os que sofrem de ansiedade e depressão, também revelaram estar dentro desta tendência. “O aumento do consumo de álcool, especialmente …

Alphabet diz adeus ao Loon, projeto que queria espalhar Internet através de balões

O projeto da Alphabet que tinha como objetivo levar Internet às partes mais remotas do mundo "perdeu o fôlego" e os seus responsáveis decidiram pôr-lhe um ponto final. Num comunicado divulgado na última sexta-feira, Alastair Westgarth, …

Estudo identifica cidades europeias com maior mortalidade devido à poluição do ar

Madrid, Antuérpia e Torino (em Espanha, Bélgica e Itália, respetivamente) lideram o ranking de mortes associadas à poluição por dióxido de azoto (NO2). Já a maior mortalidade atribuível a partículas finas é encontrada em cidades …

Fim do Flash Player colapsou sistema de estação ferroviária chinesa

O sistema ferroviário na cidade de Dalian, no nordeste da China, ficou paralisado por causa da desativação do programa Flash Player da Adobe. A Adobe encerrou o suporte técnico do seu player de multimédia Flash Player …

Eis o que o mundo pode aprender com o confinamento da China

O confinamento na China tem apresentado resultados excecionais no controlo da pandemia, à custa da perda de liberdade das pessoas. Ainda assim, há muito que se pode aprender com o exemplo chinês. Colocar o autoritarismo contra …

Descoberto fármaco "100 vezes mais potente" contra a covid-19 (e "nasceu" das seringas-do-mar)

Uma equipa internacional de investigadores descobriu um medicamento antiviral que é "100 vezes mais potente" do que o remdesivir no tratamento da covid-19. Trata-se de um fármaco usado para tratar um cancro sanguíneo, que só foi …