/

“Já estamos na quarta vaga” e Lisboa é o motor. Especialistas pedem restrições imediatas

39

Mário Cruz / Lusa

Especialistas pedem restrições para a região de Lisboa e Vale do Tejo. Carlos Antunes defende que “já estamos na quarta vaga” e que Lisboa é o motor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Lisboa já passou o patamar dos 240 casos por 100 mil habitantes e pode ser obrigada a recuar no desconfinamento. Especialistas pediram ao Governo que tome, desde já, medidas para evitar que a situação em Lisboa piore ainda mais.

Ouvido pelo DN, o professor Carlos Antunes, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, diz que “na prática já estamos numa quarta onda pandémica, porque a fase que estamos a viver já está com uma amplitude e um comprimento semelhante à onda de março do ano passado, que se estendeu até maio”, admitindo que Lisboa está a ser o motor desta quarta vaga.

Para o pneumologista Carlos Robalo Cordeiro, do gabinete de crise da Ordem dos Médicos, em Lisboa, “há fatores que formam um verdadeiro cocktail explosivo e se o contágio continuar a aumentar da forma como está agora, contamina-se o país todo”.

Embora não fale numa quarta vaga, o também diretor da Faculdade de Medicina de Coimbra admite que “se está a correr esse risco”.

“Há uma grande preocupação que tem que ver com o aumento significativo da variante Delta, originária da Índia, que muito em breve se tornará predominante na região de Lisboa, e é uma variante que sabemos ter maior risco de contaminação do que as outras que já circulavam no país”, acrescentou Carlos Robalo Cordeiro.

É preciso que Lisboa se mantenha acima dos 240 novos casos por 100 mil habitantes por duas semanas consecutivas para que haja um retrocesso no desconfinamento. No entanto, em Sesimbra, a autarquia tomou a iniciativa de pedir autorização ao Governo para implementar medidas antes de decorridas essas duas semanas.

Não só a região de Lisboa e Vale do Tejo concentra o maior o número de novos casos de covid-19, como também reúne mais de 60% dos internamentos hospitalares. Os dados foram enviados ao jornal Público pela Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo.

Nesta segunda-feira, havia 215 doentes com covid-19 hospitalizados em unidades desta região. O boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) apontava que havia um total de 346  internados no país inteiro.

O número de camas dedicadas à covid-19 quer em enfermarias como em cuidados intensivos em Lisboa e Vale do Tejo permitem tranquilidade, mas sempre com reservas.

PUBLICIDADE

Apesar do aumento de internamentos, a resposta aos outros doentes não está comprometida, realça fonte do Centro Hospitalar Lisboa Norte: “Tem havido um aumento paulatino dos internamentos em enfermaria que é suportável e não compromete a atividade a doentes sem covid. Em maio realizaram-se cerca de 2.200 cirurgias e cerca de 60 mil consultas”.

  Daniel Costa, ZAP //

39 Comments

  1. Neste momento as entradas e saídas à Grande Lisboa deveriam ser fortemente restringidas. Não faz qualquer sentido que saiam livremente para outras zonas do país, disseminando esta variante.

  2. Só há 2 hipóteses: ou arriscamos com a doença que só é mortal para alguns, ou morremos todos à fome com a crise económica que aí vem… É só escolher

    • Se o senhor tivesse a certeza de que seria um dos (supostamente) alguns para quem esta doença seria mortal, talvez não tivesse dúvidas de qual a escolha certa a fazer…

    • “a doença que só é mortal para alguns”. Eu até diria que você é doido, mas não posso. O comentário não seria publicado.

    • O amigo propõe o fim da solidariedade entre gerações e o compromisso de todos contribuirem para o bem comum. Então nesse caso, também não quero pagar mais impostos. É cada um por si. Se o amigo tiver dinheiro terá saúde, se não tiver… paciência. Olhe, tenha juízo!

      • O problema é que a decisão é o bem de muitos em prol do risco para alguns.

        A mortalidade esta controlada com a vacinação, infelizmente existe ainda muita gente do grupo de risco que se recusa a aceitar a vacina e acabam por se infectar e chegam ás UCIs.
        Segundo os dados da passada terça-feira, dos novos casos que deram entrada na UCI, 89% pertenciam ao grupo de risco e não foram vacinados.

        Se este comentário tivesse sido feito em Janeiro eu teria outra opinião, mas actualmente a mortalidade está controlada e o efeito económico torna-se mais importante.

        Você só paga impostos se tiver trabalho e poder económico, se rebentarmos com a economia, pode ficar descansado que não vai poder pagar impostos.

        As opiniões tem de evoluir consoante os dados que obtemos…

        • Completamente errado no seu raciocínio. Neste momento estamos com 1350 casos/dia. Na Alemanha, mais concretamente na Baviera estão com menos de 300/dia e já consideram muito preocupante!!! Eles são 13 milhões!!!
          Andamos a olhar para o lado e ainda não se interiorizou que esta nova variante pode efetivamente constituir um novo problema.
          Quanto à economia, até aqui conseguiu-se viver. O PIB caiu mas o desemprego nem subiu muito. Brevemente começará a sentir igualmente os efeitos da bazuca. Dê tempo ao tempo e verá que mais vale perder um ou dois meses nesta fase, com particular cuidado na Região de Lisboa, e ganhar de vez esta luta.

          • E acha mesmo que a bazuca vem a custo zero?

            Uma bazuca é um lança-foguetes, estes são preparados para perfurar um tanque? Creio que nesta metáfora o tanque seja o défice económico, falta por entender se o povo será o operador do tanque!!!

            Por outro lado … o desemprego não caiu mas sim continua a cair.

            Já agora a média diária de mortalidade rodoviária nos últimos 10 anos antes do covid era perto de 2 pessoas por dia, também defende que deveríamos andar a pé e abolir os carros e transportes públicos ( pelo menos os autocarros) !!!

            Pense que nos dias de hoje independentemente dos infectados, temos apenas 2 a 3 mortes por dia.

            Morte faz parte da vida, ninguém vive para sempre.
            Se reduzimos os riscos com a vacina, temos de repensar como tratamos os números de infectados.

  3. Qual quarta vaga qual quê!? Vejam os números relativos, segundo me parece a taxa de mortalidade continua a ser de 0,2%. Por isso, parem transmitir a frequência do medo e deixem-nos viver!

    • A VAGA É DE INFETADOS!!! NÃO É SÓ DE MORTOS!!! Pare de transmitir ignorância! é quase tão contagiosa como o vírus!!!

    • Lembre-se que está praticamente no Verão. Se esta nova variante nos tivesse caído em cima no Inverno havia de ter sido bonito.

  4. Cerquem a capital com uma Cerca Sanitária!
    Lá porque Lisboa é a “capital do império” não pode ser privilegiada!
    Por muito menos cercaram Ovar e duas aldeias de Melgaço, onde vivem 20 pessoas e 50 lobos!
    Os lisboetas têm a mania de que são gente fina e culta, quando afinal nem conseguem lavar a sua doença no “riu” Tejo, esteja calor ou “friu”.
    Nem sequer recorrem à “framácia” para comprar desinfectantes!
    Pelo contrário, invadem as ruas e vielas de Alfama, Mouraria e outros bairros.
    Contaminam-se alegremente!
    E depois, por causa deles, os turistas endinheirados fogem de Portugal!

    • Apoiado!
      Fechem aquilo tudo. Cerquem aquela gente.
      Ponham aviões a descarregar mantimentos e medicamentos pelo ar!
      E se tiverem falta de gás, atirem-lhes com as botijas…

  5. Ninguém morre á fome; não sei qual o problema desde que começou o confinamento em março de 2020 eu e muitos como eu continuarmos a fazer a vida como sempre fizemos, agora quem quer estar nas esplanadas e cafés tem que ter juízo

  6. As nossas autoridades e outros que deveriam gerir bem, este assunto, são uma vergonha!!!!! Isto é lamentável!! Têm de ser responsabilizados e não só politicamente! E os que andam a transgredir, que indiretamente ou diretamente são CULPADOS por internamentos, problemas de saúde e até mortos, não deveriam também ser responsabilizados? Assim isto é um país que não faz respeitar todos e isto é grave negligência?!!!!

  7. O (des)governo parece que não quer seguir no confinamento para lisboa. É a capital onde se esconde muita coisa. Se fosse em Ovar ou outra freguesia no território português, podem ter a cereza que já estaria alguma coisa em vigor…

  8. E depois mostram-se muito ofendidos com o facto de serem removidos de destinos seguros por parte do Reino Unido e outros países.

  9. Repressão, Repressão, Repressão a quem não cumprir as regras, um grande numero paga sempre a fava pela incompetência de presidentes de camara que perdem emails, políticos, festeiros e libertinos.
    Policia de choque para dispersar grupos, multas pesadas, só assim o ser humano aprende infelizmente…
    80% da população cumpre e esforça-se e os outros 20% constantemente a prejudicar os restantes, haja paciencia….

    • 80% da população cumpre?! Onde?! Como?! Quando?! Deve ser bem menos que 5% de cumpridores (se não menos). Mas é um pouco como diz… São os 95% “constantemente a prejudicar os restantes, haja paciencia….” Eu já não tenho paciência Mas vou ter de aguentar com a irresponsabilidade dos que você diz “cumpridores”
      Então… Se fosse mesmo 80% de cumpridores… Acha que teríamos 1350 infetados num só dia? Quando já temos cerca de 20% da população protegida pela vacina? Acho que é melhor fazer as contas com a calculadora porque com os dedos não vai lá…

      • Bem visto, com essa sua aptidão até me admira como não foi contratado pelo CERN, cada minuto seu aqui, o mundo perde milhões, contudo agradeço a sugestão, hoje mesmo vou comprar uma calculadora LOL

      • Mais um expert de Facebook… contas e inteligência não é o teu forte.
        Nem 5% cumpre mas a pandemia está controlada… deve ser milagre!…
        Da minha experiência, diria que uns 90% da população cumpre minimamente as regras e os números comprovam isso mesmo.

        • A pandemia está controlada?! A sério?! E depois eu é que sou mau de contas (e inteligência)!
          “os números comprovam isso mesmo”. É… Não foi há muito tempo que tínhamos 300 ou 400 infetados por dia… Já andamos nos 1200, 1300! É… A pandemia está controladíssima!

    • É Sporting, é Benfica, são festas clandestinas, são bares abertos às tantas da noite, são bebedeiras pelos jardins, são transportes públicos atestados como um ovo, são praias com pessoas aos montes, são imigrantes clandestinos sem qualquer controlo de origem, são mil e uma coisas que o povo quer e que agora lhe tira o proveito e põe de novo tudo em causa! São até já governantes que não acertam uma quando abrem a boca!

  10. Não, não, não! Não há volta atrás! É o Marcelo que “manda”! 2000, 3000… Isso não interessa! É o Presidente que nomeia o Primeiro Minsitro!

    • Enquanto o número de mortos for em média diária abaixo de 5, realmente 10000 não interessa.
      Neste momento a infecção não significa risco no direito à vida, assim as medidas já não justificam retirar o direito de liberdade.

  11. Será que num passado longínquo, e quando digo longínquo, refiro-me a milhares de anos, os nosso antepassados quando surgia uma pandemia, sim, porque pandemias sempre existiram ao longo do percurso do ser humano na história da evolução, mas como dizia, será que eles também faziam confinamento ou usavam máscaras? Meus amigos, não passamos de animais por muito que nos custe admitir, e como tal obedecemos às regras da natureza, onde só sobrevivem os mais fortes já o dizia Charles Darwin há cerca de 200 anos. Por muito que nos custe, a Natureza de tempos a tempos encarrega-se de limpar a casa, e só deixa quem está em condições de prosseguir na evolução e/ou permanência de cada espécie, e como animais, estamos no mesmo patamar de todos os outros animais, não é por acaso, que o nosso corpo é composto por mais vírus e bactérias do que células que temos no corpo, e temos triliões de células no corpo, tal como no passado, hoje também só sobrevivem os mais fortes, o problema é que o homem hoje que fazer-se passar por “Deus” entenda-se Deus por Natureza, e meteu-se-lhe um pouco na cabeça que quer viver para sempre, mas a maior prova que não passamos de animais com uma autoconsciência e talvez seja esse o problema “autoconsciência, pois não vejo mais nenhum animal confinado, aliás pelo contrário, é o pânico generalizado em que mergulhou o mundo quando os número falam por si; por ano, morrem cerca de 7.000.000 de pessoas diretamente vítimas do tabagismo muitos deles passivos, quando vir algum governo a proibir de uma forma severa o tabaco, sim, porque não fumo e sou obrigado muitas vezes a fumar, porque o “amigo” do lado se lembrou de puxar de um cigarro e estou a a correr o risco de morrer de cancro do pulmão pois nem sempre é possível manter a tal distância para não fumar passivamente, onde a probabilidade de morrer é muito maior que à do CÔVD-19,mas como dizia, quando vir um governo a travar o uso do tabaco, eu acredito que todas as medidas que tomam em relação há COVID-19, são para proteger a vida das pessoas. Nunca o vão fazer, porque o tabaco dá muito, mas mesmo muito dinheiro, e começo a acreditar que o mesmo se passa com o COVID-19, senão punham os testes gratuitos, bem como as máscaras, pois sou o cabeça de família de quatro pessoas, onde cada um por dia, devido à nossa atividade profissional, gastamos cerca de 6 máscaras…cada um vezes 4…….por dia……e pagas…….e que levam impostos em cima….ninguém está a ganhar com isso? E estou a falar só das máscaras…… e só da minha família…. e onde no ano de 2020 a cada 17 horas surgia um Bilionário no mundo, aliás foi o ano em que num só ano surgiram mais Bilionários no mundo onde em Portugal tem dias que não morre ninguém de COVID-19, mas por dia em Portugal morrem cerca de 400 pessoas, só ouvimos “0” óbitos COVID-19, e as outras vidas que se perdem não contam, não merecem ser lamentadas? Pela manhã quando ligo a televisão, só ouço os profetas da desgraça em relação ao COVID-19, será para espalhar o pânico generalizado? Começo a acreditar naqueles malucos que anunciam a cada ano o Apocalipse, mas agora parece que está mesmo a acontecer, não sou negacionista, mas parece que anda tudo maluco. Para quem ainda consegue “Dá que pensar…..”

    • Vives numa caverna?!
      É que comparar pandemias no Paleolítico com pandemias no sec. XXI, só fará sentido na mente de alguém que vive na Idade da Pedra.
      Pelo teu discurso, não vais ao médico, nunca usaste medicamentos, vacinas, etc – deixas tudo na mão da Natureza!…
      Também deves seguir a dieta do paleolítico…
      É bem…
      Mais estranho é usares a Internet, tendo em conta que esta não foi “feita” pela Natureza…
      Mas, ainda bem que não és negacionista…

      • Meu amigo, não vivo numa caverna, o que tenho provavelmente é mais clarividência que o sr. tenho mais de meio século de vida, tomei provavelmente mais vacinas e injeções que o sr. pois, para além de tomar todas as vacinas que fazem parte do plano nacional de vacinas, e muitas das quias que tomei, hoje o sr. já não as tem porque entretanto deixaram de fazer parte do plano nacional de vacinas, sou também do tempo em que ir à tropa era obrigatório, e como tal tomai vacinas e injeções, que o sr. só de ver o involucro que era utilizado para as administrar, provavelmente começaria logo a chorar, e analisando o seu comentário o sr. não deve saber o que isso é. Evidentemente que fui muitas vezes ao médico, e quiçá por isso a experiência me permita fazer o comentário que fiz. Nota: Respeitinho é muito bonito e eu gosto, não o conheço de lado nenhum, assim como o sr. também não me conhece, para começar a tratar-me por tu sem mais nem menos, por isso tenha tento na língua, pode sempre responder aos comentários claro, não sou eu que o vou impedir, tampouco porque não posso, e se pudesse também não o queria, assim como ser educado, se não conseguir ser educado, agradecia que guardasse os seu cometários pelo menos em relação aos meus para si, não é obrigado a concordar com eles.

  12. Engraçado estes comentários de lisboetas…
    Quando é no resto do país e “fecha fecha”, quando é em Lisboa já é “não fecha que vai estragar o comércio, que vai deixar muita gente no desemprego”… agora, caros lisboetas, imaginem o que pessoas em zonas mais pobres do país passaram, quando o governo que dá preferência sempre a Lisboa, impôs as regras que agora não querem cumprir
    Mas neste país será sempre assim
    No resto do país, fecha, não há ajuda não há nada.
    Em Lisboa, toca a facilitar tudo, injectar dinheiro, mudar as regras…
    Depois até os próprios lisboetas estranham porque o país está como está…

    • Que grande filme…
      Não sei quais são os “comentários de lisboetas” (eu moro a mais de 300km), mas esse “discurso dos coitadinhos” é bem pior.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.