PSD e CDS chumbam projeto para proibir comissões em contas à ordem

PSD / Flickr

Luís Montenegro (PSD) e Nuno Magalhães (CDS-PP) no Parlamento

Luís Montenegro (PSD) e Nuno Magalhães (CDS-PP) no Parlamento

A maioria parlamentar PSD/CDS-PP chumbou um projeto de lei do PCP para proibir os bancos de cobrar comissões ou outros encargos pela manutenção de contas de depósito à ordem, que toda a oposição votou favoravelmente.

O projeto de lei do PCP, que contou com os votos a favor do PS, BE e PEV, impedia as instituições de crédito de “cobrar comissões, despesas ou outros encargos pela manutenção de contas de depósito à ordem”, admitindo uma exceção: “Se, nos seis meses anteriores, essa conta apresentar um saldo médio anual inferior a 5% da remuneração mínima mensal garantida e não tiverem sido realizadas quaisquer operações bancárias nesse mesmo período de tempo”.

Foram também chumbados pela maioria PSD/CDS-PP projetos de lei do BE e do PS relativos às cobranças e aos serviços bancários, mas que não obtiveram apoio consensual dos partidos da oposição.

O PS absteve-se em relação ao projeto do BE para assegurar serviços mínimos bancários e limitar a cobrança de despesas de manutenção de conta. O BE votou contra o projeto do PS para regulamentar os encargos cobrados pelas instituições financeiras pela prestação de serviços. PCP e PEV votaram a favor destes dois diplomas.

No seu projeto de lei, o PCP incluía no conceito de manutenção de contas “as operações simples de acesso à consulta de saldos e movimentos, depósitos e levantamentos, pagamentos de bens e serviços, débitos diretos e transferências interbancárias, através de caixas automáticas, serviços de homebanking e balcões da instituição de crédito, referentes a contas de depósito à ordem”.

Nos casos de exceção em que seria admitida a cobrança de comissões, despesas ou outros encargos, estas tinham um limite, não podendo exceder “anualmente, e no seu conjunto, 1% da remuneração mínima mensal garantida”.

Por outro lado, o projeto de lei do PCP determinava ser “expressamente vedado às instituições de crédito condicionar a abertura ou a manutenção de conta de depósito à ordem à aquisição de produtos ou serviços adicionais”.

O projeto de lei do BE estabelecia a “total gratuitidade dos serviços mínimos bancários, alterando as suas condições de cancelamento por parte das instituições de crédito”.

Entre outras normas, impunha a “disponibilização de extratos trimestrais discriminativos dos movimentos da conta nesse período ou disponibilização de caderneta para o mesmo efeito” e obrigava as instituições de crédito a “divulgar publicamente nas suas agências as condições de contratação e manutenção das contas bancárias de depósito à ordem e de depósito a prazo constituídas ao abrigo do presente diploma”.

Por sua vez, o projeto de lei do PS estabelecia que “a cobrança de comissões ou de outros encargos” pelas instituições financeiras só podia acontecer tendo “como contrapartida um serviço efetivamente prestado” relativamente ao qual estas pudessem “comprovar os custos” e que não estivesse “já incluído nos custos ocasionados pela prestação de outros serviços”.

A cobrança teria de ser “proporcional ao serviço prestado” e os valores “prévia e devidamente fixados, publicitados e legitimados pelas normas regulamentares existentes” e também “previamente autorizados pelo Banco de Portugal” e “do conhecimento prévio do consumidor relativamente a cada operação bancária em concreto que pretenda realizar”.

O PS imputava ao Banco de Portugal a obrigação de “estabelecer através de diretivas os requisitos a que deve obedecer a fixação de comissões ou de outros encargos” e atribuía-lhe a competência de dar autorização à “criação e fixação de novas comissões e outros encargos”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

EUA deu o mote. Mais empresas cortam relações com a Huawei

Depois de os Estados Unidos terem proibido negociações com a Huawei, empresas do Reino Unido e Japão estão também a cortar relações com a fabricante de telemóveis chinesa. Os Estados Unidos concederam 90 dias às empresas …

Renda acessível pode pôr casas a 650 euros em Lisboa e 500 no Porto

Numa altura em que o mercado imobiliário está ao rubro, com os preços em máximos, as rendas estão em níveis cada vez mais incomportáveis para a maioria das famílias que poderão encontrar neste programa uma …

Governo deverá anunciar medidas para bloquear coleção Berardo após as eleições

Num momento em que se tornou público que a Fundação Berardo corre risco de falência, três ministérios estudam as medidas para preservar a coleção do empresário e mantê-la aberta ao público. "Será em breve", garantiram os …

Europeias: PS com candidatos "escondidos", CDU só observa e Rangel já faz rimas ao primeiro-ministro

A dias do escrutínio para o Parlamento Europeu, PS acusou o BE de ser ambíguo, CDS critica respostas de Costa sobre Tancos e PSD quer ver "candidatos escondidos" do PS. Até já há rimas para …

Na corrida às Europeias, o PS está à frente do PSD (e o BE está perto do terceiro eurodeputado)

O PS e a Esquerda crescem, o PSD e a Direita perdem. Segundo uma sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias e TSF, os socialistas somam 32,4% da intenção de voto, enquanto o PSD …

CGD ainda é dos bancos que têm mais crédito para investir em ações

Os bancos cortaram nos empréstimos para a compra de ações desde a crise. Mas têm ainda um valor elevado de financiamentos deste tipo. Este crédito é visto com cautela pelos supervisores e levaram a que bancos …

Partido de Modi a caminho de resultado histórico na Índia

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o seu partido nacionalista hindu lideram a contagem de votos nas legislativas do país. Às 10h05 (05h35 em Lisboa), o Partido Bharatiya Janata (BJP, ou Partido do Povo Indiano, no …

Hells Angels saem em liberdade (mas com várias proibições)

Os 17 elementos do grupo Hells Angels detidos pela Polícia Judiciária na terça-feira saíram todos em liberdade, após primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa, disseram à agência Lusa advogados no …

Arqueólogos resolveram o mistério dos "porcos" de Barbados

Em Barbados, país insular soberano nas Pequenas Antilhas, existe um mistério histórico desde que os primeiros colonos ingleses chegaram em 1627. À chegada, os exploradores encontraram o que pensavam ser uma vara de porcos europeus selvagens. …

230 professores que pediram pré-reforma ainda não tiveram luz verde

Foram 230 os pedidos de professores interessados em pedir a pré-reforma que chegaram à Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE). Mas até agora nenhum deles teve luz verde para avançar. A pré-reforma com suspensão da prestação de …