PS e PSD recusam cortar apoio do Estado a campanhas e partidos

Mário Cruz / Lusa

O parlamento debate esta sexta-feira seis projetos de lei de para alterar o regime do financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais, com o PS, que não apresenta diploma, a admitir viabilizar o do PSD.

O grupo parlamentar do PS anunciou na quinta-feira que vai viabilizar o diploma do PSD que propõe, entre outras medidas, pôr fim à responsabilização dos partidos políticos por despesas de campanha realizadas sem autorização a nível central.

Esta posição foi transmitida à agência Lusa pelo deputado socialista Jorge Lacão, adiantando que o PS votará contra os restantes projetos em discussão: do PCP, CDS-PP, PAN, Iniciativa Liberal e Bloco de Esquerda.

Para o antigo ministro socialista, o projeto do PSD de alteração à lei de financiamento dos partidos e das campanhas centra-se numa “questão de clarificação das responsabilidades de gestão por parte dos mandatários financeiros das campanhas eleitorais” nas eleições autárquicas.

Uma das alterações propostas passa a permitir empréstimos bancários para financiar campanhas eleitorais, desde que “fiquem associados à conta das despesas comuns e centrais da campanha ou que sejam contraídos pelos próprios partidos políticos e entregues às campanhas sob a forma de adiantamentos, a reembolsar após o recebimento da subvenção”.

O diploma prevê também que passem a ser contados como despesas de campanha os juros de empréstimos bancários contraídos para as financiar e que sejam expurgadas das contas as dívidas a fornecedores que prescreverem.

Na semana passada, em declarações à agência Lusa, o presidente PSD, Rui Rio, apontou a necessidade de “responsabilização daqueles que fazem dívida em nome do partido sem serem autorizados” pela sede nacional, uma situação frequente em campanhas eleitorais autárquicas.

Esta situação, de acordo com Rui Rio, tem gerado “milhões de euros de passivo” e até condenações em tribunal.

Em relação aos restantes projetos em discussão e votação, o antigo ministro socialista Jorge Lacão considerou que “rompem com o consenso estabelecido em matéria de financiamento dos partidos políticos – uma razão de fundo que levará o PS a votar contra todos esses diplomas”.

Margarida Salema critica projeto do PSD

A ex-presidente da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) Margarida Salema classificou como “absolutamente inaceitáveis” algumas alterações ao financiamento das campanhas eleitorais propostas pelo PSD, num diploma em debate nesta sexta-feira no parlamento.

Entre as alterações “mais criticáveis” no diploma, advertiu Margarida Salema, está a proposta para que os juros dos empréstimos bancários contraídos para financiar as campanhas sejam considerados despesas eleitoral e o artigo que prevê que são retiradas das contas dos partidos as dívidas a fornecedores que tenham prescrito.

Contactada pela Lusa, Margarida Salema, atualmente docente na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, frisou que “o problema” do projeto do PSD é que a lei 19/2003 não permite que as candidaturas recorram a empréstimos bancários para financiar as campanhas eleitorais, havendo jurisprudência do Tribunal Constitucional a confirmar que “o empréstimo bancário não é uma receita eleitoral”.

Quem pode contrair empréstimos bancários são os partidos políticos mas, para passar esses montantes às candidaturas, os partidos têm de o fazer sob a forma de “contribuições do partido político”. Margarida Salema admite que tenha havido “uma confusão muito grande no projeto de lei do PSD” sobre o que são as receitas legais dos partidos e as receitas das campanhas.

Se a lei não permite como receita eleitoral os empréstimos bancários, “como é que é possível que os juros possam ser considerados despesas eleitorais para efeitos, nomeadamente, de subvenção?”, questionou.

“É absolutamente impensável que este tipo de alterações possa ver a luz do dia”, lamentou Margarida Salemta, que esteve oito anos à frente da entidade que fiscaliza as contas eleitorais e partidárias, entre 2009 e 2017.

“Ou então o PSD terá de alterar todo o diploma (do Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais) e toda a filosofia no que respeita ao financiamento eleitoral”, declarou.

Outro aspeto considerado “inaceitável” é o artigo que prevê que as dívidas dos partidos ou coligações a fornecedores que prescreverem “são expurgados da contabilidade dos partidos políticos, nos termos das regras contabilísticas aplicáveis”.

Para a ex-presidente da ECFP, com esta alteração “estaria encontrada a forma de as empresas poderem financiar” os partidos [o que é ilegal], bastando para isso emitirem faturas por despesas que não vão ser pagas e que, depois de prescritas, são retiradas das contas anuais.

Questionada sobre o aspeto que o PSD destacou na exposição de motivos do diploma — a necessidade de os partidos não serem responsabilizados por dívidas realizadas que não tenham tido autorização central – Margarida Salema refutou que essa matéria deva ser tratada na legislação, considerando que visa resolver “um problema do foro interno do PSD” e “não tem dignidade legislativa”.

“Se há pessoas que contraem dívidas em nome do PSD isso é um problema do PSD”, declarou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Partidos politicos não devem receber dinheiro dos contribuinte, … porque carga de água tenho de estar a contribuir através dos meus impostos para a eleição de alguém que não quero? e mesmo que quisesse?
    querem as luzes da ribalta, peçam patrocinios, vendam bandeirinhas, canetas, peçam à porta da igreja, façam empréstimos e paguem-nos, … como eu estou a pagar a minha casa, … sem apoio do estado, … que somos nós.

    Se fazem dívida em nome dos partidos, têm de responder por isso, … pagam, são alvo de arresto de bens ou vão presos. é tão fácil.

  2. Recusam cortar apoio e recusam reduzir o número de mamões da A. R. O que estão a fazer lá 230? Já sei é por causa da representatividade como diz o cassete Jerónimo. Mas se é por causa disso, aumentem para 230 mil que a representatividade fica mais assegurada.

  3. Está visto que estes dois partidos têm demasiado poder ou maioria, logo tudo o que seja cortar em benefícios e regalias de partidos e políticos nunca terá êxito.

  4. Seja os militantes dos partidos a pagarem e não o povo, esse dinheiro deveria sim para os sem abrigo portuguêses e para os mais necessitados.
    Que carga de água tenho de pagar com os meus impostos aos partidos seja qual for.
    Pois querem tacho paguem da vossa algibeira.
    Deveria sim acabar com a subvenção Vitalícia criada em 1995 por Mário Soares, para ajudar a família a ser milionária e dar tachos aos amigos…
    E assim se vê que todos os Partidos abraçaram a Subvenção Vitalícia, dada por Mário Soares.
    Vem Salazar ou Marcelo Caetano este país está a ser roubado e cheio de corruptos.
    Um país rico que está a cair no abismo por causa desses ladrões do povo e corruptos.
    Sou de Esquerda sim, mas vou votar em André Ventura, não vejo mais ninguém com colhões para governar este país para que haja segurança, Justiça igual para todos, Saúde e SNS para todos portuguêses e deixar de haver ADSE e outros.
    Os portuguêses têm de ter direitos iguais e não haver portuguêses de 1.ª, 2.ª, 3.ª, 4.ª,5.ª , porque obrigações temos todos iguais.
    VIVA PORTUGAL

RESPONDER

Governo não pondera (para já) proibição de fumar ao ar livre

O Governo não está a ponderar, neste momento, proibir fumar ao ar livre como foi decretado em Espanha, mas há “muitos aspetos em aberto” que serão acompanhados, disse esta sexta-feira a ministra da Saúde, Marta …

Lotação do Avante reduzida a um terço. Visitantes terão uma "área superior à que está estabelecida para as praias"

O PCP anunciou que vai limitar a entrada na sua anual Festa do "Avante!" a um terço da capacidade total, em virtude do contexto de pandemia de covid-19. O espaço de 30 hectares das Quinta da …

Governo da Guiné Equatorial demitiu-se em bloco

O Governo da Guiné Equatorial, liderado pelo primeiro-ministro Francisco Pascual Obama Asue, apresentou a sua demissão em bloco. Em declarações aos jornalistas, o ministro da Comunicação e porta-voz do Governo em funções, Eugenio Nze Obiang, explicou …

PSP apresenta queixa contra jornal Público por causa de cartoon no "Inimigo Público"

A PSP anunciou esta sexta-feira que vai apresentar queixa contra o jornal Público pela publicação, no suplemento Inimigo Público, de um cartoon com uma figura vestida de uniforme, “aparentemente relacionado com uma ação com conotação …

Tensão no Mediterrâneo. Macron envia ajuda militar à Grécia em conflito com a Turquia

O presidente Emmanuel Macron anunciou, quarta-feira, o envio de forças francesas para o Mediterrâneo Oriental. A intenção turca de procurar petróleo e gás no fundo do mar, tem criado tensão política entre a Grécia e …

"O material escolar mais importante". Escolas já receberam verba para comprar máscaras

As escolas já receberam as verbas para comprar as máscaras que irão distribuir gratuitamente pelos alunos e funcionários e alguns estabelecimentos de ensino estão a planear ter equipamentos extra Dentro de um mês, em meados de …

Lar em Sintra com 43 utentes e 12 funcionários infetados com covid-19

Quarenta e três utentes e 12 funcionários do lar da Associação de Solidariedade e Apoio Social do Pessoal da TAP, em Sintra, testaram positivo à covid-19, disse esta sexta-feira à agência Lusa fonte da câmara …

Para ter um "cabelo perfeito", Trump vai mudar a lei da pressão de água nos chuveiros

O Governo norte-americano quer flexibilizar as regras para acessórios de chuveiros que permitem uma maior conservação da água depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se ter queixado da falta de pressão de …

Transferência de Diogo Leite para o Valencia pode cair por terra

A imprensa espanhola avança esta sexta-feira que a transferência do defesa central do FC Porto Diogo Leite para o Valência está em risco. Apesar de as negociações entre as partes estarem em curso já há algumas …

Catarina Martins sai em defesa da Festa do Avante (e atira-se a Rui Rio)

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, sublinhou esta sexta-feira que os direitos políticos não estão limitados, após questionada sobre a realização da festa comunista do Avante!, e afirmou acreditar que os responsáveis estão …