Propinas serão ajustadas se as instituições não garantirem ensino à distância

O pagamento de propinas no ensino superior será ajustado caso as instituições não consigam garantir o ensino à distância durante o período de contenção de covid-19, segundo um projeto-lei do PAN aprovado no Parlamento.

“O valor das propinas representa uma fatia bastante significativa dos rendimentos das famílias”, afirmou a deputada Cristina Rodrigues, do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), durante a discussão do diploma da sua bancada que foi aprovado com os votos favoráveis do PS, PAN e da deputada Joacine Katar Moreira.

O diploma defende que as instituições de ensino superior (IES) devem assegurar o ensino à distância durante o atual período de contenção da pandemia de Covid-19, mas, caso não seja possível, deverão reajustar o valor das propinas.

O Governo, em articulação com as IES, tem até ao final do mês para adaptar “os prazos para pagamento das propinas em conformidade com a evolução da crise sanitária”, define o diploma aprovado em sessão plenária.

O decreto-lei protege os alunos mais carenciados, acautelando que qualquer ajustamento do valor da propina não prejudicará “os apoios já atribuídos no âmbito da ação social escolar”.

O diploma contou com os votos contra do PSD, CDS e PEV e as abstenções do Bloco de Esquerda (BE), Iniciativa Liberal e Chega. Também os deputados do PCP, BE e PEV tinham propostas relativas às propinas, mas todas elas foram chumbadas.

“Manter as propinas é agudizar as desigualdades”, defendeu a deputada comunista Ana Mesquita, referindo que nem todos os alunos conseguem ter agora acesso às aulas. “O que está a acontecer não é ensino à distância”, até porque “não está acreditado, não está registado e não garante a igualdade de todos os alunos”, alertou a deputada comunista.

Ana Mesquita lembrou três medidas na área da educação propostas pelo PCP: suspender as propinas, dispensar o pagamento do alojamento da residência de estudantes e manter os apoios na área da ciência e investigação, em especial para os bolseiros. Todos os diplomas da bancada comunista foram chumbados com os votos contra do PS, PSD, CDS e Iniciativa Liberal.

O PEV também apresentou um projeto de lei que defendia a suspensão do pagamento das propinas durante o período de medidas restritivas e outro pela suspensão do pagamento do alojamento em residências universitárias. Os dois diplomas foram chumbados com os votos contra do PS, PSD e CDS.

Algumas instituições já avançaram com medidas que visam suspender o pagamento de determinadas prestações: o Instituto Politécnico de Setúbal, por exemplo, prolongou o prazo para pagamento das propinas e a Universidade da Madeira anunciou um período de carência de dois meses para o pagamento.

Também os alunos têm pedido a intervenção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: a Associação Académica de Coimbra (AAC) endereçou um pedido de suspensão imediata desta prestação e a Federação Académica do Porto enviou uma carta aberta apelando à eliminação dos juros de mora entre outras medidas.

A 24 de março, dia Nacional do Estudante, a AAC lançou uma petição pública a exigir a suspensão imediata do pagamento das propinas, bem como o reforço extraordinário das bolsas no ensino superior.

O PAN também apresentou um projeto de lei que defendia a suspensão do pagamento das prestações de alojamentos durante o período de emergência de saúde pública, mas também foi chumbado com os votos contra do PS, PSD, CDS, com a abstenção do Chega e do Iniciativa Liberal.

Ana Rita Bessa, CDS, criticou os projetos para o ensino superior e ciência, considerando tratar-se de propostas “sem critérios rigorosos e justos”, que não “foram devidamente pensados”.

A deputada centrista lamentou a “chuva de iniciativas”. Além das propinas, também criticou a proposta do Bloco de Esquerda sobre o 3.º período de aulas: “Cabe ao Governo governar e não devem os partidos ceder à tentação”, afirmou Ana Rita Bessa.

A proposta do BE defendia, entre outras medidas, que a avaliação final do ano letivo seria baseada apenas nos conteúdos ensinados em sala de aula e que as provas de aferição e exames do 9.º ano não deveriam realizar-se este ano. A deputada bloquista Joana Mortágua defendeu que “seria um erro tentar reproduzir horários e disciplinas” e que é preciso nunca esquecer que existem alunos “que não tem computador em casa, ou que os pais são analfabetos”.

Durante mais de seis horas, os deputados discutiram e votaram mais de uma centena de propostas relacionadas com o impacto da pandemia de Covid-19.

O primeiro caso de um doente infetado com o novo coronavírus em Portugal surgiu no início do mês passado e uma das primeiras medidas de contenção foi o encerramento de todas as escolas dos país. Entretanto o Governo já decretou Estado de Emergência havendo neste momento mais de 13 mil infetados e mais de 300 mortos.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mapa online interativo ajudou indígenas do Panamá a fazer frente à pandemia

Quando a covid-19 chegou ao Panamá no ano passado, o cartógrafo Carlos Doviaza temeu pelas pessoas indígenas da sua comunidade. Por isso, para as ajudar, dedicou-se a fazer aquilo que faz melhor: mapas. "Pensei: 'Porque não …

Cruz Vermelha estará a contratar enfermeiros por WhatsApp sem confirmar identidade nem validade da cédula

A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) estará a contratar enfermeiros através da rede social WhatsApp para reforçar as equipas de enfermagem do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para o processo de vacinação contra a covid-19 no …

Portugal regista mais 566 casos e seis óbitos por covid-19

Portugal registou, este domingo, mais seis mortes e 566 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde …

PS quer que Cavaco Silva diga "quando é que soube do buraco do BES"

O PS quer que o antigo Presidente da República Cavaco Silva esclareça "quando é que soube do buraco do BES" e porque é que "não agiu atempadamente" para evitar o aumento de capital, que gerou …

Perdoar o passado, celebrar o renascimento e cumprir tradições. A primavera traz o Nowruz, o ano novo persa

Assim que as flores começam a desabrochar e os dias ficam mais longos, fica claro que o Nowruz está prestes a chegar. A celebração do ano novo iraniano é secular, com raízes que remontam a …

“Mostrámos que sabemos governar”. Bloco apresenta candidata a Lisboa (e abre a porta a acordo com PS)

O Bloco de Esquerda apresentou a candidatura de Beatriz Gomes Dias à Câmara Municipal de Lisboa, pediu “mais força” para determinar a governação da cidade e abriu a porta a novos entendimentos com o PS …

Fé nos números. Foi o voto não religioso que Donald Trump perdeu em 2020 

Em novembro de 2020, Joe Biden foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. Uma análise revelou recentemente que a derrota de Donald Trump dependeu daqueles que não se identificam com nenhuma religião. Ryan Burge, professor …

Chega apresenta oito candidatos para o distrito do Porto. Ventura acredita que vai ter "grande resultado"

O líder do Chega anunciou este sábado oito candidatos às próximas eleições autárquicas no distrito do Porto, onde André Ventura acredita que o partido vai ter "um grande resultado". "Fizemos esta deslocação ao Porto para anunciar …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

"Novas dificuldades e entropias". Autarcas independentes exigem extinção imediata da CNE

Os presidentes de Câmara e representantes de movimentos independentes decidiram este sábado dar um novo prazo aos partidos para que estes possam alterar a lei eleitoral autárquica. Porém, exigem a extinção imediata da Comissão Nacional …