Propinas serão ajustadas se as instituições não garantirem ensino à distância

O pagamento de propinas no ensino superior será ajustado caso as instituições não consigam garantir o ensino à distância durante o período de contenção de covid-19, segundo um projeto-lei do PAN aprovado no Parlamento.

“O valor das propinas representa uma fatia bastante significativa dos rendimentos das famílias”, afirmou a deputada Cristina Rodrigues, do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), durante a discussão do diploma da sua bancada que foi aprovado com os votos favoráveis do PS, PAN e da deputada Joacine Katar Moreira.

O diploma defende que as instituições de ensino superior (IES) devem assegurar o ensino à distância durante o atual período de contenção da pandemia de Covid-19, mas, caso não seja possível, deverão reajustar o valor das propinas.

O Governo, em articulação com as IES, tem até ao final do mês para adaptar “os prazos para pagamento das propinas em conformidade com a evolução da crise sanitária”, define o diploma aprovado em sessão plenária.

O decreto-lei protege os alunos mais carenciados, acautelando que qualquer ajustamento do valor da propina não prejudicará “os apoios já atribuídos no âmbito da ação social escolar”.

O diploma contou com os votos contra do PSD, CDS e PEV e as abstenções do Bloco de Esquerda (BE), Iniciativa Liberal e Chega. Também os deputados do PCP, BE e PEV tinham propostas relativas às propinas, mas todas elas foram chumbadas.

“Manter as propinas é agudizar as desigualdades”, defendeu a deputada comunista Ana Mesquita, referindo que nem todos os alunos conseguem ter agora acesso às aulas. “O que está a acontecer não é ensino à distância”, até porque “não está acreditado, não está registado e não garante a igualdade de todos os alunos”, alertou a deputada comunista.

Ana Mesquita lembrou três medidas na área da educação propostas pelo PCP: suspender as propinas, dispensar o pagamento do alojamento da residência de estudantes e manter os apoios na área da ciência e investigação, em especial para os bolseiros. Todos os diplomas da bancada comunista foram chumbados com os votos contra do PS, PSD, CDS e Iniciativa Liberal.

O PEV também apresentou um projeto de lei que defendia a suspensão do pagamento das propinas durante o período de medidas restritivas e outro pela suspensão do pagamento do alojamento em residências universitárias. Os dois diplomas foram chumbados com os votos contra do PS, PSD e CDS.

Algumas instituições já avançaram com medidas que visam suspender o pagamento de determinadas prestações: o Instituto Politécnico de Setúbal, por exemplo, prolongou o prazo para pagamento das propinas e a Universidade da Madeira anunciou um período de carência de dois meses para o pagamento.

Também os alunos têm pedido a intervenção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: a Associação Académica de Coimbra (AAC) endereçou um pedido de suspensão imediata desta prestação e a Federação Académica do Porto enviou uma carta aberta apelando à eliminação dos juros de mora entre outras medidas.

A 24 de março, dia Nacional do Estudante, a AAC lançou uma petição pública a exigir a suspensão imediata do pagamento das propinas, bem como o reforço extraordinário das bolsas no ensino superior.

O PAN também apresentou um projeto de lei que defendia a suspensão do pagamento das prestações de alojamentos durante o período de emergência de saúde pública, mas também foi chumbado com os votos contra do PS, PSD, CDS, com a abstenção do Chega e do Iniciativa Liberal.

Ana Rita Bessa, CDS, criticou os projetos para o ensino superior e ciência, considerando tratar-se de propostas “sem critérios rigorosos e justos”, que não “foram devidamente pensados”.

A deputada centrista lamentou a “chuva de iniciativas”. Além das propinas, também criticou a proposta do Bloco de Esquerda sobre o 3.º período de aulas: “Cabe ao Governo governar e não devem os partidos ceder à tentação”, afirmou Ana Rita Bessa.

A proposta do BE defendia, entre outras medidas, que a avaliação final do ano letivo seria baseada apenas nos conteúdos ensinados em sala de aula e que as provas de aferição e exames do 9.º ano não deveriam realizar-se este ano. A deputada bloquista Joana Mortágua defendeu que “seria um erro tentar reproduzir horários e disciplinas” e que é preciso nunca esquecer que existem alunos “que não tem computador em casa, ou que os pais são analfabetos”.

Durante mais de seis horas, os deputados discutiram e votaram mais de uma centena de propostas relacionadas com o impacto da pandemia de Covid-19.

O primeiro caso de um doente infetado com o novo coronavírus em Portugal surgiu no início do mês passado e uma das primeiras medidas de contenção foi o encerramento de todas as escolas dos país. Entretanto o Governo já decretou Estado de Emergência havendo neste momento mais de 13 mil infetados e mais de 300 mortos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Idade é o maior factor de risco para se ser internado ou morrer de covid-19

As pessoas com idades entre os 70 e os 79 anos infetadas pelo novo coronavírus têm uma probabilidade de ser internadas em cuidados intensivos 10,4 vezes superior à de uma pessoa até aos 50 anos. Os …

Turismo de Portugal tem 10 milhões para apoiar campanhas de empresas que promovam o país

O Turismo de Portugal tem dez milhões de euros, que vão servir para financiar iniciativas “de valorização, inovação e promoção do destino Portugal” até 2025. A dotação de dez milhões de euros, aprovada por despacho de …

"Perdi quase tudo no casino." Daniel Kenedy explica adeus ao futebol com o vício

O ex-futebolista Daniel Kenedy, que passou por clubes como Benfica, FC Porto, Marítimo e Sporting de Braga, revela que perdeu "quase tudo" no casino por causa do vício do jogo, apontando este problema como uma …

Bolsonaro apela a "intervenção militar" e deixa ameaça de golpe de Estado

Jair Bolsonaro e o seu filho Eduardo atacam a separação de poderes em reação às investigações da Justiça. O Presidente brasileiro aludiu a uma "intervenção militar pontual". A cena política no Brasil está cada vez mais …

Uso de máscara obrigatório durante os exames nacionais, que podem durar mais de duas horas

Os alunos do ensino secundário que este ano realizem exames nacionais terão de estar durante toda a prova com a máscara de proteção pessoal. O uso de máscara, que se tornou obrigatório no regresso às …

"Estamos fartos, já chega". O mundo do desporto não é só bola e pede justiça por George Floyd

Jadon Sancho, Michael Jordan e Lewis Hamilton foram algumas das personalidades do mundo do desporto que pediram justiça pela morte do afro-americano George Floyd. Nos Estados Unidos, as manifestações continuam a encher as ruas após a …

Crise na ADSE. Governo vai intervir (e promete "respostas rápidas")

A ministra da Modernização do Estado, Alexandra Leitão, participou numa reunião do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE e ouviu várias críticas à direção. A governante prometeu intervir com "respostas rápidas". O semanário Expresso …

Mais de quatro mil detidos nos EUA após a morte de George Floyd. Trump levado para bunker

Pelo menos 4.100 pessoas foram detidas nos protestos nos Estados Unidos (EUA) que se seguiram à morte do afro-americano George Floyd na segunda-feira, de acordo com uma contagem realizada pela agência Associated Press. As detenções foram …

Sporting só encaixou 41 milhões de euros da venda de Bruno Fernandes

Bruno Fernandes foi vendido ao Manchester United por 55 milhões de euros. Contudo, apenas 41 milhões de euros entraram nos cofres leoninos. O Sporting anunciou, este domingo, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores …

Costa e Silva, o "paraministro" escolhido por Costa, delineou plano de 10 anos em 2 dias

António Costa Silva, o presidente executivo da Partex escolhido por António Costa para o assessorar no Plano de Recuperação Económica, traçou as linhas gerais do plano de dez anos em apenas dois dias. O primeiro-ministro convidou …