Prémio Sakharov para Nadia e Lamiya, yazidis escravizadas pelo Daesh

Ali Ferzat / Parlamento Europeu

As iraquianas yazidis Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar sobreviveram à escravidão sexual pelo Daesh e tornaram-se porta-vozes das mulheres vítimas de violência sexual

O Parlamento Europeu atribuiu esta quinta-feira o Prémio Sakharov 2016 de Liberdade de Expressão a duas ativistas da comunidade yazidi do Iraque, Nadia Murad Basee Taha e Lamiya Ali Bashar, escravizadas sexualmente pelo autoproclamado Estado Islâmico durante meses.

A escolha foi feita hoje em conferência de presidentes da assembleia europeia, reunida em sessão plenária em Estrasburgo, anunciou o grupo político dos Liberais (ALDE), que propôs os nomes de Nadia e Lamiya para a edição deste ano do Prémio Sakharov.

Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar foram escolhidas pelos esforços na defesa da comunidade yazidi e das mulheres que sobrevivem à escravidão sexual às mãos dos jihadistas do Estado Islâmico, tendo-se tornado porta-vozes da sua comunidade na denúncia dos crimes de guerra e genocídio perpetrados pelo Daesh.

Ambas são oriundas de Kocho, uma aldeia iraquiana que foi tomada pelo Estado Islâmico em 2014, com centenas de mulheres e raparigas yazidis a serem raptadas e escravizadas sexualmente pela organização extremista.

Histórias de vida

Nadia e Lamiya são defensoras públicas da comunidade yazidi no Iraque, uma minoria religiosa que tem sido objeto de genocídio por militantes do EI. Em 3 de agosto de 2014, o EI assassinou todos os homens da aldeia de Kocho, cidade natal de Lamiya Aji Bashar e Nadia Murad, em Sinjar, no Iraque. Após o massacre, as mulheres e as crianças foram escravizadas. Todas as jovens foram raptadas, compradas e vendidas várias vezes e exploradas sexualmente.

Durante o massacre de Kocho, Nadia Murad perdeu seis dos seus irmãos e a mãe, que foi morta juntamente com oitenta mulheres mais idosas consideradas como não tendo qualquer valor sexual.

Lamiya Aji Bashar também foi explorada como escrava sexual, juntamente com as suas seis irmãs. Foi vendida cinco vezes entre os militantes e forçada a fabricar bombas e coletes suicidas em Mossul depois de os militantes do Daesh executarem seus irmãos e seu pai.

Em novembro de 2014, Nadia Murad conseguiu fugir com a ajuda de uma família vizinha, que a retirou clandestinamente da zona controlada pelo Daesh, permitindo que seguisse para um campo de refugiados no Norte do Iraque e depois para a Alemanha.

Lamiya Aji Bashar tentou fugir várias vezes até escapar finalmente, com a ajuda da sua família, que contratou passadores locais. Ao fugir da fronteira curda para território controlado pelo governo do Iraque, uma mina terrestre explodiu, matando duas pessoas das suas relações e deixando-a ferida e quase cega.

Felizmente, conseguiu escapar e acabou por ser enviada para tratamento médico na Alemanha, onde se juntou aos seus irmãos sobreviventes.

Desde a sua recuperação, Lamiya Aji Bashar tem trabalhado ativamente na sensibilização para a situação da comunidade yazidi e continua a ajudar mulheres e crianças que foram vítimas da escravidão e das atrocidades do EI.

Prémio Sakharov

O prémio deverá ser entregue a 14 de dezembro em Estrasburgo.

Os outros dois finalistas na edição deste ano do Prémio Sakharov eram o jornalista turco Can Dundarn, detido depois de o jornal que dirige ter noticiado o alegado contrabando de armas dos serviços de informações do país para rebeldes na Síria, e Mustafa Dzhemilev, líder tártaro na Crimeia (território ucraniano anexado pela Rússia), que defende os direitos humanos e das minorias há mais de 50 anos.

O Prémio Sakharov da liberdade de pensamento, no valor de 50 mil euros, foi entregue em 2015, ao blogger saudita Raif Badawi, que cumpre uma pena de dez anos de prisão por “insultos ao Islão”.

Nelson Mandela e o dissidente soviético Anatoly Marchenko (a título póstumo) foram os primeiros galardoados, em 1988.

Em 1999, o galardão foi entregue a Xanana Gusmão (Timor-Leste) e, em 2001, ao bispo Zacarias Kamwenho (Angola).

“Violação como meio de destruição”

Em 2015, Nadia apresentou ao Conselho da Segurança da ONU um relatório sobre os crimes cometidos pelo Daesh, num discurso que emocionou o mundo.

“O Estado Islâmico não veio para matar as mulheres e as raparigas, mas para nos usar como despojos de guerra, como objetos para serem vendidos ou para serem dados de graça”, disse no seu discurso.

“O Daesh tinha uma intenção, destruir a identidade yazidi pela força, violação, recrutamento de crianças e destruição de locais sagrados que capturaram”, afiançou ainda.

Nadia Murad denunciou a violência usada pelo grupo terrorista “especialmente contra as mulheres yazidi”, recorrendo à “violação como meio de destruição” para assegurar que “nunca mais voltarão a uma vida normal”.

Em setembro, Nadia Murad tornou-se a primeira vítima de crimes de tráfico humano a ser nomeada Embaixadora da Boa Vontade da UNODC, a entidade das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. A iraquiana, de 23 anos, foi designada como Embaixadora para a Defesa da Dignidade dos Sobreviventes do Tráfico de Seres Humanos, depois de ter conseguido escapar a três meses de cativeiro às mãos dos terroristas do Daesh.

“Nadia sobreviveu a crimes horrendos. Chorei quando ouvi a história dela”, assume o secretário-geral da organização, Ban Ki-Moon. O seu papel enquanto embaixadora da ONU foca-se “em aumentar a consciência em torno da difícil situação das inúmeras vítimas de tráfico”.

Poucas semanas depois, foi anunciado que Amal Clooney, considerada uma das advogadas especializadas em direitos humanos mais competentes do mundo, iria representar a jovem iraquiana num processo contra a organização terrorista Estado Islâmico em tribunal.

“Não há como combater uma ideia assim. Acho que uma das formas de punir o Estado Islâmico é expondo as suas atrocidades e corrupção. E uma forma de fazer isso é com o julgamento”, disse a advogada numa entrevista.

Em outubro de 2016, o Conselho da Europa homenageou-a com o Prémio dos Direitos Humanos Václav Havel.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal com mais 600 casos de covid-19 e sete óbitos. Internamentos baixam das quatro centenas

Portugal registou, nas últimas 24 horas, 600 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da …

Autárquicas não contaminam processo orçamental. Esquerda chuta eleições para canto e mantém pressão

Depois de uma empolgante noite eleitoral, avizinham-se duas semanas de negociações entre os partidos e o Governo. Os trabalhos de negociação do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) estão mais atrasados do que o habitual devido …

Igreja desaba com a força da lava do vulcão em La Palma

Uma igreja na ilha espanhola de La Palma desabou depois de ter sido atingida pela lava do vulcão que entrou em erupção no passado domingo, dia 19. Após ter escapado por pouco no início da semana …

Homem que tentou matar Ronald Reagan vai ser libertado em 2022

Na altura o homem foi considerado inimputável pela justiça devido a problemas mentais. Depois de ter saído de um hospital psiquiátrico em 2016, John Hinckley Jr vai ficar em liberdade total de 2022. A 31 de …

Coreia do Norte lança "projétil não identificado"

A Coreia do Norte lançou um "projétil não identificado" no mar ao largo da sua costa oriental, disseram esta madrugada os militares sul-coreanos. Tanto o Japão como os Estados Unidos já condenaram o lançamento. A Coreia …

Pandemia, campanha anticomunista ou geringonça? As justificações para a derrota do PCP

Pandemia, campanha anticomunista, geringonça ou outra coisa qualquer? O que justifica a hecatombe do PCP nas duas últimas eleições autárquicas? A noite eleitoral foi um tombo para o PCP, que, além de não ter conseguido recuperar …

"Os eleitores fizeram-se ouvir muito bem". SPD responde à CDU e quer aliança com os Verdes e FDP

Armin Laschet tinha anunciado que a CDU queria liderar o executivo apesar do mau resultado, o que já motivou uma resposta do SPD. O líder dos conservadores está também debaixo de fogo dentro do próprio …

Durante a Administração Trump, CIA terá abordado hipótese de raptar e até assassinar Assange

Em 2017, a CIA terá considerado raptar e discutido planos para assassinar o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, atualmente preso em Londres. Membros seniores da CIA discutiram a possibilidade de raptar e de assassinar Julian Assange …

Biden já recebeu a dose de reforço da vacina contra a covid-19

O Presidente dos Estados Unidos recebeu, esta segunda-feira, a dose de reforço da vacina contra a covid-19, em direto na televisão, para encorajar os norte-americanos elegíveis a fazerem o mesmo. Os Estados Unidos autorizaram, na semana …

Pandemia custou 5 mil milhões de euros até Agosto (mas Leão pode ter uma boa notícia a fechar o ano)

A pandemia de covid-19 custou ao Estado 5.139,5 milhões de euros, de Janeiro a Agosto, e o défice das contas públicas agravou-se em 550 milhões de euros. Mas as contas estão agora mais controladas e …