Preço do petróleo continua estável apesar do conflito entre EUA e Irão

Apesar da tensão vivida entre os Estados Unidos (EUA) e o Irão, o petróleo não tem registado alterações significativas de preço, revelando ser um mercado tão seguro que nem mesmo a morte de pessoas o consegue abalar, segundo demonstrou um artigo do Raw Story.

O assassinato de Qassem Soleimani, principal comandante militar do Irão e chefe da Guarda Revolucionária, ocorreu em solo iraquiano sem a permissão do Iraque. Esse ataque norte-americano, que matou 10 funcionários iranianos e iraquianos, transgrediu a soberania de duas nações, o que poderia ser entendido como um ato de guerra, referiu o Raw Story.

O Irão respondeu, lançando mísseis balísticos em duas bases dos EUA no Iraque, sem causar vítimas. Enquanto isso, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo rejeitou o pedido do Iraque para retirar as tropas norte-americanas do seu território, uma semana após aviões de guerra dos EUA terem realizado ataques letais às milícias apoiadas pelo Irão, também sem autorização do Iraque.

Mas estes eventos, ocorridos numa região essencial ao suprimento global de petróleo, não tiveram impacto nos preços do produto. No espaço de alguns dias, os preços passaram de 66 dólares por barril para 69 (de 59 para 62 euros), tendo depois baixado para 65 (cerca de 58 euros).

Apesar de o Presidente norte-americano ter optado apenas por aplicar novas sanções ao Irão – ao invés de novos ataques – Donald Trump é conhecido por tomar decisões impulsivas. Por seu lado, o Irão pode estar a planear uma vingança a longo prazo.

Pelo meio, o Irão confundiu um avião comercial com um avião de guerra e acabou por atingi-lo com dois misseís, vitimando as 176 pessoas que iam a bordo.

mink / Flickr

Segundo o Raw Story, um dos motivos pelos quais o preço do petróleo não tem aumentado em meio às tensões entre os dois países, prende-se com o facto de o mercado global de petróleo ter uma oferta abundante, alimentada pela crescente produção dos EUA.

Em menos de uma década, o país passou de um grande importador para um novo grande exportador. Essas exportações aumentaram de 0,6 milhão de barris por dia no início de 2017 para mais de quatro milhões em dezembro de 2019.

Por vários anos, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e a Rússia reduziram a sua própria produção para impedir a queda dos preços, devido à oferta dos EUA. Além disso, a demanda por petróleo enfraqueceu com a desaceleração económica global, causada pela guerra comercial entre os EUA e a China e pela queda da indústria automobilística, entre outros fatores.

Isso apoiou a perceção de que o mercado de petróleo pode absorver qualquer choque, até mesmo a perda de vidas numa disputa ou ataque militar, notou o Raw Story. Contudo, para alguns especialistas, a estabilidade desse mercado esconde incertezas.

De acordo com o Raw Story, preços mais altos aplicado ao petróleo levariam à uma diminuição do consumo global e das emissões de carbono, e impulsionaria uma mudança na área dos transportes elétricos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Desmantelada fábrica ilegal de tabaco. Funcionava num bunker

Uma operação levada a cabo pela Guardia Civil esta terça-feira desmantelou uma fábrica ilegal de tabaco, em Espanha, e deteve a organização clandestina que a geria: vinte pessoas foram detidas, de nacionalidades britânica, lituana e …

China diz que surto está "sob controlo" após 14 províncias não reportarem novos casos

O surto do coronavírus Covid-19 está "sob controlo", depois de a atualização diária mostrar que 14 das 34 províncias e regiões autónomas do país não detetaram novos casos, anunciaram esta sexta-feira as autoridades chinesas. O vice-diretor …

Após 2 anos preso, Pedro Dias assume três homicídios e diz-se arrependido

Pedro Dias, conhecido pelos homicídios de Aguiar da Beira, manifesta-se arrependido pelos crimes por que foi condenado a 25 anos de prisão, após cumprir dois anos da pena. Um arrependimento que é também um assumir …

Orçamento da UE. Proposta agrava corte de Portugal na coesão em 2 mil milhões

A proposta do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, prevê um corte de 2 mil milhões de euros no envelope da coesão para Portugal. Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia iniciaram esta …

Russos atormentam Estados Unidos outra vez. Presidenciais são o alvo

Os serviços secretos norte-americanos estão convencidos de que os russos estão, novamente, a tentar influenciar as presidenciais daquele país. Faltam nove meses para as eleições presidenciais norte-americanas, mas já há suspeitas de que os russos estão …

Processo obscuro e pouco transparente. Expansão do Metro do Porto cria mal-estar

O alargamento do Metro do Porto está a criar mal-estar entre algumas autarquias da área Metropolitana do Porto. Os autarcas falam num processo obscuro e pouco transparente. O protocolo para consolidação da expansão da rede de …

Barcelona contrata jogador com o mercado fechado (mas Leganés não pôde fazer o mesmo)

O Barcelona foi autorizado a contratar um jogador com o mercado fechado, mas o pedido do Leganés foi rejeitado. O clube perdeu Braithwaite para o clube catalão. O FC Barcelona anunciou, esta quinta-feira, a contratação do …

Portugueses gastam 160 euros por ano na "epidemia das raspadinhas". 11 vezes mais do que os espanhóis

De acordo com um estudo recente, há cada vez mais pessoas a chegarem aos consultórios médicos com a doença do jogo patológico desencadeada pela raspadinha. Num artigo científico publicado na The Lancet, Pedro Morgado e Daniela …

Direita chega ao jogo das comissões no MB Way. PSD e Chega juntam-se ao PS

O PSD quer alargar serviços dentro das contas de baixo custo e incluir transferências via a aplicação da SIBS. O Chega quer eliminar custos nessas transações. Depois da esquerda, é a vez da direita marcar terreno …

Fãs de Kobe Bryant em luto estão a deixar flores na sepultura errada

Numa tentativa de prestar homenagem ao ex-basquetebolista, vários fãs de Kobe Bryant em luto estão a deixar flores na sua sepultura. O problema é que o têm na campa de outra pessoa. Quase um mês depois …