/

Gouveia e Melo prevê postos de vacinação rápida ao fim de semana: drive-thru ou “tipo Coliseu”

João Sena Goulão / Lusa

A ministra da Saúde, Marta Temido, e o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, acompanhados pelo coordenador da ‘Task Force’, vice-almirante Gouveia e Melo

O coordenador do plano de vacinação em Portugal, o vice-almirante Gouveia e Melo, prevê que numa fase mais avançada haja postos de vacinação rápida ao fim de semana em drive-thru ou “tipo Coliseu”.

Os dados mais recentes, noticiados pelo Público, mostram que Portugal está a administrar cerca de 18.206 doses por dia, um novo máximo desde que o país iniciou o processo de vacinação.

Este domingo, em declarações ao diário, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo disse que, numa fase mais avançada do plano de vacinação, haverá postos de vacinação rápida em drive-thru ou “tipo Coliseu” ao fim de semana. Tudo depende do ritmo de chegada de mais doses ao país.

“Com esse aumento, passamos para 120 mil pessoas por dia. Depois, se for necessário ainda, acrescentamos as farmácias [ao processo]. Há mais de quatro mil farmácias: mesmo que sejam só mil farmácias a vacinar dez pessoas por dia, já são dez mil pessoas”, detalhou o coordenador da task force.

Até às 00h deste domingo, foram administradas 523.349 vacinas contra a covid-19 em Portugal, um número que corresponde a 3,22% da população com apenas uma dose e 1,91% com a segunda. Apesar do sucesso do processo, a vacinação terá de acelerar para se atingir a meta de vacina 70% da população até ao final de setembro.

De acordo com os cálculos do Público, Portugal terá de administrar 59.699 doses por dia.

Gouveia e Melo diz que tal é possível através das várias opções. Numa primeira fase, haverá mais de 900 centros de saúde a vacinar com capacidade para cerca de 80 mil vacinas por dia, sendo que poderá haver um alargamento dos horários e vacinação aos fins de semana.

Os grandes hospitais dos centros urbanos também vão vacinar ao fim de semana, aumentando a capacidade para 100 mil por dia. A opção seguinte passará por “postos de vacinação rápida ao fim de semana”, em drive-thru ou “tipo Coliseu”, o que elevará o ritmo para 120 mil por dia. Por último, e se necessário, acrescentar as farmácias ao processo.

Simulador para vacinação já disponível

O simulador vai permitir às pessoas a partir dos 50 anos perceber se estão incluídas nas listas da primeira fase da vacinação. Os idosos a partir dos 80 anos também podem consultar estas listas para verificar se estão inscritos ou se haverá algum erro a corrigir.

Segundo o Público, já está disponível no portal covid-19 através deste link.

Na segunda-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, explicou que bastará ao cidadão inserir o número do SNS, a data de nascimento e o nome completo para perceber se está ou não incluído na primeira fase. Caso não conste da lista mas tenha critérios para tal, poderá “fazer a respetiva correção”, referiu a governante.

Portugal tem capacidade para produzir vacina

Paulo Barradas Rebelo, presidente do Grupo Bluepharma, considera que Portugal tem capacidade para produzir a vacina contra a covid-19 e que existem empresas interessadas em fazê-lo.

“Portugal conta com uma indústria farmacêutica de ponta. Temos profissionais muito qualificados e com vastos conhecimentos na indústria farmacêutica. Na área das vacinas há algumas empresas que trabalham na área dos injetáveis, mas isso requer alguma reconversão para virem a produzir vacinas contra a covid-19. Não é um processo rápido porque requer tempo, projeto, planeamento, licenciamentos, autorizações e posteriormente fabrico”, salientou, ao ECO.

Apesar disso, não tem dúvidas de que “haverá, em Portugal, empresas disponíveis e interessados em abraçar esse projeto de saúde pública”.

Ao Jornal Económico, no dia 22 de janeiro, Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado da Internacionalização, disse que o Governo quer Portugal no mapa da produção da vacina e que já contactou 41 empresas e laboratórios de 11 países para negociar a entrada do país na produção de vacinas virais.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.