/

Portugal ainda está longe de poder pôr de lado o uso de máscaras

1

Maxim Shipenkov / EPA

Esta semana, os EUA, que já têm perto de metade da população vacinada com a primeira dose, juntaram-se ao grupo muito restrito de países que aligeiraram o uso de máscaras. Porém, em Portugal, este cenário não se concretizará nos próximos meses.

Do outro lado do oceano, nos EUA, que já têm perto de metade da população vacinada com a primeira dose, o sucesso da campanha de vacinação fez com que se pudessem aligeirar as medidas do uso de máscara.

Em Portugal, um cenário em que a população poderá deixar de andar com máscara na rua não se concretizará nos próximos meses, referem especialistas ouvidas pelo Público.

A pneumologista Raquel Duarte lembra que “estamos a falar de situações muito diferentes. À medida que tivermos mais população vacinada, vai ser cada vez mais fácil obter níveis de incidência mais baixos e, a partir do momento em que tivermos um número sustentado de casos residuais, poderá começar a ser seguro retirar a máscara em contexto de maior segurança”.

Contudo, alerta, “a situação continua a ser muito dinâmica” e quando os casos diários forem, de forma sustentada, residuais, temos de manter a monitorização e estar preparados para voltar a ter de usar máscara.

A especialista sublinha que a situação portuguesa não se compara à norte-americana. “Não estamos ainda nessa fase. Temos uma proporção da população vacinada que mostra que estamos no bom caminho, mas ainda temos concelhos onde é preciso pensar em manter medidas, em vez de retirar”.

Por sua vez, também a presidente da Associação Portuguesa de Epidemiologia, Elisabete Ramos, diz que aligeirar o uso de máscaras não é uma “boa solução enquanto a situação não estiver como a de Israel”, que só chegou a essa medida quando atingiu a imunidade de grupo.

Em Portugal, independentemente do avanço da vacinação ou da diminuição de casos, o uso de máscaras na rua vai continuar ser obrigatório pelo menos até julho, depois de o Parlamento ter aprovado, em março, o prolongamento da lei em vigor.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.