Portugal tem o segundo IRC mais elevado da Europa

Portugal ocupa o segundo lugar da tabela com a taxa de IRC mais elevada dos países da OCDE, o valor mais alto dos últimos 18 anos.

No Relatório “Reformas da Política Fiscal 201”, divulgado esta quarta-feira, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) comparou a evolução das taxas de IRC desde o ano 2000 até agora em todos os Estados membros do clube dos países mais desenvolvidos, e chegou à conclusão que Portugal ocupa o segundo lugar da tabela.

Ainda assim, se selecionarmos apenas os 22 países da União Europeia que fazem parte da OCDE, o resultado é o mesmo, adianta o Diário de Notícias.

É visível uma tendência em todos os países da OCDE para uma redução das taxas de IRC (e de IRS também). No entanto, Portugal assume um comportamento inverso em 2017 e 2018 na tributação das empresas, assim como a Letónia, Turquia e Coreia do Sul.

Portugal subiu de oitavo para segundo lugar, e a contribuir para este grande salto está o aumento da taxa da derrama estadual de 7% para 9% para empresas com lucros anuais acima de 35 milhões de euros, uma proposta apresentada pelo PCP.

Esta posição de Portugal levou Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia do Governo de Passos Coelho e atual diretor da OCDE, a publicar um comentário no Twitter.

“Portugal é o segundo país com a taxa de IRC (com sobretaxas) mais elevada da OCDE. Como é que queremos atrair investimento com estas taxas elevadíssimas de IRC? Como podemos competir com países como a Hungria, a Irlanda ou a República Checa com estas taxas?”, questiona.

Segundo o jornal, nas contas da OCDE apenas entra a taxa legal, não estando calculados valores da taxa efetiva que é paga pelas empresas portuguesas como benefícios fiscais ou regimes especiais, por exemplo. Todavia, se olharmos para os dados disponibilizados pela Autoridade Tributária (AT), é possível perceber que o que as empresas pagam efetivamente fica abaixo do valor da chamada taxa legal.

As estatísticas publicadas pela AT vão apenas até 2015. Nesse ano, a taxa referida pela OCDE era de 27,5%, mas a taxa efetiva foi de apenas 17%. Os dados mais recentes, disponibilizados pelo Fisco, são de 2016 e revelam que a taxa que as empresas pagaram efetivamente ficou muito abaixo da taxa normal: 21,4% face a 29,5%.

Mas apesar de ser a segunda taxa de IRC mais elevada da OCDE e da Europa, Portugal já teve um valor mais alto. No início deste século, a taxa de IRC ultrapassava os 35%. A partir de 2001 foi baixando, tendo atingido o valor mais baixo entre 2007 e 2010.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Tal não é de admirar; em Países onde a média de ordenados é baixa (como acontece, infelizmente, em Portugal) acontecem, logo á partida, duas coisas: o lucro das empresas é elevado devido aos ordenados baixos e tb o volume de IRS a pagar pelos trabalhadores não é grande, o que se traduz em baixas receitas para o Estado. Portanto, neste cenário, há duas opções; ou se vai ao lucro das empresas, aumentando a derrama, ou se aumenta o IRS sobre quem trabalha. A escolha será sempre uma opção politica. Lembro que o governo do Coelho e do Irrevogável tentaram diminuir a derrama e a contribuição para a Seg. Social ás empresas mas passando a diferença para os trabalhadores, seriam eles a “cobrir” (pagar) as verbas que as empresas deixariam de pagar. Como já referi, será sempre uma opção politica e agora que cada um pense por si e veja o que melhor lhe convêm.

RESPONDER

Ano vai ser "inevitavelmente" de contestação social, avisa CGTP

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que este ano vai ser “inevitavelmente” de contestação social se o Governo e as empresas continuarem a insistir num modelo de baixos salários. O líder da intersindical …

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …