Portugal parou: em dia de greve geral da função pública, há lixo no chão e escolas fechadas

Mário Cruz / Lusa

O Governo de Costa enfrenta, esta sexta-feira, a primeira greve geral da função pública. Os trabalhadores reclamam aumentos salariais e melhores condições de trabalho. 

Pela primeira vez desde que António Costa assumiu funções, os sindicatos da função pública afetos à CGTP e à UGT decidiram unir esforços e cumprem, esta sexta-feira, um dia de greve. Serviços de saúde, educação e recolha de resíduos deverão ser os mais afetados, ainda que a perspetiva seja uma adesão generalizada em todos os setores.

O Orçamento do Estado para 2019 é uma das razões que terá motivado os trabalhadores a parar. A falta de resposta do Governo sobre os aumentos salariais foi, segundo o DN, a “gota de água” que acabou por juntar nesta greve a Frente Comum, a Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap) e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE).

A última greve assim aconteceu em marços de 2015, quando Pedro Passos Coelho era primeiro-ministro, e, na altura, exigia-se o fim da requalificação e do horário das 40 horas.

Agora, o motivo principal é a atualização salarial, com os sindicatos a recusarem um aumento residual para todos ou um valor mais elevado para os que ganham menos. A greve ocorre antes da reunião pedida pelos sindicatos ao abrigo da negociação suplementar, que terá de acontecer até 2 de novembro.

Ana Avoila, da Frente Comum, diz que “as pessoas estão muito indignadas. Tinham expectativas, estavam à espera de que este Orçamento do Estado as tivesse em linha de conta. A sindicalista refere ainda, além da ausência de aumentos salariais, a nova proposta do Governo para as reformas antecipadas.

“Tinham muita expectativa de se reformar com menos cortes e agora percebem que não vai ser assim”, aponta. Por sua vez, o STE acredita que o eco de descontentamento que vai chegando ao sindicato faz antecipar que esta seja uma jornada de luta e com adesão significativa.

Escolas fechadas e hospitais a meio-gás

Escolas encerradas, hospitais a meio gás e lixo por recolher foi o cenário descrito pelas estruturas sindicais que convocaram a greve desta sexta-feira da função pública e que cerca das 08h30 estava com uma adesão “elevada”.

Em declarações à Lusa, o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abraão, disse que os primeiros sinais de “uma grande adesão chegaram da área das autarquias (transporte de resíduos sólidos e lixo), que está praticamente parado de Norte a Sul do país“.

“Na área da saúde, no turno da noite, estão sobretudo a funcionar os serviços mínimos, das escolas chegam-nos sinais de encerramentos em todo o país. Portanto nesta altura estamos a prever uma greve com alguma importância, com significado”, disse.

José Abraão diz que os trabalhadores “estão cansados da orientação de que estão a ser repostos rendimentos e direitos, mas não o sentem, por isso, é que a nossa exigência no sentido dos aumentos salariais para todos os trabalhadores sem distinção”.

“Esta greve é também um apelo claro ao Governo no sentido de dizer que não vale a pena manipular os números daquilo que o Orçamento do Estado contem para Administração Pública, porque governar é optar como diz o senhor primeiro-ministro. Então se é assim, é hora de optar pelos serviços públicos que estão degradados com falta de pessoal, onde cresce permanentemente a precariedade”, sublinhou.

No entendimento do dirigente sindical, é chegada a hora de com tempo o Governo “dar um sinal a estes trabalhadores mostrando que é possível aumentar os seus salários, motivando, induzindo confiança com vista ao futuro dos serviços públicos, desde a área da saúde, educação, da justiça em concreto onde se vivem problemas enormes”.

“Temos também de dizer que há também o problema das carreiras profissionais. Há cerca de 80 carreiras profissionais que não estão revistas como é o caso concreto das inspeções, da ACT, da Segurança Social e dos jogos e casinos, entre outras, que não veem as carreiras revistas desde 2009 e agora estão a tentar impor medidas e carreiras categoriais que não são aceites pelos trabalhadores”, disse.

José Abraão lembrou ainda que nos próximos dias vão continuar as greves na administração pública. “Na segunda-feira, os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica têm uma manifestação que vai até ao parlamento. Temos cerca de 30 mil trabalhadores em contrato individual a quem foram atribuídas 35 horas e continuam a fazer 40 porque são impostas e não é refeito o seu percurso profissional”, disse.

José Abraão disse ainda que “este governo liderado por quem é e apoiado pelos partidos à esquerda vai decerto compreender este desconforto, descontentamento e procurar resolver alguns problemas celebrando acordos porque a nossa matriz enquanto FESAP e UGT é a da negociação. “Claro que quando isto não resulta as pessoas têm de protestar”, concluiu.

Também a vice-presidente da Federação Nacional de Educação (FNE) e presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, disse em declarações à Lusa que o nível e adesão das escolas em todo o país “é muito elevado”, com escolas encerradas. “Está em causa um desprezo total pela educação, pelos trabalhadores da educação e pelos trabalhadores da administração pública. Temos um OE que não vem ao encontro ao que seria o desejável”, disse.

Lucinda Dâmaso indicou também que todas as formas de luta estão em cima da mesa. “Não vamos desistir. Iremos continuar numa luta sem fim até que o governo ceda naquilo que é fundamental para a educação e para os trabalhadores em global, para administração publica”, frisou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. vergonhoso!
    Nós os contribuintes do privado é que pagamos os ordenados mas nada mandamos.
    com tanta insatisfação a melhor forma de protesto seria demitirem-se em bloco!
    Mas isso não seria zelar pelo serviço publico!
    é revoltante viver num pais onde uns têm tantos direitos e outros têm o direito de se demitirem.

  2. Não se sinta sozinho! Eu também sou uma besta! E há muitos como eu, também contribuinte do privado mas que ao contrário de si, não ganham para escolas privadas para os filhos, nem para seguros de saúde que cubram a saúde nas clínicas particulares, que têm que usar transportes públicos em vez de BM’s ou Audis,
    etc, etc, etc… É uma pena não sermos todos milionários! Para comprar tudo e todos…

  3. Trabalho no privado…
    O direito à greve é um direito de todos.
    Ninguém gosta de ir ao hospital e ver a consulta adiada ou ir levar o filho à escola e esta estar fechada.
    Mas uma greve que não cause transtornos a ninguém seria uma greve sem resultados.

    A culpa está em “prometer muito” para se ganhar eleições e chegada a hora de cumprir como não se pode cumprir volta-se atrás. Agora à que arcar com as consequências dessas promessas…

  4. Portugal parou?
    Onde?
    Antes do sismo de 1755?
    Está na hora de acordar para a vida.
    Enquanto Portugal se centrar só nas provínicias de Lisboa, Porto e a distância que os separa, estamos sempre na lama!

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …