Portugal parou: em dia de greve geral da função pública, há lixo no chão e escolas fechadas

Mário Cruz / Lusa

O Governo de Costa enfrenta, esta sexta-feira, a primeira greve geral da função pública. Os trabalhadores reclamam aumentos salariais e melhores condições de trabalho. 

Pela primeira vez desde que António Costa assumiu funções, os sindicatos da função pública afetos à CGTP e à UGT decidiram unir esforços e cumprem, esta sexta-feira, um dia de greve. Serviços de saúde, educação e recolha de resíduos deverão ser os mais afetados, ainda que a perspetiva seja uma adesão generalizada em todos os setores.

O Orçamento do Estado para 2019 é uma das razões que terá motivado os trabalhadores a parar. A falta de resposta do Governo sobre os aumentos salariais foi, segundo o DN, a “gota de água” que acabou por juntar nesta greve a Frente Comum, a Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap) e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE).

A última greve assim aconteceu em marços de 2015, quando Pedro Passos Coelho era primeiro-ministro, e, na altura, exigia-se o fim da requalificação e do horário das 40 horas.

Agora, o motivo principal é a atualização salarial, com os sindicatos a recusarem um aumento residual para todos ou um valor mais elevado para os que ganham menos. A greve ocorre antes da reunião pedida pelos sindicatos ao abrigo da negociação suplementar, que terá de acontecer até 2 de novembro.

Ana Avoila, da Frente Comum, diz que “as pessoas estão muito indignadas. Tinham expectativas, estavam à espera de que este Orçamento do Estado as tivesse em linha de conta. A sindicalista refere ainda, além da ausência de aumentos salariais, a nova proposta do Governo para as reformas antecipadas.

“Tinham muita expectativa de se reformar com menos cortes e agora percebem que não vai ser assim”, aponta. Por sua vez, o STE acredita que o eco de descontentamento que vai chegando ao sindicato faz antecipar que esta seja uma jornada de luta e com adesão significativa.

Escolas fechadas e hospitais a meio-gás

Escolas encerradas, hospitais a meio gás e lixo por recolher foi o cenário descrito pelas estruturas sindicais que convocaram a greve desta sexta-feira da função pública e que cerca das 08h30 estava com uma adesão “elevada”.

Em declarações à Lusa, o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abraão, disse que os primeiros sinais de “uma grande adesão chegaram da área das autarquias (transporte de resíduos sólidos e lixo), que está praticamente parado de Norte a Sul do país“.

“Na área da saúde, no turno da noite, estão sobretudo a funcionar os serviços mínimos, das escolas chegam-nos sinais de encerramentos em todo o país. Portanto nesta altura estamos a prever uma greve com alguma importância, com significado”, disse.

José Abraão diz que os trabalhadores “estão cansados da orientação de que estão a ser repostos rendimentos e direitos, mas não o sentem, por isso, é que a nossa exigência no sentido dos aumentos salariais para todos os trabalhadores sem distinção”.

“Esta greve é também um apelo claro ao Governo no sentido de dizer que não vale a pena manipular os números daquilo que o Orçamento do Estado contem para Administração Pública, porque governar é optar como diz o senhor primeiro-ministro. Então se é assim, é hora de optar pelos serviços públicos que estão degradados com falta de pessoal, onde cresce permanentemente a precariedade”, sublinhou.

No entendimento do dirigente sindical, é chegada a hora de com tempo o Governo “dar um sinal a estes trabalhadores mostrando que é possível aumentar os seus salários, motivando, induzindo confiança com vista ao futuro dos serviços públicos, desde a área da saúde, educação, da justiça em concreto onde se vivem problemas enormes”.

“Temos também de dizer que há também o problema das carreiras profissionais. Há cerca de 80 carreiras profissionais que não estão revistas como é o caso concreto das inspeções, da ACT, da Segurança Social e dos jogos e casinos, entre outras, que não veem as carreiras revistas desde 2009 e agora estão a tentar impor medidas e carreiras categoriais que não são aceites pelos trabalhadores”, disse.

José Abraão lembrou ainda que nos próximos dias vão continuar as greves na administração pública. “Na segunda-feira, os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica têm uma manifestação que vai até ao parlamento. Temos cerca de 30 mil trabalhadores em contrato individual a quem foram atribuídas 35 horas e continuam a fazer 40 porque são impostas e não é refeito o seu percurso profissional”, disse.

José Abraão disse ainda que “este governo liderado por quem é e apoiado pelos partidos à esquerda vai decerto compreender este desconforto, descontentamento e procurar resolver alguns problemas celebrando acordos porque a nossa matriz enquanto FESAP e UGT é a da negociação. “Claro que quando isto não resulta as pessoas têm de protestar”, concluiu.

Também a vice-presidente da Federação Nacional de Educação (FNE) e presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, disse em declarações à Lusa que o nível e adesão das escolas em todo o país “é muito elevado”, com escolas encerradas. “Está em causa um desprezo total pela educação, pelos trabalhadores da educação e pelos trabalhadores da administração pública. Temos um OE que não vem ao encontro ao que seria o desejável”, disse.

Lucinda Dâmaso indicou também que todas as formas de luta estão em cima da mesa. “Não vamos desistir. Iremos continuar numa luta sem fim até que o governo ceda naquilo que é fundamental para a educação e para os trabalhadores em global, para administração publica”, frisou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. vergonhoso!
    Nós os contribuintes do privado é que pagamos os ordenados mas nada mandamos.
    com tanta insatisfação a melhor forma de protesto seria demitirem-se em bloco!
    Mas isso não seria zelar pelo serviço publico!
    é revoltante viver num pais onde uns têm tantos direitos e outros têm o direito de se demitirem.

  2. Não se sinta sozinho! Eu também sou uma besta! E há muitos como eu, também contribuinte do privado mas que ao contrário de si, não ganham para escolas privadas para os filhos, nem para seguros de saúde que cubram a saúde nas clínicas particulares, que têm que usar transportes públicos em vez de BM’s ou Audis,
    etc, etc, etc… É uma pena não sermos todos milionários! Para comprar tudo e todos…

  3. Trabalho no privado…
    O direito à greve é um direito de todos.
    Ninguém gosta de ir ao hospital e ver a consulta adiada ou ir levar o filho à escola e esta estar fechada.
    Mas uma greve que não cause transtornos a ninguém seria uma greve sem resultados.

    A culpa está em “prometer muito” para se ganhar eleições e chegada a hora de cumprir como não se pode cumprir volta-se atrás. Agora à que arcar com as consequências dessas promessas…

  4. Portugal parou?
    Onde?
    Antes do sismo de 1755?
    Está na hora de acordar para a vida.
    Enquanto Portugal se centrar só nas provínicias de Lisboa, Porto e a distância que os separa, estamos sempre na lama!

RESPONDER

Ex-diretor da agência Elite Models europeia investigado por violação e abuso sexual

Gérald Marie, ex-diretor de uma das maiores agências de modelos do mundo, está a ser investigado pelas autoridades francesas, por suspeitas de agressão sexual e violação, inclusivamente a uma menor. Segundo a Procuradoria-Geral da República francesa, …

Parceiros sociais apanhados de surpresa com alterações ao sucessor do lay-off

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) disse que o Governo não apresentou aos parceiros sociais as alterações que anunciou para regime de apoio à retoma progressiva, o sucedâneo do lay-off simplificado. "Compreendemos que o …

Apesar de "isto estar mais para os partidos de extremos", Santana Lopes nega ligações ao Chega

Em entrevista à TVI24, Santana Lopes referiu que a saída do Aliança não é o fim da sua carreira política, ainda assim recusa um regresso ao PSD. O ex- primeiro-ministro assume as ligações à direita, …

Nem senhoras, nem senhores. Japan Airlines vai abolir expressões de género

A habitual saudação "senhoras e senhores" da companhia aérea japonesa vai ser substituída por saudações neutras relativamente ao género como, por exemplo, "bom dia" e "boa noite". Segundo o jornal The Telegraph, a Japan Airlines vai …

Centeno pediu e Marcelo recebeu o governador do Banco de Portugal

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, esta segunda-feira à tarde, a pedido deste. O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu esta segunda-feira à tarde, no Palácio …

Vila romena reelege autarca que morreu de covid-19 dez dias antes

Os moradores de Deveselu, na Roménia, decidiram prestar uma última homenagem ao presidente da Câmara, nas eleições locais deste domingo, que morreu devido a complicações provocadas pela covid-19 dez dias antes. De acordo com a agência …

Jogador do Rio Ave recusou jogar

Matheus Reis não quis defrontar o Vitória de Guimarães porque quer sair rapidamente de Vila do Conde. Presidente anunciou suspensão do atleta. O Rio Ave apareceu no duelo com o Vitória de Guimarães (0-0) sem Matheus …

António Joaquim entrega recurso no Supremo no caso do homicídio do triatleta

O advogado de António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, entregou, esta segunda-feira, no Supremo Tribunal de Justiça um recurso sobre essa decisão, defendendo a sua revogação e a …

57% dos portugueses diz que a pandemia dificultou acesso à saúde (e mais de 600 mil perderem consultas)

Mais de metade dos portugueses (cerca de 57%) considera que a pandemia dificultou o seu acesso aos cuidados de saúde, sendo a população mais idosa (69%) e os doentes crónicos (70%) quem mais manifesta esta …

“Negacionista e bem raivosa”. Livro de ex-ministro da Saúde revela reação de Bolsonaro à pandemia

O primeiro ministro da Saúde do mandato de Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, publicou um livro sobre o combate à pandemia no Brasil e revelou que o Presidente teve uma reação “negacionista” e “raivosa”. De acordo …