/

Portugal deve receber afegãos “ainda este mês”

1

Mário Cruz / Lusa

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho

Apesar de não haver uma data definitiva, o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, revelou que Portugal pode começar a receber refugiados afegãos ainda este mês.

Questionado por um grupo de jornalistas, à margem de um evento em Almada, o ministro João Gomes Cravinho revelou que Portugal vai receber os primeiros refugiados afegãos ainda este mês. “Apontaria para ainda este mês de agosto”, disse, citado pela Renascença.

“O Governo está muito empenhado e coordenado nas suas diferentes áreas de atividade e de intervenção para poder receber aqueles que forem definidos durante os próximos dias”, disse. “Há um trabalho intenso, coordenado neste momento pela senhora ministra de Estado e da Presidência, e ainda não estão plenamente definidas todas as modalidades.”

Cravinho salientou que a prioridade agora e nos próximos dias é “tratar do imediato”, isto é, “retirar do Afeganistão todos os estrangeiros que lá estão e que querem sair, todos os afegãos que trabalharam ao longo dos anos com as forças estrangeiras, com as nossas forças, por exemplo, com as da NATO, da delegação da União Europeia, com a representação das Nações Unidas”.

Na quarta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, já tinha afirmado que Portugal vai acolher 50 refugiados afegãos numa fase”mais imediata”, sendo dada prioridade aos cidadãos que colaboraram com as forças internacionais e que se sentem mais ameaçados pelos talibãs.

Só numa fase posterior é que Portugal e outros estados-membros avançarão para um maior número de acolhimentos, alargando-os a outros cidadãos afegãos.

Esta madrugada, chegou a Espanha o primeiro grupo de afegãos que vai ser distribuído por cinco países da União Europeia. A UE vai receber entre 380 e 400 pessoas.

Os talibãs conquistaram Cabul no domingo, culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista, que acolhia no seu território o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

  ZAP //

1 Comment

  1. Lá está…….. Esses países, dos quais provém migrantes, deviam começar a resolver os problemas internos a começar pelo controlo de natalidade. Nesses países, reproduzem-se sempre muito e não tem empregos, nem alimentos, vivem em permanentes conflitos. Se começassem a reduzir a natalidade, seriam menos, e já teriam mais oportunidades para todos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.