/

Cerca de 25% da população portuguesa pode estar protegida da covid-19 até ao fim do mês

1

Seja por via da vacinação, ou por via do contacto direto com o vírus, estima-se que cerca de 2,5 milhões de portugueses ficarão com imunidade à covid-19 até ao final de março. As contas foram feitas pelo Correio da Manhã.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mesmo com os atrasos causados pela suspensão da vacina da AstraZeneca, a task force mantém a previsão de que 70% da população estará imunizada no final do verão deste ano.

Segundo o CM, a maior parte da população já protegida contra a covid-19 está nesta condição por ter sido infetada com o vírus. Estima-se que no total 1,5 milhões de portugueses já tiveram a doença: mais de 800 mil confirmados, estimando-se em 700 mil os que contraíram a doença, embora assintomáticos, que não fizeram o teste.

A estes, acrescem ainda cerca de 860 mil pessoas que já tomaram a primeira dose da vacina contra a doença e mais 150 mil portugueses que tomarão a primeira dose da vacina até ao final deste mês.

É neste quadro que, de acordo com o CM, a task force para o plano de vacinação, coordenada pelo vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, encara a suspensão da vacina da AstraZeneca com alguma apreensão, devido ao impacto que este cenário poderá ter na aplicação do plano nacional de vacinação.

Por esta razão, e como medida de precaução, a task force tem estado a preparar um planos suplentes para a vacinação da população.

9 em cada 10 portugueses aceitam ser vacinados

Um estudo desenvolvido na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), a que a Lusa teve acesso esta quinta-feira, revelou que nove em cada 10 portugueses aceitam aderir à vacina contra a covid-19.

Realizado entre os meses de dezembro e janeiro, o inquérito tinha como grande objetivo auscultar a população portuguesa sobre a aceitação e adesão relativamente à terapêutica que pode ajudar a pôr um fim na atual pandemia.

Entre as quase três mil respostas recebidas ao inquérito online, 91% das pessoas expressaram a vontade em serem vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2.

Apesar dos resultados “potencialmente animadores”, os investigadores da FMUP e do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde alertam para o facto de os indivíduos com menor nível de escolaridade revelarem maior preocupação com a toma da vacina, bem como dos possíveis efeitos secundários, ou seja, em maior risco de não aceitarem ser vacinados.

PUBLICIDADE

De acordo com a investigadora e uma das autoras do estudo Rute Sampaio, “apesar de não existir uma fórmula mágica, é de extrema importância que se adapte as mensagens de saúde pública às diferentes características da população”, porque “a eficácia da vacina para se alcançar uma imunização das comunidades está muito dependente da opinião pública e da confiança das pessoas em aderirem a esta terapêutica”.

Segundo os investigadores, os resultados mostram que não é por as pessoas se considerarem extremamente bem informadas sobre a doença que aceitam mais a vacina.

“Isto pode estar relacionado com uma menor perceção do risco sobre a Covid-19 por parte da população, mas também nos pode remeter para as fontes de informação que as pessoas recorrem para compreender a situação pandémica serem as que condizem com as suas perceções”, esclarecem.

Ainda no mesmo estudo, os dados revelam também que as mulheres consideram que a pandemia tem afetado mais as suas vidas, estão mais preocupadas em serem infetadas e sentem-se mais abaladas emocionalmente com a situação pandémica.

A segunda fase do processo de vacinação contra a covid-19 vai ficar marcada pela ativação de centros de vacinação rápida, farmácias e um novo website para auto-agendamento, revelou o coordenador da task force.

PUBLICIDADE

Em entrevista à agência Lusa, o vice-almirante Gouveia e Melo diz que está já prevista para abril, quando se iniciar a segunda fase, a criação de postos de vacinação rápida ou massiva e o lançamento de uma nova página de Internet, ficando as farmácias reservadas para quando se detetarem limitações no sistema de administração de vacinas perante a maior disponibilidade esperada no segundo trimestre.

Com uma média de cerca de 23 mil inoculações diárias, o processo tem assentado na comunicação com os cidadãos por SMS, os quais registam uma taxa de sucesso de marcações entre os 50 e os 54%. Os restantes utentes são alcançados através de marcações diretas pelos centros de saúde, com o apoio das autarquias, sublinhou Henrique Gouveia e Melo.

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.