Polícias em protesto em Braga, Porto e Lisboa. Esperam um sinal de apoio de Marcelo

José Sena Goulão / Lusa

Elementos da PSP e da GNR realizam esta terça-feira protestos em simultâneo em Braga, Lisboa e Faro, numa ação convocada pelos sindicatos, enquanto o Movimento Zero (M0) inicia uma vigília nos aeroportos portugueses.

Organizadas por sete sindicatos da PSP e pela Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), as concentrações vão acontecer em frente do estádio de Braga, onde vai decorrer a ‘Final Four’ da Taça da Liga em futebol, junto do Ministério das Finanças, em Lisboa, e no jardim Manuel Bívar, em Faro.

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícias (ASPP/PSP), Paulo Rodrigues, disse à agência Lusa que o protesto “terá mais força em Braga”, onde, além da concentração, um grupo de cerca de 20 polícias vai entrar no estádio juntamente com os restantes adeptos e estender uma faixa que terá a inscrição “Polícias exigem respeito”.

Na concentração em Lisboa, que vai decorrer a partir das 16:00, os elementos das forças de segurança pretendem entregar no Ministério das Finanças um documento, no qual explicam as reivindicações e solicitam “uma vez mais” a resolução dos problemas.

Sem o apoio dos sindicatos, o M0, um movimento social inorgânico criado em maio de 2019 por elementos da PSP e da GNR e bastante visível na última manifestação de forças de segurança, em novembro de 2019, vai realizar a partir das 10:00 vigílias em todos os aeroportos portugueses, num protesto que deverá estender-se por vários dias.

Na segunda-feira, a PSP indicou à Lusa que não foram recebidos pedidos de autorização para a realização de concentrações nas zonas dos aeroportos, nomeadamente acessos, estacionamentos e interior destas infraestruturas.

Através das redes sociais, o Movimento Zero está a apelar para a participação dos polícias e civis e a divulgar os cartazes que devem ser levados para a concentração nos aeroportos, sublinhando que “o comportamento exemplar é marca registada do M0″.

O M0 está ainda a pedir aos polícias para levarem um bem alimentar ou um brinquedo para depois serem “doados aos mais carenciados”.

Entre as reivindicações na base dos protestos estão o pagamento do subsídio de risco, atualização salarial e dos suplementos remuneratórios, criação de legislação relacionada com higiene e saúde, aumento do efetivo e mais e melhor equipamento de proteção.

Polícias esperam um sinal de apoio de Marcelo

Em entrevista ao semanário Expresso, Paulo Rodrigues deixa claro que o protesto desta segunda-feira é contra o Governo, dizendo ainda que as forças de segurança esperam um sinal de apoio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

“[O protesto dos polícias] é contra o Governo. Pois este comprometeu-se com um conjunto de soluções mas que não foram cumpridas. O senhor primeiro-ministro António Costa tem grande responsabilidade no que se passa já que estas medidas foram faladas na última campanha eleitoral. E o próprio Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que agora iria ser o momento das forças de segurança”.

“Marcelo Rebelo de Sousa fez umas declarações sobre este ser o momento das forças de segurança na altura da atualização salarial e o estatuto dos juízes e da Polícia Judiciária. Gostaríamos que o senhor Presidente da República dissesse agora que este é o momento das forças de segurança. E que tivesse uma palavra de apreço sobre o papel dos polícias e se mostrasse solidário pela nossa luta. Tenho esperança que ele fale sobre o assunto”.

Paulo Rodrigues disse que um eventual sinal do Chefe de Estado seria “um sinal de grande apoio e cairia muito bem entre os profissionais (…) Perceberíamos que a nossa mensagem estaria a ser escutada pelo Presidente. E pelo menos não nos sentíamos completamente abandonados. Este é o sentimento dos polícias em relação ao poder político”.

Na mesma entrevista, o presidente da ASPP/PSP lamentou ainda que o ministro das Finanças, Mário Centeno, não tenha por hábito receber sindicatos. “Tenho dúvidas [de que nos receba no ministério]. Até porque ele nunca o fez. Não tem por norma receber os sindicatos. O que é mau. Porque lhe poderíamos explicar em primeira mão aquilo que nos vai na alma. E talvez ele percebesse melhor qual o sentimento atual das polícias. E esse sentimento é de responsabilidade”, disse.

“Não queremos que daqui a dois ou três anos, caso o país esteja numa situação de insegurança e de maior criminalidade, ficarmos com a responsabilidade de não ter alertado o Governo. E queremos mostrar aos cidadãos que fizemos tudo para alertar o poder político”, acrescentou Paulo Rodrigues.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …