Polémica com passageiro arrastado já tirou 800 milhões à United Airlines

A United Continental Holdings, dona da United Airlines, perdeu milhões na bolsa norte-americana depois de um passageiro ter sido retirado à força de um avião da companhia aérea devido à falta de lugares.

Durante a manhã de terça-feira, as ações da empresa chegaram a cair quase 4%, fazendo com que a companhia avaliada em mais de 22 mil milhões de dólares em valor de mercado perdesse, pelo menos, 830 milhões de dólares. Durante a tarde, as perdas abrandaram para cerca de 1,5%, ou seja, cerca de 250 milhões de dólares (236 milhões de euros) de capitalização bolsista.

O presidente da transportadora aérea United Airlines já apresentou as suas desculpas a David Dao, o passageiro que foi expulso violentamente do um avião da companhia em Chicago, 48 horas depois do incidente que provocou indignação em todo o mundo.

“Apresento as minhas desculpas mais sinceras ao passageiro que foi desembarcado brutalmente do avião. Ninguém dever ser tratado daquela maneira”, escreveu Oscar Munoz, em comunicado, qualificando o incidente como “verdadeiramente horrível”.

No texto, garantiu que a empresa “assume as suas responsabilidades e vai compor as coisas”, acrescentando que “nunca é tarde demais para fazer o bem”.

Os advogados do passageiro, indicaram, por seu turno, que este continuava internado e que não iria fazer qualquer declaração nos próximos tempos.

A Casa Branca também já lamentou o incidente, que classificou como “infeliz”. O porta-voz Sean Spicer afirmou que “é perturbador ver como tudo foi gerido“.

Andy Holdsworth, um especialista em comunicação de crise na empresa britânica Bell Pottinger, considerou o episódio como “um desastre em matéria de relações públicas“.

Dos EUA à China, passando pela Europa e América Latina, o incidente provocou reações indignadas e apelos ao boicote da empresa, depôs da difusão de vídeos filmados por outros passageiros que mostraram o homem arrastado pelo corredor, sangrando da cabeça, depois de esta ter batido no braço da cadeira de onde foi arrancado pela polícia do aeroporto.

Perante o escândalo, o Departamento dos Transportes abriu um inquérito “para determinar se a companhia aérea respeitou as regras em matéria de overbooking” e um dos seguranças da companhia foi suspenso.

O overbooking é uma técnica comercial que permite que as companhias aéreas vendam mais lugares do que os existentes no avião.

A United Airlines comprometeu-se a fazer um inquérito interno para examinar e rever a gestão de situações de overbooking e a política de indemnizações, cujas conclusões devem ser conhecidas em 30 de abril.

As empresas aéreas norte-americanas podem obrigar os passageiros a saírem dos aviões para os quais haja mais bilhetes vendidos do que lugares disponíveis, em troca de indemnizações, se não conseguirem voluntários suficientes para abandonarem o aparelho.

A United Airlines esclareceu que propôs 800 dólares aos passageiros que quisessem renunciar ao lugar neste voo, de domingo, entre Chicago e Louisville, no centro-este do país. Sem voluntários, sorteou passageiros para sair do avião.

“Quando alguém compra um bilhete de avião, aceita as condições de venda que dão direitos importantes à empresa aérea”, sublinhou Robert Mann, do gabinete R.W. Mann & Company.

“Desde que esteja a bordo, tem de seguir as ordens da tripulação. Se estiver no terminal de embarque, a companhia pode decidir que essa pessoa não embarca, mesmo que tenha bilhete. Uma vez a bordo, qualquer passageiro pode ser expulso à força”, destacou o analista.

Cerca de 46 mil passageiros, em média, têm de sair de aviões nos EUA, devido a situações de overboking, mas, por norma, os casos são resolvidos através de um compromisso.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E falamos de um pais democrático que quer ser exemplo para os outros países…

    Compreende-se que a actuação dos funcionários pode ter ido contra as directrizes da empresa usando-se a força em vez do diálogo mas com ou sem dolo no limite a empresa tem que assumir a actuação de todos aqueles que estão ao seu serviço.

    Já a pratica, apesar de comum, é duvidosa pois quando um passageiro compra bilhete está a adquirir um direito de viajar e não apenas um eventual direito de viajar.

    As companhias aéreas não podem colocar em letras pequenas estas condições de hoverbooking nas condições de venda e depois esperar que alguém decida abdicar de um direito só porque a companhia aérea decidiu amealhar mais alguns dólares.

    No limite não pode ser um sorteio a decidir mas sim um leilão… dar ofertas com incremento sucessivos aos clientes e quem aceitar aceita correndo depois a companhia o risco de ter que pagar valores elevados aos seus clientes que viram a viagem gorada.

    Mais um simples caso que o cliente não tem razão… imaginem que no sorteio sai um cliente que depois faz um transbordo para outro voo de outra companhia, perde um funeral, falha a um casamento, a uma reunião que decide o futuro de uma empresa, etc… quem paga isto… o cliente…

    O que a empresa perdeu em bolsa é virtual e daqui a 2 ou 3 semanas já o assunto foi esquecido e o prejuízo recuperado. A resposta que devemos dar é simplesmente não comprar mais bilhetes nessa companhia…
    Cumprimentos

RESPONDER

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …

"Botellón" está de volta a Lisboa. Ajuntamentos sem controle podem estar a espalhar o vírus

Há cada vez mais ajuntamentos de jovens em Lisboa, nomeadamente nos bairros típicos, mas também em locais como bombas de gasolina, para o convívio e o consumo de álcool. Um tipo de comportamento que está …